sexta-feira, 27 de março de 2015

GALO E LEÃO JÁ FOI CLÁSSICO ATÉ DE DECISÃO DE CAMPEONATO. O QUE SERÁ DESTA VEZ NO HORTO?








EU OUVI FALAR...- Não é do meu tempo, nem quando eu era menino pequeno lá na República Independente do São João do Caratinga. Por ouvir falar é que eu sei que Atlético e Villa Nova, duas histórias centenárias do nosso futebol, já fizeram clássicos memoráveis na decisão de campeonatos mineiros. Naqueles tempos do tricampeonato do Leão do Bonfim.  Tanto que, quando o Galo ia à Nova Lima, o policiamento tinha de ser reforçado. No encontro das duas torcidas saíam até faíscas.

NÃO MAIS COMO ANTES - Hoje diminuiu uns 60%. Tudo bem que a presença do Atlético na terra do ouro, das minas imperiais e inglesas, ainda causa certo tremor de terra. Penso que o Leão ruge mais alto atualmente fora de seus domínios, porque o estádio Castor Cifuentes continua sendo tão perigoso pros adversários quanto pro time da casa.

FORA DO PENIDÃO - O campo é pequeno, sem comodidade, gramado ruim, próximo demais do alambrado. Peguei a fase da velha Toca do Leão. Falaram em construir um novo estádio e a politicagem não deixou e reformaram o Castor Cifuentes.  O clássico deste domingo será no Horto e lá, também, o Villa tem história pra contar, inclusive de um título da Segunda Divisão Brasileira do qual pouco se fala.

JOGÃO ESTÁ DE VOLTA? Para os villanovenses fanáticos,- existem muitos ainda em Nova Lima - o fato de jogar no Independência não dá ao Atlético nenhuma vantagem. Pelo contrário. Ajuda ao Villa que sai daquele seu curral desfavorável pra jogar num campo que conhece bem. Portanto, amigos, parece que o velho clássico de rivalidade centenárias estará de volta. Não percam...

CRUZEIRO QUER RECUPERAR BOLA PARADA - O velho e saudoso Kafunga dizia que esta história de bola parada é coisa de técnico, cronista e jogador cabeças-de-bagre. Perguntava, rindo: "Onde já se viu bola parada entrar no gol?" Hhahahah.  Claro que se tratava de uma das múltiplas gozações do Velho Kafa. Aproveitava algumas tiradas de seu amigo João Saldanha.  Este odiava quando alguém por perto dizia: "o futebol brasileiro está na entressafra". E contra-atacava: "Que entressafra? Por acaso somos todos fazendeiros?".

LEMBRANÇA DAS MELHORES - Certa vez, num programa da TV Itacolomi, Bola na Área, Saldanha,  como técnico da Seleção Brasileira era entrevistado por uma equipe dos Diários Associados-MG. Eu estava no bolo, como diretor de esportes da Rádio Guarani. Caí na besteira de perguntar-lhe como se arrumaria com o futebol em plena entressafra, após o mundial de 66. Respondeu como de costume: "Ô garoto, você é fazendeiro?" Dei o troco na hora: "Não se faça de engraçadinho, Saldanha, você entendeu a minha pergunta". Para minha surpresa, ele não perdeu a esportiva. Deu aquele seu tradicional risinho de boca fechada, pelo canto dos lábios, e me disse: "Não me leve a mal, garoto, e não perca a esportiva. Eu sou assim mesmo".

O GAROTO ERA EU - A memória dele, era de elefante: não é que em 1986, na Copa do México, enquanto esperávamos uma feijoada falsicada num bar brasileiro na capital mexicana, Saldanha lembrou: "Quer dizer que aquele garoto fazendeiro era você?"

