quinta-feira, 30 de abril de 2015

SUSTO DE ABRAS E A VOLTA DE LÉO SILVA, ASSUNTOS DO GALO ANTES DE PEGAR CALDENSE NA DECISÃO DO MINEIRO 2015 EM VARGINHA


 

CARATINGA - Minha primeira participação num microfone em Belo Horizonte foi na Rádio Itatiaia, ali por volta de 1963, apadrinhado pelo meu conterrâneo e amigo Hamilton Macedo, então narrador e diretor artístico da emissora dos Carneiros. Estreei no jogo Cruzeiro x Renascença, no campo deste, pelo campeonato juvenil. A equipe de esportes da Itatiaia tinha os saudosos Geraldo Augusto e Fernando Sasso, mais o gente boa Roberto Abras e este locutor que vos fala, nas laterais. Nós dois estávamos estagiando de graça. Fiquei por lá um mês até o dinheiro levado de Caratinga, fruto da venda de uns leitõezinhos que eu criava no quintal da ex-rua das Flores. Roberto Abras era o mesmo tipão agora: meio tímido, caladão aos estranhos e brincalhão com os amigos. Sempre me dei muito bem com o Abras.endo

 

FORA DE CASA – A daneira de ficar muito tempo fora de casa dá nisso. Os fatos acontecem aí e a gente não fica sabendo na hora. Fui informado nesta quinta-feira ao abrir o blog do Chico Maia e ele nos tranquilizava: "Falei agora com a Carolina, filha do Roberto Abras. Ele está bem, batendo papo no apartamento no qual se encontra no Hospital da Unimed (Av. Contorno), mas talvez tenha que passar por uma cirurgia no quadril.O acidente foi quase na esquina da casa da família, perto da sede da OAB, na Rua Albita".

 

DIABETES DANADO - Abras  explicou que estava tudo normal, mas teve um "apagão", possivelmente em consequência do diabetes, do qual ele trata há muitos anos. Terá que acompanhar Caldense x Atlético ouvindo a Itatiaia e vendo pela TV. Também tenho diabetes uso 14 comprimidos por dia e sei como a coisa funciona. Estou aqui na República Independente torcendo pra que Roberto Abras volte logo; as transmissões dos jogos do Galo, sem ele, ficam bem sem graça.

 

OPINIÃO DE CRUZEIRENSE – O leitor César Augusto Rodrigues, velho e assíduo participante desta ilibada Trincheira, manda sua opinião: "Prezado Flavio. Sempre atento às suas colunas, ora concordo ou discordando de um tópico ou outro. Mas me chama a atenção quando o senhor fala que o Waldir Barbosa é o entendido na atual diretoria. Me permita discordar deste tópico. Nas contratações do Riascos, do Henrique centroavante, do Bruno Lopes, a situação do Gilson lateral, o comportamento do mesmo em relação a esta amarelada do Cruzeiro com a FMF, me bateu uma saudade dos Perrellas. Incrível.

 

AÍ É DEMAIS – César Augusto chutou de bico pra fora, ao afirmar que "o Waldir Barbosa é um Dimas Fonseca em formato diferente, um torcedor ocupando um cargo que não lhe compete. Nem blindar o Gilvan, como um moço oriunda da imprensa, ele dá conta. Ele não percebeu que o time tem um técnico de futebol muito bom que é o Marcelo, mas não tem um preparador físico à altura do Cruzeiro, haja vista que o time não aguenta mais correr. O Sr. Waldir é mais um que esta agarrado nas tetas".

 

TRINCHEIRA – Respeito sua opinião e a discordância, até porque não sou dono de nenhuma verdade. Mas, também, uso meu direito de pitacar e dizer que escrevi sobre ser o mais lúcido e inteligente do setor de esportes. E sobre as contratações a que você se referiu penso que o erro aí está em compromissos assumidos com empresários, que usam o Cruzeiro como vitrine. Aí, todo mundo tem culpa no cartório. Do presidente ao treinador. Quanto ao time pregar no segundo tempo, concordo.

 

INGRESSOS NO FIM – Restam apenas mil ingressos pro jogo de quarta-feira que vem entre Atlético x Internacional no Horto. Este foi o balanço divulgado pelo Atlético na tarde de quarta-feira e com certeza à essa altura não resta mais nada. Até quando saiu a informação, já se comercializaram 16.060 bilhetes, sem contar com os sócios Galo Na Veia, Preto. Um jogo pra 50 mil pagantes, no mínimo, mas como o Galo não precisa de dinheiro e sim de brigar pelo título da Libertadores, os dirigentes decidiram voltar pro Horto, onde o adversário já chega no gramado morto.

 

REVELAÇÃO SEM PROBLEMA – O técnico Leonardo Condé,grande revelação do futebol mineiro nos últimos anos, terá força máxima contra o Atlético, neste domingo, em Varginha. O lateral-direito Jéferson Feijão, que desfalcou o time no jogo de ida da final, no Mineirão, se recuperou da contusão e voltou a treinar. Feijão, porém, não tem vaga garantida no time titular. No Mineirão, com o zagueiro Marcelinho na lateral e Paulão na zaga central, formação que agradou ao treinador. Condé pode manter o time no estádio Melão, em Varginha.

TEMPO AJUDA LEVIR – Guilherme, Léo Silva e Marcos Rocha eram os problemas do Galo. Não preocupam mais. Até porque Levir Culpi gostou do time sem eles semana passada. Guilherme e Rocha não devem jogar domingo a decisão do campeonato mineiro. Léo Silva, no entanto, está liberado e só depende de Levir Culpi. Vou esperar o telefonema costumeiro de Levir toda sexta-feira, antes de escalar o time pra domingo, pedindo minha opinião. Entendo que o Galo já pode gastar por conta o bicho do título mineiro de 2015, com devido respeito ao time de Condé e à vantagem do empate que ele tem. Decisão é outra coisa. A raça e a determinação que este time de Lucas Pratto e Luan demonstram não deixarão a peteca cair.  

 

MORTE EM CAMPO - O zagueiro Gregory Mertens, que sofreu um ataque cardíaco em campo na última segunda-feira em jogo-treino de sua equipe, o Lokeren, diante do Genk, morreu nesta quinta. O falecimento do jogador de apenas 24 anos de idade foi oficialmente confirmado pelo clube belga. Eu imaginava que esse tipo de morte de atleta de futebol não aconteceria jamais. 

quarta-feira, 29 de abril de 2015

ESQUENTOU TEMPO REALMENTE: FUTEBOL MINEIRO JÁ BRIGA ATÉ NOS BASTIDORES DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DESPORTIVA

  

CARATINGA - Depois do disse-me-disse do Cruzeiro com a FMF e com a entrada de Alexandre Kalil, o Urso Bravo, na discussão, formando no pelotão de defesa do jovem presidente da entidade, Castellar Guimarães Netto, nova polêmica balança as estruturas do futebol mineiro, agitando o Tribunal de Justiça Desportiva por conta da absolvição do zagueiro Leo Silva, expulso no clássico, ao desferir potente pontapé no saco do ataque Leandro Damião. Tal decisão foi desclassificada pelo ex-presidente do TJD, Sérgio Murilo Braga, porque a prova do vídeo-tape não foi exibida, onde claramente se vê a agressão. Claro que se fosse jogador importante da Caldense, o Tribunal aceitaria e mandaria ferro no coitado. Em se tratando do zagueiro atleticano, ela foi descartada. O atual presidente do TJD, Manoel de Souza Barros, outra figura desconhecida deste filho de dona Geralda e que caiu de paraquedas agora no futebol das Geraes, rebateu a suspeita e acusou Braga de agir por questões pessoais e políticas.

