quinta-feira, 16 de outubro de 2014

MASSA GRITA 'EU ACREDITO' E TIME RESPONDE NO GRAMADO: COMO FOI NOS BONS TEMPOS DA LIBERTADORES - Flávio Anselmo (16-1-14).

APLAUSO PRA QUEM MERECE - Seu Palmiro, capataz da antiga Fazenda dos Anselmo, ao lado do Rio Preto, em Piedade de Caratinga, tinha o costume de dizer, após encerrar o papo com meu pai, na sala de visitas, chegando a hora de ir embora: "me sentei e já desasentei. Pé no caminho". Fiz que nem ele após os jogos de quarta-feira à noite. Meia-noite, sob o entusiasmo da sensacional apresentação do Galo contra o Corinthians, me  assentei na frente do micro. Novas palavras, no entanto não me vinham. Apenas velhos chavões. Como enaltecer, então, a brilhante virada do Atlético, como nos bons momentos da Libertadores de 2013.
Fui colher os dados do jogos dos mineiros naquela noite e piorou meu estado de letargia com a derrota e a covardia do time do Cruzeiro diante do ABC. Classificou-se graças ao gol de Léo marcado no Mineirão. Mesmo assim terminou o jogo sob pressão, porque mais um gol, e o time de Marcelo entraria ralo a fora.
NOITE ESPECIAL - Além do quê aquela noite era especial. Noite de heróis, valentes, destemidos. Nada de falsos heróis, rotulados e medrosos. Engolidos por uma pusilanimidade que permitiu a virada do pequeno ABC, após chegar a 2 a 0 no primeiro tempo, pro assustador placar de 3 a 2, que o levou às semifinais da Copa do Brasil, sem nenhum merecimento. Mas encontrei o lead de um  texto admirável do jornalista Rodrigo Fonseca para o Superesportes, que resume exatamente os sentimentos deste filho da Dona Geralda, com relação aos poderes do Atlético, da entrega de Guilherme, Luan e, principalmente, Diego Tardelli, e da fé inabalável dessa Massa, que não há nada igual no Brasil.
Permita-me Rodrigo Fonseca, repetir o lead de sua matéria para o Superesportes:
"Foi na técnica de Guilherme. Nas mãos salvadoras de Victor. No esforço de Diego Tardelli. Na raça do time. No "Eu acredito" da torcida. No gol salvador de Edcarlos aos 41 minutos do segundo tempo. O Atlético reviveu dias de glória da Copa Libertadores 2013 e conseguiu uma virada heroica sobre o Corinthians na Copa do Brasil"
O texto de abertura (lead) mostra depois o que a torcida sabia antes. " Depois de perder o jogo de ida por 2 a 0, sair em desvantagem nesta quarta-feira, o Galo fez 4 a 1 no Timão e deixou o Mineirão classificado às semifinais da Copa do Brasil. O adversário será o Flamengo. As partidas estão previstas para os dias 29 de outubro e 5 de novembro".
 Neste sábado, o Atlético volta a campo pelo Campeonato Brasileiro. Depois de assumir a posse, também, do Mineirão, o Atlético volta ao Independência no sábado pra pegar a Chapecoense, na sua luta pra ficar no G-4.
NADA IGUAL - Confesso que diante do marasmo do Cruzeiro em Natal, que eu passei a acompanhar na Fox-Sports, após o Atlético levar o gol de Guerrero, aos 5m, que não acreditava em mais nada. Resolvi dar um basta no calor e fui tomar banho. Quando voltei, o Galo já vencia por 2 a 1, com gols de Luan (?) e Guilherme. E o Cruzeiro tinha feito 2 a 0 no ABC. Fui atrás de qualidade e fiquei na Globo onde se discutia, numa roda de cinco comentaristas, se o gol foi de Luan ou de Guilherme. Coitadinho do Luan! Os analistas deram o gol pra Guilherme e mostraram que a bola nem roçou naquela cabeleira de Luan. Além do mais, Guilherme estava com o capeta no corpo.
Lasquei uma mordida na goiabinha de Rio Casca que me acompanha nesses momentos, e prescrevi:- "Este jogo não vai terminar bem pro Mano Meneses".  Diego Tardelli, tresnoitado, após chegar às quatro horas da tarde da viagem com a seleção brasileira, parecia estar de brincadeira no seu quintal. Seu gás acabou aos 28m do segundo tempo e entrou Marion.  Pouco depois, Guilherme encerrava seu show particular fazendo 3 a 1. A infernal torcida do Atlético. no clima do "Eu Acredito", empurrou o time até que outro desacreditado - Edcarlos - fizesse 4 a 1 classificando o corajoso time de Levir.
Justo na hora que outra discussão entrava em pauta na Globo e o bom moço Caio Ribeiro tropeçava no bairrismo paulista: um telespectador perguntou quem era melhor Cássio ou Victor? Ambos faziam uma partida notável. Caio tentou ficar em cima do muro, mas escorregou - "Victor é melhor, porém o momento é de Cássio".  Levando quatro gols.