FALTA QUE FAZ - Nos dois brasileiros seguidos que venceu, o Cruzeiro tinha uma arma mortal: a bola parada. Fosse de escanteio, de falta pelos lados ou de falta em cobrança direta.  O técnico Marcelo Pacote de Oliveira tá atrás de um cara assim no atual time.
 Os seis cobradores do bicampeonato deixaram o clube: Everton Ribeiro, Lucas Silva, Egídio, Dagoberto e Nilton, enquanto Júlio Baptista,se recupera de cirurgia.  
Em 2013, o Cruzeiro marcou cinco gols de falta, com Everton Ribeiro, Egídio, Dagoberto, Nilton e Júlio Baptista. Já em 2014 foram quatro, marcados  por Everton Ribeiro, Júlio Baptista, Lucas Silva e Egídio.

REVELAÇÃO PERNAMBUCANA - O meia Marcos Vinicius, 20 anos, entrou bem na partida contra o Mamoré, agradou tanto ao treinador Pacote que deverá ter nova chance em Patos de Minas, domingo, contra a URT, no Estádio Zama Maciel. O garoto, ainda, pertence ao Náutico Capibaribe e está emprestado até julho. O Cruzeiro tem preferência na compra de 50% dos direitos dele, por R$ 900 mil. Sem dinheiro, o Náutico espera acertar com os azuis e com a importância pagar três meses de salários atrasados. Cruzes!

DUNGA FALA EM MUDANÇAS -

(Superesportes) A Seleção Brasileira terá novidades na escalação diante do Chile. O jogo será  às 11 horas (de Brasília) de domingo, em Londres. As mudanças fazem parte do planejamento de trabalho de Dunga e não está ligados à qualquer reprovação do técnico ao desempenho do time na vitória por 3 a 1 sobre a França.
“Ainda não pensei em nomes. Vou ver quem está mais ou menos desgastado. Queremos manter uma base, mas mudará um pouco, pelas características dos jogadores.”

FIRMINO E NEYMAR - Contra a França, Dunga apostou em Roberto Firmino (que elogiou) ao lado de Neymar no ataque do Brasil, em substituição a Diego Tardelli, cortado por lesão. Outra surpresa  foi a entrada de Elias no meio-campo, no lugar  de Fernandinho.
Apesar de suas observações na Seleção, Dunga ainda não fechou as portas à ninguém na Copa América. Por isso, Elias e os seus companheiros têm que continuar a merecer a confiança do comandante a partir do amistoso com o Chile.

JOGO DE CONFIANÇA - “Tento transmitir essa confiança para eles, até porque a maioria foi muito criticada depois da Copa do Mundo. Estão no caminho agora, buscando um equilíbrio, e quero dar sequência. Mas não tenho uma porcentagem definida para a Copa América. Vamos observando tudo”, afirmou Dunga.
O bom momento também não fez o técnico deixar de valorizar o Chile, que sediará o torneio continental. “Além de jogar em casa, eles fizeram uma ótima Copa do Mundo. Isso coloca os seus jogadores entre os favoritos ao título da Copa América. Eles praticam um futebol ofensivo”, enalteceu Dunga.

TRAPAÇEIRO ATACA - O excelente diretor jurídico do Atlético, Dr. Lásaro Cândido da Cunha informou que o Atlético fez uma notificação judicial ao Palmeiras, porque acredita que o meia Giovanni Augusto, que entrou na Justiça contra o clube pedindo a rescisão indireta do contrato, esteja sofrendo influência de aliciadores ligados ao clube paulista.
No clube atleticano, aliás, todos entendem que o Palmeiras esteja por trás da decisão de Giovanni Augusto, por causa do seu diretor remunerado de futebol, ex-cruzeirense, Alexandre Mattos,acostumado a esse tipo de artimanha. Mattos disse que, realmente, interessou-se pelo jogador, mas quando soube de sua situação contratual, desistiu. Sei lá!...

MENTIRINHA BOBA - Dátolo informou, talvez pra fazer uma médiazinha desnecessária com a Massa, que teve chance de fechar um contrato mais vantajoso financeiramente do que este que assinou com o Galo. Aos 30 anos, teve a chance de ir pro Catar, ficar rico. Ou é louco, ou mentiroso.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.