Será que até na FMF e no Tribunal a coisa vai girar em torno de política? É preciso explicar isso às torcidas...

 

GALO EM BRASÍLIA – Outro gesto de estupidez crônica de torcidas organizadas provocou a perda de mando de campo do Galo no STJD . Time terá de jogar sua partida contra o Fluminense, pelo Campeonato Brasileiro, fora do Independência e Mineirão, dia 17 de maio, na segunda rodada. Tudo por causa da confusão que aprontou, junto dos cruzeirenses, ano passado, dia 21 de setembro, pela 23ª rodada do Brasileiro. Atleticanos e cruzeirenses utilizaram bombas numa confusão entre eles e quebraram cerca de 100 cadeiras do estádio. Esta punição já é do Tribunal pleno e não cabe recurso.

Por isso, o Galo agendou o confronto pro Mané Garrincha, em Brasília. Ou seja, um campo neutro.

SANTOS ESCRAVIZA LUCAS – O presidente do Santos, Modesto Roma, filho do grande Modesto Roma, que comandou o Peixe na época áurea de Dorval, Mengalvio, Coutinho, Pelé e Pepe, campeão de tudo que disputava no País, exceto da Taça Brasil de 1966, na qual levou uma ferrada de conforme do Cruzeiro de Dirceu Lopes, Tostão e Piazza, bateu na mesa e falou gritando numa coletiva na Vila Famosa, quando lhe perguntaram sobre o interesse do Cruzeiro pelo meia Lucas Lima.

Foi contundente: "Já avisei ao Gilvan que Lucas não vai pro Cruzeiro e nem será vendido pro Exterior no meio do ano".

 

GRITARIA GERAL - Os repórteres resolveram lembrar ao senhor Modesto que os direitos econômicos do craque pertencem à empresa Doyen Sports, que torce pela transferência dele pro time celeste, o cartola santista berrou mais alto ainda: "Os direitos federativos são do Santos, e o Santos não abre mão do atleta. Ele pode ter até 100% dos direitos ligados a investidores, mas ele é do Santos, não sai do Santos".

Quanta bobagem! O contrato de Lucas Lima termina em julho e ele pode ir depois pra onde quiser.

 

ATÉ ONDE, MEU DEUS?O jovem torcedor do Palmeiras, Cláudio Fernando Morais, que acompanhado da namorada foi ao jogo de domingo contra o Santos e vibrava com a vitória de seu time por 1 a 0, teve morte cerebral confirmada pela Secretaria de Saúde de SP. Atacado Por torcedores da Torcida Jovem Santista, armados de barra de ferro e porretes, Cláudio foi espancado até ser acudido pelos agentes da estação do Metrô e levado para o Hospital Santa Marcelina, no Bairro Leste da Capital em estado gravíssimo. Enquanto isso, governos federal, estadual, órgãos de segurança e Ministério Públicos, além da Justiça, batem cabeça e fazem discursos políticos sobre a violência no futebol sem tomar nenhuma atitude séria.

 

ESCONDENDO JOGO – O Cruzeiro tem usado uma estratégia bem amadora pra conduzir a história dessa contratação do meia armador e que devia acontecer no início do ano, mas os responsáveis pelo futebol comeram mosca. Agora vêm as especulações, porque a diretoria não tem um nome específico, de credibilidade, pra ocupar o posto de diretor de futebol. Quem mais entende lá é o Waldir Barbosa, mas qual é a sua autonomia, depois que o Presidente afirmou que assumiria, também, a diretoria de esportes. Falaram de nomes descartáveis como Valdívia e até comprometedores como Ronaldinho Gaúcho. Alex do Internacional teria sido oferecido e descartado por Marcelo Pacote Oliveira. Colocaram Beneci Queirós, que não sabe nada, pra falar pelo clube. Que bobajada!

O nome que poderia ser a solução, Gedoz, ex-companheiro de Arrascaeta, foi oferecido por 7 milhões de dólares e o Cruzeiro correu da raia. Então não quer solucionar nada. Quer é fazer pregações. Ou então esconde o jogo.

 

TORCIDA ACORDA – Só que a unanimidade do presidente Gilvan do Pinho Tavares, infelizmente, despencou no meio da torcida. Não era pra tanto. Bicampeão brasileiro e vice da Copa do Brasil era pra ser mais respeitado pelos torcedores. A manifestação exigindo sua saída e dos demais diretores me pareceu precipitada. Porém a morosidade e a indecisão de Gilvan não ajudarão em nada o Cruzeiro na Libertadores e no Brasileiro. Tenho certeza que o nome de Gedoz surgiu de novo nas manchetes como pano de fundo, a fim de amaciar as críticas nas manifestações. De qualquer forma, antes que seja tarde, Gilvan tem que dar uma resposta de peso. E ela não poderá vir através de meias medidas como Valdívia e outros famosos comem-quietos. 

segunda-feira, 27 de abril de 2015

URSO BRAVO SAI DA TOCA E ENTRA NA BRIGA CRUZEIRO X FMF DO LADO DA ENTIDADE

 

 

CARATINGA - O Homem não aguentou ficar calado por muito tempo. O Urso Bravo saiu da hibernação de uns seis meses mais bravo do que nunca. No programa Bate Bola da ESPN Brasil, Alexandre Kalil, ex-presidente alvinegro, espanou para todos os lados, porém visando mais o Cruzeiro na briga deste com a FMF. Segundo Kalil, a diretoria do Cruzeiro foi covarde. "O menino é correto e muito sério", referiu-se a Castellar Guimarães Neto, presidente da FMF. Mas, também, virou sua metralhadora giratória pros lados de Castellar. Disse que "Castellar é um cara ótimo".

 

DE MAL DELE – Disse "O menino entrou, está arrumando a casa. A federação não tinha nada, nem conta em banco. O presidente entrou outro dia, é um rapaz moderno e preparado, com pós-graduação no exterior, rico, não precisa de federação. Castellarzinho é um cara ótimo. E vou contar uma coisa. Estou de mal dele. Não estou conversando muito, falei para não me ligar, para não achar que é meu amiguinho. Não quero papo com ele porque acho que o Atlético foi roubado".

