quarta-feira, 13 de agosto de 2014

COM A BENÇÃO DO PAPA FRANCISCO SAN LORENZO DERROTA NACIONAL E É O NOVO CAMPEÃO DA COPA LIBERTADORES DA AMÉRICA


foto Google
Na parte técnica e tática o jogo decisivo da Copa Libertadores da América no Estádio Nuevo Gasometro, em Buenos Aires, entre os dois piores times da fase da grupos da competição e que nunca haviam ganhado antes o título continental, foi dos mais chulés. Salvou-se o veterano Romagnoli (foto), camisa 10 do San Lorenzo de Almagro, time da torcida do Papa Francisco, que comandou o jogo e se despediu do futebol argentino. Virá jogar no EC Bahia. O  único gol do jogo foi marcado por Ortigoza, cobrando pênalti de Coronel. O zagueiro do Nacional de Assunção meteu a mão na bola, n a cara do árbitro brasileiro Sandro Meira Ricci, que teve ótima atuação.
Quando marcou seu gol, aos 35m do primeiro tempo, o San Lorenzo era dominado pelo Nacional que armou boa retranca, conseguiu neutralizar Romagnoli  e ameaçava mais a meta adversária com chutes de  Torales e Benitez de fora da área. Como dizem os comentaristas de tevê e rádio, o Nacional jogava por uma bola. Havia empatado o primeiro jogo em Assunção e um novo empate, por qualquer placar, levaria a decisão à prorrogação.  Com esta vitória por 1 a 0, ao terminar o jogo, o Estádio Nuevo Gasometro virou uma loucura. O San Lorenzo era o único time grande da Argentina sem o título continental. O estádio teve 95% de sua lotação ocupada. Sandro Ricci foi o 9º árbitro brasileiro a apitar uma final de Copa Libertadores.
A última competição conquistada pelo futebol argentino foi em 2009, com a vitória do Estudiantes sobre o Cruzeiro. Agora a Argentina tem 23 títulos e o Brasil ficou com 17. Antes do apito final, o craque do jogo, Romagnoli, aos prantos, deixou o gramado, muito aplaudido e se despediu do San Lorenzo. Dizem que já estava arrependido, mas como recebeu uma bolada na mão do Bahia não tinha como voltar atrás.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.