FICHA TÉCNICA : ATLÉTICO 4 X 1 CORINTHIANS

Atlético - Victor; Marcos Rocha, Edcarlos, Jemerson e Douglas Santos; Leandro Donizete (Josué), Luan (Maicosuel), Dátolo e Guilherme; Diego Tardelli (Marion) e Carlos. Técnico: Levir Culpi
Corinthians: - Cássio; Fagner, Felipe, Anderson Martins e Fábio Santos; Guilherme Andrade (Elias), Bruno Henrique, Petros e Renato Augusto (Danilo); Malcom (Luciano) e Guerrero. Técnico: Mano Menezes
Gols: Guerrero, 4min 1ºT; Luan, 23min 1ºT; Guilherme, 31min 1ºT e 29min 2ºT; Edcarlos, 41min 2ºT
Motivo: quartas de final da Copa do Brasil
Estádio: Mineirão, em Belo Horizonte
Data: 15 de outubro de 2014
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Auxiliares: Alessandro Rocha Matos (BA) e Kleber Lúcio Gil (SC)
Cartão amarelo: Jemerson (ATL); Guilherme Andrade (COR)
Pagantes: 32.640
Renda: R$ 1.704.425,00

ÁRBITRO RUIM E COVARDIA TÁTICA LEVAM CRUZEIRO A NOVA DERROTA.

Eu lamento que Marcelo Pacote não me escute, porque se fizesse isso evitaria transtornos pro seu time, como aconteceu quarta-feira em Natal. Tá bom, o ABC venceu de virada, após levar 2 a 0 no primeiro tempo, ganhou por 3 a 2, mas não levou nada. O Cruzeiro está nas semifinais da Copa do Brasil. E o prestígio do líder do Campeonato Brasileiro, considerado no momento como o melhor time do País e com um elenco de fazer inveja, pra onde foi este prestígio?
A turma do Ibope negativo, que tem atazanado a vida da Presidente Dilma com falso números a favor de Aécio, vai encarnar, também, no Cruzeiro. Os seis pontos de vantagem sobre o segundo colocado, que este futebol acovardado, cheio de volantes e com esta zaga atrapalhada, que leva seis gols em dois jogos, sumirão nas duas partidas seguintes. No domingo, o Cruzeiro enfrenta o Vitória de Ney Franco em Salvador. Se Pacote não mudar a cara do time, dando-lhe a forma autêntica de líder, sem três volantes - o Galo tem jogado só com um volante, Leandro Donizette, e não poupa os adversários. - e com uma zaga (Dedé e Manoel) menos atrapalhada, perde o título que estava ganho há umas cinco rodadas atrás.
O time vinha bem com  Manoel e Léo, no período de contusão de Dedé. O cartaz do ex-mito do Vasco obrigou o treinador a escalá-lo. Se são ordens superiores a fim de deixar Dedé na vitrine, pra vendê-lo, aviso que ele está que nem maça podre num balaio. Também é preciso que Manoel volte à sua posição original, jogando pelo lado direito, pra recuperar sua confiança. No caso de Egídio, não há solução mesmo. A defesa do Cruzeiro, exceto na meta com Fábio e na lateral direita com Maike está uma porcaria. Os três volantes só pensam em apoiar; volte logo a jogar com dois: Lucas Silva e Henrique; complete o meio com Everton Ribeiro e Álisson; Na frente, Moreno e Marquinhos, na falta de outro aqui. Chega de Marrone e Neílton, foguetes molhados; do chinelinho Borges, Dagoberto e Júlio Baptista, William e William Faria!
Tenho aconselhado aqui nesta Trincheira a Marcelo Pacote que faça um estudo bem detalhado do time do Atlético. Dizem que o elenco dele é inferior ao do Cruzeiro. Já não acredito mais nisso. Só sei que Levir Culpi armou uma equipe de machos, com um só volante e todos apaixonados pelo Atlético, como se atleticanos fossem desde meninos.
ROBÔ NA ARBITRAGEM - O tal juiz Anderson Daronco do Rio Grande do Sul tem pinta de bravo. É enorme, corre como um robô e apita mal pacas. Ou então estava mal intencionado. Dois pênaltis a favor do Cruzeiro, que poderia abrir 4 a 0 e depois marcou um para o ABC - como sempre de Dedé - existente. Só que o atacante Rodrigo Dias, que sofreu o pênalti estava impedido. Xuxa bateu e começou a reação do ABC. Que fase, hein Fábio? Seis gols em dois jogos e um deles de Xuxa. Céus! Tudo bem que o árbitro gaúcho devia apitar jogos do campeonato de várzea no RS, mas que foi feio demais, o time alternativo do Cruzeiro tomar aquela virada em Natal, foi.


FICHA TÉCNICA: - ABC 3 x 2 CRUZEIRO

ABC - Gilson; Madson, Sueliton, Marlon e Samuel; Daniel Amora, Fábio Bahia, Patrick (Alvinho), Xuxa, João Paulo (João Henrique, depois depois Beto) e Rodrigo Silva . Técnico: Moacir Júnior 
CRUZEIRO - Fábio; Ceará, Dedé, Manoel e Egídio (Leo); Willian Farias, Nilton, Henrique, Willian e Alisson (Neilton); Borges (Marlone). Técnico: Marcelo Oliveira
Estádio: Arena das Dunas
Data e horário: 15 de outubro de 2014, às 22h
Árbitro: Anderson Daronco (RS)
Assistentes: Fabrício Vilarinho da Silva (GO) e Fábio Pereira (TO)
Cartões Amarelos: Alisson, Nilton, Fábio e Dedé (Cruzeiro). Daniel amora e Xuxa (ABC)
Gols: Willian e Henrique (Cruzeiro). Rodrigo Silva, Xuxa e Alvinho (ABC)
Público pagante: 18.530
Renda: R$ 772.000

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.