 

PITACO DA ARQUIBANCADA – O torcedor cruzeirense, João Batista, assíduo frequentador desta Trincheira, mandou outra mensagem que vou publicar pra esquentar o ambiente. Segundo ele, "a Veterana por mérito será a campeã de 2015; só mesmo um acidente daqueles que só o futebol permite, evitará a taça de ir para as mãos da Caldense. Um time que joga certinho, tem bons jogadores e taticamente joga sem dever aos grandes".

 

INVICTO CONTRA GRANDES – Continua JB – "A prova disso é que não perdeu para os grandes em BH, defesa menos vazada, e um esquema tático genial desse Condé que será certamente um dos grandes técnicos do futebol brasileiro. Se jogar com a mesma determinação no próximo domingo em Varginha, sairá de campo consagrado e com justiça, o campeão de Minas de 2015!"

 

TRINCHEIRA – As histórias dos campeonatos de futebol estão aí pra mostrar que nem sempre o melhor vence. Não há mérito exclusivo aos melhores numa disputa. O tamanho e o poder do adversário contam bastante, também. De repente "os deuses do futebol" não irão querer a vitória da Caldense e interferem. A pressão que vem de fora assusta. Veja aí em cima o que disse Kalil, ex-presidente do Galo e amigo do mandatário da FMF. "Não quero papo com ele (Castellar) porque acho que o Atlético foi roubado nos jogos contra o Cruzeiro". Pressão, ou não pra cima da arbitragem mineira, que morre de medo do Atlético e tá nem aí pra Caldense.

 

TEMPO DE RECUPERAÇÃO – Beneficiado pela tabela, o que não é problema seu, o Galo tem 17 dias pra colocar suas peças importantes pro jogo contra o Internacional, no Mineirão, dia seis de maio. A necessidade de buscar uma vitória diante da Caldense, domingo, em Varginha, não intimida Levir Culpi que não pretende acelerar a volta de Marcos Rocha, Leonardo Silva e Guilherme, este porque deixou o gramado no intervalo do primeiro jogo da decisão. Moço inteligente está aí: não mudará nem mesmo o esquema tático, com apenas um volante em Varginha.

 

NOTÍCIA PLANTADA – Este rapaz irmão do Ronaldinho Gaúcho é um mestre da arte de vender o produto já bem podre de seu endinheirado irmão. A primeira informação que veio do México onde RG se encontra enganando no Querétaro, é a de que ele iria jogar no futebol americano junto de Kaká, Leonardo Moura e outros. Agora, Assis, seu irmão e procurador, desmente o que nunca foi informado: RG não negocia um contrato com o Cruzeiro, mas está aberto às conversações. Conversa fiada! Só pra dar assunto falso na Imprensa. O que o Cruzeiro vai fazer com um enganador feito Ronaldinho Gaúcho que não joga mais em lugar  nenhum. O presidente Gilvan continua de olho, isso sim, em Lucas Lima, do Santos.

 

ESTÁDIO PRONTO – O Melão, estádio Dilzon Melo, que conheço bem, foi construído para um público de 25 mil pessoas. Sei lá como conseguiram reduzir o belo estádio de Varginha, pra 15 mil que será o número de ingressos colocados à venda pra domingo. É a tal segurança. Machucaram o Mineirão, reduzindo-o pra 65 mil lugares. Os estádios da Europa continuam com suas lotações antigas e ninguém, nem a Fifa, põe a mão. 


VISITA AO BOM PASSADO – Em Caratinga, eu não poderia nunca deixar de visitar o maior lateral direito que vi jogar no interior de Minas, João Batista. Quando voltei do ginásio interno, em julho de 1960, convidado a deixar o Ginásio São Francisco, porque eu era bom demais pro franciscanos, encontrei o EC Caratinga com uma equipe, comandada pelo saudoso Carmo Viggiano, que encantava a torcida. Fanático torcedor do time me encantei, também, e o trago na memória até hoje: Zé Alcindo, João Batista, Edmundo, Acyr e Hugo: Pergentino e Fidelis: Zé Francisco, Moacir, Reis e Ciro Lugão. Que time, cara!

 

MEUS ÍDOLOS - João Batista e Moacir foram meus ídolos. JB eu copiava no juvenil e Moacir escrevi sobre ele minha primeira crônica na Rádio Caratinga depois publicada no jornal "O Caratinga".  Me encontrei com outro JB. Aos 70 anos e algumas coisas a mais, ajudado pela esposa Lourdinha, me reconheceu. Eu estava acompanhado do meu mestre Humberto Luiz, de novo homem forte, no Sistema Caratinga de Comunicação, e lá encontrei o Milon do Val, ex-presidente do EC Caratinga, meu amigo de infância e seu irmão Gersinho. Foi um saboroso papo, regado ao café da Lourdinha.


domingo, 26 de abril de 2015

VETERANA ARRANCA EMPATE NO MINEIRÃO DIANTE DO GALO E FICA A OUTRO RESULTADO IGUAL NO JOGO DE VOLTA EM VARGINHA PRA SER CAMPEÃ DE 2015


CARATINGA - O empate de 0 a 0 entre Atlético e Caldense, no primeiro jogo entre eles na decisão do campeonato mineiro de 2015, não teve nada de surpreendente.  Invicta no certame, líder por pontos na fase de classificação, o que lhe deu a vantagem de jogar por dois empates na decisão ou por uma derrota e uma vitória pelo mesmo placar, a Caldense não sofre gols desde o jogo contra o Tupi, válido pela sexta rodada.

 

RODRIGO DESTACA - São oito partidas, ou 756 minutos sem tomar um gol, nos quais o jovem e excelente goleiro Rodrigo participou de sete delas e seu reserva, Neguetti, de uma. Segundo o regulamento, se seguir nessa pegada o time da bela Poços de Caldas ganhará seu o segundo título estadual.

 

BOA SURPRESASe a Caldense não me surpreendeu ao neutralizar o Galo no Mineirão, o público de 53.772 pessoas, o maior do ano até agora, bateu de frente com a minha expectativa. Em 2015, o maior público registrado foi no clássico Cruzeiro 1 x Atlético 2, no segundo jogo da semifinais- 40.364 pagantes.

 

TURMA DE MAMADORES - Neste domingo, foram 53.772 pagantes, 54.629 presentes, e renda de R$ 2.387.910,00, divididos meio a meio com A Garganta Profunda da Minas Arena. Sei que a FMF levou sua parte de sempre – 5% do bruto – mais a Prefeitura, também, a única a cobrar 5% de ISQN sobre jogos de futebol no País e o INSS, cerca de 10% acordados com os clubes.


VEXAME É MAIOR – O empate deste jogo fica longe, ainda, do recorde do novo Mineirão registrado, e pertencente ao vexame brasileiro na Copa do Mundo, diante da Alemanha- a goleada por 7 a 1, nas semifinais do Mundial, e que teve público de 58.141 pessoas. Esses são testemunhas oculares que jamais se esquecerão do novo holocausto imposto pelos alemães ao mundo do futebol. Nós todos ficamos embasbacados com a facilidade dos alemães em passearem pelas avenidas brasileiras.  

