domingo, 12 de outubro de 2014

CRISTA DO GALO ANDA ALTA NO RETURNO

 MESMO CHEIO DE DESFALQUES, ATLÉTICO VENCE SÃO PAULO NO HORTO E DÁ NOVA AJUDA AO RIVAL CRUZEIRO GOLEADO NO RIO PELO FLAMENGO.

FICHA TÉCNICA - ATLÉTICO X SÃO PAULO

ATLÉTICO - Victor; Marcos Rocha, Edcarlos, Jemerson e Alex Silva; Leandro Donizete, Luan (Josué), Dátolo e Maicosuel (Cesinha); Carlos e André (Marion). Técnico: Levir Culpi
SÃO PAULO - Rogério Ceni, Hudson, Antonio Carlos, Edson Silva e Reinaldo; Denilson, Maicon (Boschilia), Michel Bastos e Osvaldo (Ewandro); Alexandre Pato (Luiz Fabiano) e Alan Kardec. Técnico Muricy Ramalho.
Gols: Luan, 26min 2ºT
Motivo28ª rodada do Campeonato Brasileiro
EstádioIndependência, em Belo Horizonte
Data: 12 de outubro de 2014
Árbitro: Marielson Alves Silva (BA)
AssistentesLuiz Carlos Silva Teixeira (BA) e Adson Marcio Lopes Leal (BA)
Cartão amareloDenílson (SPA)
Pagantes: 15.288
RendaR$ 331.030,00

COMENTÁRIO: Com catorze desfalques, o heroico time do Atlético retoma sua posição como quarto colocado no G-4, com 47 pontos e 14 vitórias, superando Grêmio ( 46, após perder pro Palmeiras por 2 a 1), Corinthians (46, derrotado pelo Botafogo, em Manaus, por 1 a 0). A reação do Atlético é tão incrível que há algumas rodadas estava a 12 pontos do Cruzeiro e agora se encontra a nove pontos. Tenho dito que Levir Culpi é o grande general desta batalha, com um exército de Brancaleone. Pra quem não sabe, está no Google - L'armata Brancaleone (em português: O Incrível Exército de Brancaleone ). Um filme italiano de 1966, do gênero comédia. Foi dirigido por Mario Monicelli e baseado em Dom Quixote de La Mancha, do escritor espanhol Miguel de Cervantes. Os guerreiros de Culpi extrapolam o limite da vontade e da mística da camisa alvinegra. Vão além. Victor, Jemerson, Alex Silva, Dátolo e o melhor de todos, em campo, autor do gol em jogada construída por ele próprio, Luan, no momento representam uma verdade que nem os próprios atleticanos acreditam. Estão atônitos, sem saber se confiam no time que busca uma vaga na Libertadores, ou entregam tudo nas mãos dos deuses de futebol. O próximo jogo do Atlético será, ainda, em casa, contra a Chapecoense, no final da semana.
COISA FEIA DO LÍDER CRUZEIRO: LEVA GOLEADA E OLÉ DO FLAMENGO NO MARACANÃ
FICHA TÉCNICA - Flamengo 3 x 0 Cruzeiro

Flamengo - Paulo Victor, Leo Moura, Marcelo, Wallace (Chicão) e Anderson Pico; Márcio Araújo (Muralha), Canteros, Cáceres e Everton; Eduardo da Silva (Gabriel) e Alecsandro - Técnico: Vanderlei Luxemburgo
Cruzeiro - Fábio; Mayke, Manoel, Dedé e Egídio; Henrique, Lucas Silva, Nilton (Willian); Alisson, Marquinhos (Marlone) e Marcelo Moreno (Borges) - Técnico: Marcelo Oliveira
Gols: Dedé (contra), aos 14 minutos; 2º tempo – Canteros, aos 11 minutos; Gabriel, aos 16 minutos
Motivo: 28ª rodada do Campeonato Brasileiro
Estádio: Maracanã,
Data: 12 de outubro, às 16h
Árbitro: Francisco Carlos do Nascimento (AL- Fifa)
Auxiliares: Fabrício Vilarinho da Silva (GO – Fifa) e Fábio Pereira (TO - Fifa)
Amarelos: Cáceres, Marcelo (Flamengo); Nilton e Marquinhos (Cruzeiro)

COMENTÁRIO - Em uma de minhas trincheiras atrás, quando ninguém parava o time azul que chegou a botar 10 pontos de frente no segundo colocado, escrevi  que o Cruzeiro só perderia o título deste ano pra ele próprio. Apesar da feia derrota no Maracanã, com a goleada de 3 a 0 aplicada pelo Flamengo e o ensaio de olé aos gritos da boa torcida rubro-negra presente no estádio,  continuo com o mesmo pensamento.
A questão não é apenas os perseguidores tirarem os seis pontos atuais que separam o Cruzeiro - duas vitórias e mais duas derrotas - nos 10 rodadas  restantes. A questão é que os adversários não aproveitam as chances dadas pelo Cruzeiro e perdem, também. O Inter aproveitou agora e venceu o Flu por 2 a 1, porém no meio-da-semana levou de 5 a 0 da Chapecoense. Recuperou a vice liderança e tirou um ponto na diferença entre ele e os celestes.
A derrota do Cruzeiro no Maracanã foi fruto dos erros individuais do próprio Cruzeiro; naquele primeiro gol, quando os azuis dominavam, Egídio quis  driblar com a defesa desorganizada, saindo para o ataque e perdeu a bola pra Alexsandro. Seu cruzamento foi fraco e iria nas mãos de Fábio. O atabalhoado Dedé, mais uma vez, se meteu no meio e mandou a bola no ângulo da meta. Gol contra faz desabar qualquer time.
No segundo gol, bola nas costas de Egídio e Manoel faz a cobertura pra evitar a entrada de Canteros; Fábio titubeia pra sair do gol e o atacante do Flamengo se mete entre eles, rouba a bola e sem ângulo rola pra meta vazia. Erro de Manoel, Fábio e, porque não, de Egídio, avenida adversária. No terceiro, o goleiro do Flamengo chuta pra frente, Alexsandro pega, passa por Egídio e cruza na área, onde não há marcação de Dedé ou Manoel e Gabriel entra livre e marca.

Há que se discutir a escalação do time. Marcelo Pacote Oliveira pensou bem ao escalar três volantes. Não funcionou porque o time usou poucas vezes tal fórmula. Faltou apoio ao ataque. Marcelo Moreno em tarde de luta e de azar perdeu gol feito quando estava 0 a 0. Alisson foi apenas lutador e Marquinhos não existiu. No meio-campo, ninguém jogou nada. E a defesa, de Fábio a Egídio foi um desastre. Convém Pacote repensar Dedé com Manoel. Não tem funcionado. Culpa maior de Dedé. Agora é a Copa do Brasil contra o ABC, em Natal e depois Salvador, contra o Vitória. Vida dura a de Marcelo Pacote.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.