 

IMPRESSÃO FINAL – Tive a ligeira impressão de que a turma atleticana jogava com o espírito voltado para o jogo contra o Internacional, na quarta-feira, pela Libertadores, oitavas de final, no Mineirão. Coisa absolutamente normal. Guilherme, por exemplo, foi substituído por causa do jogo de quarta-feira. Sentiu um incômodo fajuto e logo Levir tratou de tirá-lo. E mexeu mal, colocando Thiago Ribeiro, no intervalo, no lugar de Guilherme e deixando Carlos, uma negação. Mesmo que Cárdenas tenha entrado mal no lugar de Carlos, aos 21m do segundo tempo, penso que Levir deveria tê-lo lançado, junto com Thiago Ribeiro, no intervalo.

 

PÉSSIMO ÁRBITRO – No trio de árbitros, o pior foi o baixinho Cleisson Veloso; é fraco mesmo. Seus auxiliares estiveram bem. Márcio Resende de Freitas, pitaqueiro global sobre arbitragem, pegou no pé de Márcio Eustáquio Santiago, que teria errado bastante. De Freitas chiou mais no segundo tempo, quando o referido bandeirinha marcava o ataque do Galo. Aí pesou o coração do comentarista. Guilherme Dias Camilo manteve-se o assistente nota 100, sem erros.

sexta-feira, 24 de abril de 2015

COMEÇA A DECISÃO DO MINEIRO ENTRE GALO X VETERANA E LEVIR VAI DE FORÇA MÁXIMA PRA EVITAR SURPRESA

 


LEVIR ESCALA O MELHOR – Levir Culpi não quer brincadeira com a decisão do Campeonato Mineiro. Não deixa de citar o título que perdeu quando comandava o Cruzeiro diante do Ipatinga de Ney Franco. Pra evitar surpresas desagradáveis, repete o time que venceu em (2 a 0) o Colo Colo na quarta-feira passada, mesmo que tenha outro jogo pesado e decisivo na quarta que vem contra o Internacional, em Porto Alegre. Léo Silva e Marco Rocha ficam em tratamento. O time que joga contra a Caldense, na partida de ida das finais, terá apenas um volante – Rafael Carioca – que marcou aquele golaço da classificação. Do seu lado estará Dátolo, volante armador. Eu no seu lugar até daria lugar a outros, sem nenhum receio. É o primeiro jogo e no Mineirão. Victor, Patric, Edcarlos, Jemerson e Douglas Santos: Rafael Carioca, Dátolo, Luan e Guilherme; Pratto e Carlos. Na reserva terá Giovani, Carlos César, Jesiel, Tiago, Pedro Botelho, Josué, Leandro Donizete, Cárdenas, Maicosuel, Jô e Thiago Ribeiro. Eu escalaria sem receio Josué, Donizete,
Cárdenas e Thiago Ribeiro. Depois, no jogo de volta colocaria os titulares para volta olímpica.

 

PANO DE FUNDO – Fora da disputa do título mineiro e com uma disputa azeda, a começar dia seis de maio, na Libertadores contra o São Paulo, adversário sempre complicado na vida do Cruzeiro, o meu amigo Waldir Barbosa ocupou o tamborete dos jogos de cena pra anunciar que o clube admite procurar um meia de ligação como reforço nessa fuase agora do mata-mata. Que me desculpe o bom e terno Waldir, mas é conversa de cartola. Não existe tempo pra colocar qualquer reforço à essa altura. Pode haver tempo hábil, mas de adaptação não. Então o melhor que se faz é, ao invés de olhar pro alto, é buscar o olhar pro próprio umbigo e buscar a solução que se tem em casa. O menino Gabriel não seria a solução ideal?

 

LATERAL FURADA – Como não poderá usar Fabrício que já entrou na Libertadores pelo Internacional, e Gilson, emprestado à Ponte Preta, o Cruzeiro terá duas opções pra lateral esquerda: o fraco Mena e o menino Pará, pra mim mais cotado como titular. No entanto, paga o preço da juventude que não agrada Marcelo Pacote, como é o caso de Gabriel. Com um pouco de coragem, Pacote montaria um time forte no pulmão, jovem na vontade de vencer e competente com Pará, Maike, Eurico, Judivan, e Arrascaeta.

 

DIREITO DE FALAR – Claro que o direito de palpitar sobre qualquer assunto o menino maluquinho Luan atropelou a história e a lógica ao sugerir Lucas Pratto, o atual namorado da Massa Alvinegra pra Seleção de Dunga como acontece muito na Europa e outros países com atletas brasileiros naturalizados. Só que o Brasil não tem esse costume. Antigamente, não tinha nem de convocar atleta nosso jogando no estrangeiro. Pratto, 26 anos, foi a grande contratação atleticana, pode até ser artilheiro da Libertadores e o melhor jogador da competição e nem assim será lembrado por Dunga. Talvez seja lembrado pra jogar ao lado de Messi. Em tempo, apenas por curiosidade: existe algum brasileiro que tenha jogado na Seleção Argentina?

 

PITACO DO JOÃO – "Na Libertadores, amigo, não tem escolha: se deseja ser campeão, tem que encarar de frente as onças todas e passar por cima. Em Libertadores todo campo é neutro. Basta observar que Cruzeiro já tirou Grêmio e São Paulo, vencendo no campo deles e bem. Acho que desta vez o Cruzeiro, sofrerá um pouco mais para passar pelo São Paulo, que a meu ver tem individualmente mais nomes importantes, mas se o Pacote souber distribuir bem os seus comandados e jogar com determinação e inteligência, certamente poderá sair de lá com um bom placar para pegá-los aqui no Mineirão e segurar a vaga. Agora eu queria ver o Galo encarar o Estudantes, o time do qual os atleticanos  guardam camisas, bandeiras e tiraram fotos com Verón (já aposentado). Isso é que dá ser vira-lata, e achar que não cresce e ficar torcendo por times que poderão ser algoz do seu em uma competição continental. Vamos ver como acaba isso". – Opinião de João Batista C.

 

CASTELLAR FALA MAIS – Parece que o presidente da FMF, Castellar Neto, não afinou mesmo pra diretoria do Cruzeiro no caso das semifinais do campeonato mineiro. Os azuis cutucaram onça com vara curta. Castellar agora dividiu na canela e afirmou que Gilvan é incompetente politicamente e que se Perrela estivesse na presidência o jogo seria no sábado.

Castellar baseou-se no insucesso do Cruzeiro quanto o pedido de antecipação da segunda partida da semifinal do Mineiro, contra o Atlético. "A decisão da televisão (de manter o jogo domingo e não antecipá-lo para sábado) foi referendada pelo Tribunal de Justiça Desportiva, pela Justiça do Trabalho e eu, particularmente, não consigo acreditar que a Globo, a Federação, a Conmebol e a Justiça Desportiva estejam erradas, enquanto a diretoria do Cruzeiro esteja certa"

E sentenciou: "acho muito mais fácil transferir a responsabilidade e dizer que a data não foi aquela pelo fundamento único de que o presidente é atleticano, em vez de matar no peito e reconhecer a sua incompetência política junto à emissora". Chii, Kalil não perderia uma briga dessas.

 

PERRELA DEFENDE GILVAN – Até esse momento, o nome do senador ZZ Perrela andou sumido do noticiário esportivo e da política, pela inexpressividade de seu trabalho em Brasília. Porém tornou-se personagem da  briga entre Cruzeiro e Federação Mineira de Futebol por causa da citação de seu nome pelo cartola da FMF. Perrela falou o seguinte: "Sobre a declaração de que comigo seria diferente, não vou fazer juízo, mas o Gilvan tem força política também e está fazendo um grande trabalho no Cruzeiro". Ponto final. Chega de briga boba, né!

 

 

quinta-feira, 23 de abril de 2015

QUEM MELHOR SE SAIU NAS DEFINIÇÕES DAS OITAVAS DE FINAL DA LIBERTADORES: CRUZEIRO X SÃO PAULO OU ATLÉTICO X INTERNACIONAL?


CARATINGA - Tenho comigo certa cisma de que essa história do time se classificar em primeiro lugar da chave na fase de grupos e fazer o segundo jogo em casa, no mata-mata, é ótima vantagem. Conversa fiada! E se levar um 2ticoé a 0 ou 3 a 0, no jogo de ida, fora de casa, será fácil tirar a diferença em casa? O Atlético é que o diga sobre o sufoco que viveu na conquista do título da Libertadores, mesmo com o último jogo no Horto. Cada partida era sofrimento único e graças aos deuses do futebol e ao belo time que tinha no comando de Cuca, o Atlético chegou ao caneco, ainda assim nos pênaltis.  

Cruzeiro e Atlético jogam no mesmo horário suas primeiras partidas nas oitavas de final. Os celestes enfrentam um adversário indigesto: o São Paulo, no Morumbi, às dez da noite. Já o Galo estará no Independência ou Mineirão, contra o Internacional, o brasileiro com a melhor campanha na fase de grupo. A dúvida do local do jogo do Atlético é porque o América, no mesmo dia seis e no mesmo horário, jogará com o Ceará pela Copa do Brasil. O estádio é do América e o Galo tem um contrato de parceria com a empresa administradora. Penso que pela hierarquia, a Conmebol e seu torneio têm de preferência e, portanto, deveriam mandar no Horto dia 6. A decisão será da sul-americana.  No jogo de volta, dia o Cruzeiro joga às sete e meia da noite, no Mineirão, enquanto o Galo estará em POA pra pegar o Colorado no Beira-Rio, às 10 da noite.

Partidas de ida, no horário de Brasília -
28 de abril – 9 e meia da noite -  Universitário de Sucre x Tigres
5 de maio- oito e quarenta e cinco da noite:  Estudiantes x Independente Santa Fe

6 de maio- oito e quarenta e cinco da noite -  Guaraní x Corinthians;
às 10 horas da noite - Atlético x internacional; São Paulo x Cruzeiro
7 de maio
Seis e quarenta e cinco da noite - Wanderers x Racing
Nove horas da noite - River Plate x Boca; 11 e 15 da noite - Emelec x Atlético Nacional

Partidas de volta horário de Brasília:
5 de maio – 11 horas da noite: Tigres x Universitário Sucre
12 de maio – 9 e meia da noite  – Independente Santa Fe x Estudiantes;
13 de maio- sete e meia da noite - Cruzeiro x São Paulo
10 horas da noite – Inter x Atlético
10 horas da noite  – Corinthians x Guaraní
14 de maio- seis e meia da noite – Racing e Wanderers
9 da noite -  Boca Juniors x River Plate;
9 e meia da noite -  Atlético Nacional x Emelec

EXPERIÊNCIA AMARGA – O retorno no tempo que Levir Culpi poderá fazer ao ver o seu Atlético entra ando em campo pra primeira partida da decisão do campeonato mineiro deste ano, no Mineirão, poderá valer-lhe um momento de péssimas lembranças: á última vez que um time do interior jogou na decisão do certame estadual foi há 10 anos, nas partidas entre Cruzeiro e Ipatinga. O time do Vale do Aço comandado por Ney Franco venceu a série decisiva e ficou com o título. O técnico do Atlético era Levir Culpi. Segundo Levir, "a experiência serviu-me de alerta e desde então passei por momentos emocionantes na carreira e assumi a filosofia oriental ao meu trabalho, após seis anos no Japão. Hoje estou preparado pra qualquer decisão nesse nível."  

Disse mais: "Não me esqueço nunca daquela decisão; cachorro mordido por cobra tem medo de linguiça. Naquela época( 2005, contra o Ipatinga), a culpa foi minha pelo excesso de confiança.

 

JOVENS VITORIOSOS – O site Superesportes lembra o seguinte: "Outras curiosidades marcam o encontro de Galo e Veterana, se comparadas à final de 2005. No banco de reservas da Caldense tá Léo Condé, jovem profissional com trabalhos marcantes nas categorias de base dos grandes da capital e com futuro promissor. Na outra época Ney Franco se firmava na posição, e o título mineiro enriqueceu o currículo. 
A vantagem nos dois confrontos decisivos é da Veterana. O time de Poços de Caldas terminou a primeira fase do Mineiro na liderança, repetindo o Ipatinga havia feito em 2006, no ano seguinte ao título estadual. A Caldense joga por dois resultados iguais ou vitória e derrota pelo mesmo saldo de gols. O Galo tem a missão de inverter a vantagem para levantar a taça.

 

É A COISA MUDOU MESMO – O presidente da FMF, Castellar Neto, notificou extrajudicialmente o Cruzeiro, seu mandatário Gilvan Tavares; o diretor Waldir Barbosa, e o diretor Bernardo Motta, coordenador do setor de sócios, que fizeram várias críticas e atacaram a entidade e sua diretoria, como estavam acostumados a fazer – eles e qualquer cartola de clube – sem que uma atitude fora da área esportiva fosse tomada.

 

FALTA DE EDUCAÇÃO - Castellar tomou e exigiu uma retratação pública dos agressores, diante da possibilidade de agressões físicas a ele ou a seus familiares. Irresponsáveis das redes sociais divulgaram os telefones do Presidente cruzeirense que passou a ser abordado nas ruas e recebeu ataques em telefonemas anônimos; Ele pode ficar tranquilo que esses covardes apenas latem, mas não mordem. O advogado do Cruzeiro, Sérgio Rodrigues, irresponsavelmente, também, disse que não haverá retratação porque não vê motivos para tanto. Não vê porque não foi com ele e sua família. Pimenta só dói nos olhos dos outros.

Além de uma tremenda falta de educação e de civilidade.  

terça-feira, 21 de abril de 2015

CRUZEIRO TEVE O QUE FALTOU NO CLÁSSICO: RAÇA, INTELIGÊNCIA E VERGONHA PRA DOBRAR SUCRE E TERMINAR EM PRIMEIRO LUGAR NO SEU GRUPO DA LIBERTADORES


Credo, naquele lance em que enfiaram a bola pra ele do lado esquerdo, e ele ganhou na corrida do jogador boliviano, além de aplicar um festival de dribles em outros dois, o garoto barbudo, com cara de velho, Gabriel Xavier, confirmou uma previsão minha: será titular ao lado de Arrascaeta, quando Marcelo Pacote Oliveira assumir o perfil que o fez conhecido: lançador de talentos.

Duvido que alguém no Mineirão tenha deixado de vibrar com as poucas jogadas realizadas por Gabriel Xavier que só entrou em campo aos 30m do segundo tempo e bem que poderia ter entrado antes pra ajudar Arrascaeta, o melhor em campo, ao lado de Willians Gaúcho, ambos bem secundados por William Bigode. A partida que o Cruzeiro fez não foi extraordinário, mas ele dominou inteiramente o Universitário de Sucre, ainda invicto, líder do Grupo 3, com apenas um gol sofrido.

Teve caixa para uns cinco, apenas no primeiro tempo, mas o ataque celeste, sem Damião e Álisson, lesionados, perdeu diversas chances. Até abrir a contagem, num cruzamento de Maike, William Bigode teve três oportunidades na cara do goleiro e chutou pra fora. Num lance bem parecido marcou 1 a 0. Aos 37m do primeiro tempo. Por volta dos 10m, houve um pênalti escandaloso sobre Henrique Dourado, substituto de Damião e o árbitro Zody Zambrano Olmedo, do Equador, fingiu que não viu a gravata do boliviano no cruzeirense.

Quando marcou o segundo gol aos 11m do segundo tempo, o Cruzeiro já estava tranquilo quanto à sua classificação porque o Mineros da Venezuela vencia o Huracan da Argentina por 3 a 0. Este resultado, também, dava a vaga ao Cruzeiro, porém deixava o Universitário em primeiro lugar no Grupo 3.

Digo que este time de ontem teve mais brio do que aquele que enfrentou o Galo. Por isso venceu sem dificuldade. Mena e Henrique Dourado não estiveram bem e Marquinhos ajudou bem Maike na marcação e assim o jovem lateral estrelado pode chegar mais à frente. Errou em alguns cruzamentos e a torcida ensaiou uma vaia, logo desfeita pelo apoio de William Bigode ao menino. Depois, Maike retribuiu e lhe deu o cruzamento para o primeiro gol cruzeirense. A defesa azul muito criticada contra o Atlético acertou mais com a presença de Manoel .

segunda-feira, 20 de abril de 2015

FW: ATÉ O FINAL DO CAMPEONATO, PRATTO PEGA DAMIÃO


 
 


Neste pique que tá indo, até o final do campeonato, faltam os dois jogos contra a Caldense, o argentino Lucas Pratto, que deverá ser escolhido o Troféu Guará do Ano, pega o Leandro Damião. Que raça, gente. Santa Maria do Céu!

ATÉ O FINAL DO CAMPEONATO, PRATTO PEGA DAMIÃO

Neste pique que tá indo, até o final do campeonato, faltam os dois jogos contra a Caldense, o argentino Lucas Pratto, que deverá ser escolhido o Troféu Guará do Ano, pega o Leandro Damião. Que raça, gente. Santa Maria do Céu!

PRATTO PÕE GALO NA FINAL E MOSTRA DIFERENÇA ATUAL SOBRE CRUZEIRO – TALENTO, INTELIGÊNCIA E RAÇA... ALÉM DE VERGONHA NA CARA...



 

CARATINGA – O meu atual ciclo de uns 15 dias na República Independente do São João. Curti dia 07 o aniversário de minha filha Juliana. Dia 14, da netinha caçula das seis que tenho, Stela, que fez dois aninhos e dia 20, de Luaninha, outra neta maravilhosa. Ainda por aqui vivi o clima do centenário da saudosa Tia Isolina e dia 21, os 115 anos de nascimento do Sodico.


COMO VI O CLÁSSICO -Em compensação pude comprovar uma coisa que tenho escrito aqui nesta Trincheira há tempos. O time do Galo é melhor que o do Cruzeiro e por isso está invicto diante dele há vários jogos. Tem de sobra o que falta ao Cruzeiro: raça, talento, inteligência e vergonha na cara. Me desculpem, mas a apatia dos celestes no clássico não serve, sozinha, como a maior justificativa da virada de domingo e da classificação do Galo, junto da Caldense, à final do Campeonato Mineiro.


GOL DE ARRASCAETA - Nem quando fez 1 a 0 com Arrascaeta, depois da falha do goleirão Victor, o Cruzeiro passou confiança de que tinha o jogo sob domínio. A demonstração de covardia do técnico Marcelo Oliveira ao trocar Maike pelo insosso Fabiano, escalação inicial justificando que era pra aumentar a altura da defesa, mostrou-se nula durante o jogo. Por aquele setor Carlos e Douglas Santos. Na área, nas bolas aéreas, Léo e Paulo André perdiam todas, por cima e por baixo. Só Pacote não vê que precisa trocar esta dupla desarrumada.


TALENTO DE GUILHERME - A coisa piorou no intervalo quando o Atlético colocou seu pé de coelho na partida, o atacante Guilherme. Era o que faltava pra completar o argentino Lucas Pratto, que desnorteava a dupla Léo e Paulo André. Não demorou muito e funcionou o talento de Guilherme. Com um belo toque, por cima da zaga celeste, colocou Pratto de frente com Fábio. Os altos zagueiros do Cruzeiro ficaram olhando pra cima, atrás da bola. Ela já estava na medida pro argentino soltar uma bomba indefensável. Talento, genialidade e raça no empate do Galo: 1 a 1.


LATERAIS RUINS - O interessante é que nessa história de lateral direito, Levir arriscou trocando escalando como surpresa, Carlos César no lugar de Patric pra cuidarem de Álisson e Fabrício. E conseguiram. E o atleticano escalado tem nível técnico abaixo do exigido. Mas sobra-lhe vontade e determinação. Carlos César deu tudo de si. Então veio o segundo erro de Marcelo. O seu lateral preferido foi expulso por  dar uma cotovelada em Carlos no meio do segundo tempo. Pacote cometeu o erro primário: tirou um atacante (Arrascaeta), que ajudava na marcação de Guilherme e entrou com o desmotivado Maike. 


DE NOVO GUILHERME - Livre, pelo lado esquerdo, Guilherme criou o segundo gol, numa  bola alta, da esquerda para a direita. Os homens altos da defesa azul nem saíram do chão. A bola passou perto da cabeça de Paulo André e encontrou Pratto, bom no alto e bom no chão, pra uma cabeçada certeira à meta de Fábio. Aliás, Fábio está mal treinado. Não ajuda a defesa nas bolas altas. Não sai mais do gol.

Mais uma vez, no Mineirão, chamada de casa do Cruzeiro, o time de azul decepcionou. Pra não cometer injustiça eu poderia afirmar que Leandro Damião pelo menos lutou, dividiu e apanhou feio. Marquinhos entrou com disposição e foi só. Arrascaeta começou bem e depois sumiu.


RAÇA DO PRATTO -No Galo, debito o gol cruzeirense a uma falha normal de Victor, que depois não cometeu nenhum deslize mais, com saídas perfeitas. Seguro o Edcarlos, nos seus limites e ótimo o Jemerson. O menino Luan, de novo, uma peça chave no esquema de Levir. Porém, que desequilibrou foi a experiência de Levir Culpi, o talento de Guilherme e a raça do argentino Lucas Pratto. Ao Cruzeiro sobrou agora a Libertadores que pra continuar terá que vencer nesta terça-feira o time de Sucre e depois torcer pra Caldense, outra finalista, ser uma zebra a decisão.

Mas que me perdoe a boa gente de Poços de Caldas, a simpática Veterana chegou aonde devia. Vai ficar bem como vice-campeã mineira.


EM TEMPO – Na telinha da Globo, Rogério Correa e Bob Faria diziam que o clássico era um dos melhores dos últimos tempos. No sofá da suíte de meu cunhado Plínio, onde assistíamos ao clássico, roendo cada um das famosas goiabinhas vermelhas de Rio Casca, nos olhamos admirados. Então falei: "Plinío, muda de canal. Acho que a gente tá vendo outro jogo."

 
 


quinta-feira, 16 de abril de 2015

OS TIMES SÃO INCONFIÁVEIS , MAS POR INCRÍVEL QUE PAREÇA, AINDA TÊM BOAS CHANCES DE CLASSIFICAÇÃO



Particularmente, eu não confio nenhum dos dois times das Geraes. Nem Atlético, nem Cruzeiro. Devem se classificar nesta fase de grupos da Libertadores, apesar de estarem com suas lanternas ligadas no amarelo. Mas na fase seguinte, quando os nós apertarão, tiro minha mão do fogo.


DERROTAS TOLAS – As derrotas que ambos sofreram no meio da semana não têm desculpas. Nem na história de arbitragem e nem na sobrecarga do calendário. Claro que  Federação Mineira de Futebol poderia dar um refresco no final desta semana, quando se repetirá a tabela anterior. Galo na quarta-feira e Cruzeiro na sexta. O Atlético fez a viagem mais complicada, indo ao México. O Cruzeiro repete um jogo após o clássico dois dias depois. É soda, amigo!


TIME FRACO – Nenhum dos adversários do final da semana passada me convence. Os azuis perderam pro fraco Huracan (3 a 1) e levaram um passeio, sem qualquer poder de reação. O Galo, em Guadalajara, esteve horrível a ponto do próprio Levir Culpi dizer que nada funcionou.  Perdeu por 1 a 0, porque São Victor esteve impossível com umas quatro ou cinco defesas sensacionais. Ele foi o melhor em campo, junto de Edcarlos. Ninguém mais. Até que o time melhorou alguma coisa com a entrada de Guilherme e Cárdenas, mas Levir cismou de tirar Pratto na entrada de Guilherme e ficou sem opção ofensiva. Carlos foi uma negação. Marcos Rocha fez muita falta.


CLASSIFICAÇÃO NO PREGO – Pra se classificar agora,  o Galo necessita vencer o Santa Fé aqui em BH e tirar o Colo Colo pra brigar no saldo de gols.


PANE NO MOTOR – Pra Levir Culpi, o Atlético depois de duas vitórias seguidas na Libertadores, teve pane no motor. Ao contrário de Marcelo Pacote, que preferiu não assumir qualquer responsabilidade. Botou a culpa no cansaço, no calendário, xingou o gramado e esculhambou o mundo. Só não justificou seus três volantes brucutu e poucos armadores.


LOCUTOR ENDOIDOU – O locutor do Foxesportes, cujo nome não sei, quando o pau quebrava nos dois jogos, em Buenos Aires e no Peru, endoidou e afirmou que "esta é a maior invenção do homem". O futebol? E a penicilina?


COPIADOR FEIO – Depois, o mesmo narrador cometeu um crime muito comum no rádio e na tevê. Imitou o deputado Mário Caixa Henrique, ao dizer numa chamada do jogo do Atlas e Atlético. "Bica eles, bicudo". Isso não é uma criação do meu amigo Caixa?


MILHO PRO GALO – A porta da FMF, Federação Mineira de Futebol, amanheceu coalhada de grãos de milho. Protesto dos torcedores cruzeirenses porque a entidade não protegeu os clubes mineiros adiando o clássico. O Galo foi protegido: joga domingo e na outra quarta. O Cruzeiro joga domingo e de novo na terça-feira. Caro Castellar Neto: aprovei a primeira vez, mas esta agora deu na cara demais...

 

terça-feira, 14 de abril de 2015

SEM ALISSON, VETADO, CRUZEIRO INVENTADO POR PACOTE LEVA PASSEIO DE HURACAN EM BUENOS AIRES TERÁ DE BRIGAR PELA CLASSIFICAÇÃO NO MINEIRÃO, NA PRÓXIMA TERÇA-FEIRA.


 

 

A chance do Cruzeiro de se garantir na outra fase da Libertadores, ao ser derrotado pelo fraco time do Huracan por 3 a 1. Os atletas preferiram jogar a culpa na forma desumana do calendário, com jogos seguidos, em menos de 60 horas de intervalo, mas na realidade a derrota em Buenos Aires foi fruto do esquema covarde armado pelo treinador Marcelo Pacote Oliveira, que sem Alisson, recheou o meio campo de volantes. Sua intenção era segurar o empate que garantiria antecipadamente a classificação.

 

GOL DO HURACAN - Não demorou muito o Huracan surpreender os azuis e marcou o primeiro gol aos 14m da etapa inicial, como Ramon Ábila impedido e no início da jogada Villarruel fez falta em Damião.

 

SEM CRIATIVIDADE – Com três volantes que nunca jogaram nesse esquema e só sabem desarmar e apenas Arrascaeta, que é meia atacante, e não armador, o Cruzeiro entregou o meio-campo ao adversário. Sua defesa mal posicionada e fraca na lateral esquerda do lado de Mena e Paulo André era constantemente batida. Numa dessas descidas pelo lado direito, o Huracan marcou de novo: Romero ganhou na corrida de Mena, driblou Paulo André e cruzou pra trás. Ramon Ábila pegou mal o chute e Fábio aceitou. Huracan 2 a 0.

 

ESPERANÇA DURA POUCO – No segundo tempo, Marcelo Pacote tentou corrigir os erros que cometeu na escalação do time e errou mais. Mexeu certo ao tirar Mena e colocar o garoto Pará, que é muito melhor que o titular; errou ao manter William Farias e tirar Willians. Talvez tivesse acertado tirando Henrique, muito mal. Entrou com Gabriel Xavier pra ajudar Arrascaeta e tirou equivocadamente William Bigode pra entrar do cabeça de bagre do Riascos. Teve uma pequena esperança quando Leandro Damião, aos 14m, sofreu pênalti e ele mesmo bateu marcando 2 a 1.

 

HURACAN FECHA CAIXÃO – O Huracan era melhor e jogava contra um adversário abatido, patético, todo errado. Aos 17m, confusão na área, Paulo André bate cabeça com Léo a bola sobre à meia altura pra Mancinelli, que sem muito esforço, cabeceou fraco e Fábio aceitou de novo. Nem foi na bola.

Como venceu o Mineiros por 2 a 0, o Universitário de Sucre assumiu a liderança do Grupo, com nove pontos, um a mais que o Cruzeiro. Os dois decidem as vagas e as posições no Mineirão na próxima terça-feira. Se empatar ou perder o Cruzeiro dependerá do resultado de Huracan e Mineiros. Portanto, sinal de alerta amarelo pros celestes na Libertadores.

 

BOA NOTÍCIA – Paulo André desfalcará o Cruzeiro no jogo da próxima terça-feira suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Só assim, ou por contusão Marcelo tira esse cabeça de bagre do time. Cadê o Bruno Rodrigo?

 

GALO NO MÉXICO – O Galo tem seis pontos, frutos de duas vitórias e se vencer o Atlas, em Guadalajara nesta quarta, chega a nove e pode levar uma vaga do Grupo 1. A torcida do Cruzeiro fica p. da vida comigo, mas digo a verdade pra não iludir ninguém. Confio mais na classificação do Galo que na do Cruzeiro. A diferença está na questão do espírito vencedor que o Cruzeiro não tem mostrado este ano.  E olha que o time de Levir  Culpi tem vários problemas para esta partida e só definirá a equipe pouco antes o jogo.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

BALANCO DO CRUZEIRO NA LIBERTADORES CONTRA ARGENTINOS NÃO É GRANDE COISA


BALANÇO DO CRUZEIRO NA LIBERTADORES CONTRA ARGENTINOS NÃO É LÁ GRANDE COISA

CARATINGA - Contra o Huracan, seu adversário desta terça, em Buenos Aires, o Cruzeiro tem saldo 0. Foi apenas aquele jogo do primeiro turno da atual fase de grupos e que terminou empatada sem gols. No geral, a história tem os capítulos daqui e do solo argentino. Como o confronto agora é lá, os numeros anteriores são bem desconfortáveis. No entanto, pelo que se vê no total de lá e cá, foram 29 encontros contra eles. O Cruzeiro venceu 12, empatou 6 e perdeu 11. Marcou 40 gols e levou 32. Ou seja, a balança pende com certa má vontade pro nosso lado. O time argentino que os azuis mais enfrentaram é o indigesto Boca, sete vezes.

Na Argentina, foram 13 partidas na Libertadores. O Cruzeiro venceu apenas duas vezes, empaou outras duas e perdeu nove. Marcou oito gols e levou 21. Santa Maria do Céu, dá pra tremer, apesar do adversário ser o Huracan. Especificamente, em Buenos Aires, foram oito jogos pela Libertadores. O time celeste venceu uma, empatou outra e perdeu seis vezes. De novo, exclamo: Santa Maria do Céu.

JOEL VOLTA AO BRASIL - No desembarque do Cruzeiro em Buenos Aires, uma situação inusitada: o atacante camaronês Joel foi barrado pela imigração argentina por não ter visto para entrar no país. Este furo da supervisão do Cruzeiro não é a primeira. Numa outra conseguiu colocar Luiz Fábio, na verdade Ananias, dentro da Venezuela, sem passaporte. Qiase que o moço foi preso. Por causa desta incrivel falha, Joel voltou ao Brasil

BOCA SUJA - Daniel Nepomucemo, presidente do Galo, lembrou depois do clássico, os grandes momentos do ex-Alexandre Kalil, apenas não fez nenhuma ameaça.

Mas a boca esteve porca tanto quanto, por causa do apito vergonhoso do tal Raphael Klaus. DIsse Nepomuceno: " Não dá mais. Estou puto .mesmo...quando se tem uma arbitrsgem bisonha como essa , a gent tem que ficar calado e ver a federação e CBF não fazerem porra nenhuma." Calma, garoto, não gaste seu estoque de palavrões antes da hora. Ainda teremosmuita coisa até o fim do ano.

VALDIVIA FICA - O presidente do Palmeiras informou que não negociará Valdivia ao menos até o final do contrato dele em agosto. Justificou a boa fase do time e que o chileno é o maior idolo da torcida no momento. E como no futebol paulista quem manda nos clubes são as torcidas organizadas, ValdIvia vai ficar.

PROBLEMAS DE LEVIR

Carlos e Marcos Rocha devem jogar nem que seja na meia boca contra o Atlas amanha no México, ou mais precisamente no belo estadio Jalisco, da não menos encantadora Guadalajara, onde curti por 20 dias a Copa de 86.

O motivo é a importância do confronto que pode garantir até a classificação do Galora etapa seguinte, dependendo do resultado de Colo Colo e Santa Fé que se enfrentam em Santiago no mesmo horário. Se os chilenos vencerem - o mais provável - e o Galo, também, Levir Culpi poderá comemorar outra recuperação atleticana sob seu comando.




Enviado do Samsung Mobile da Claro

domingo, 12 de abril de 2015

ARRASCAETA BRILHOU DE UM LADO E LUAN DO OUTRO NUM CLÁSSICO PESADO DE MUITOS CARTÕES AMARELOS E UM VERMELHO.

CARATINGA - O empate de 1 a 1 foi o melhor resultado praquele clássico do Horto, apitado por um árbitro assustado com a fama do jogo e que procurou domá-lo na base dos cartões e do apito constante. Seu medo era tanto que o jogo teve uns 10 m de paralisação no segundo tempo e o paulista da Fifa, Raphael Klaus, acrescentou apenas 3m. – Se tava bom para os times, melhor, ainda, para ele que distribuiu 11 cartões amarelos nos 90 minutos e um vermelho para o destemperado Léo Silva, que chutou o saco de Leandro Damião.


JOGADAS GENIAIS - Porém o jogo não teve apenas as pancadas dos brucutus. As genialidades de Guilherme e Arrascaeta, a disposição de Luan e de Willians fizeram o jogão reviver seus grandes momentos. Logo nos minutos iniciais a zaga do Cruzeiro foi amarelada e sabidamente Marcelo Pacote Oliveira tratou de sacar Léo e colocar Manoel, firme como rocha.


CARLOS E M.ROCHA CONTUNDIDOS -  O Galo perdeu Carlos e Marcos Rocha durante a partida por pancadas fortes nos tornozelos. O gol do aconteceu no final da etapa inicial. Bela enfiada de Guilherme pra Luan que foi ao fundo e cruzou. Carlos entrou livre pela área e marcou 1 a 0, no finalzinho do primeiro tempo.


ESPETÁCULO DE ARRASCAETA - O grande momento do clássico ficou reservado pro segundo tempo. Um  espetáculo de De Arrascaeta. Recebeu de Willians, numa das muitas descidas perigosas que fez, aplicou uma caneta em Josué, driblou Jemerson e Luan e entrou pela meia direita. O chute de Arrascaeta saiu cruzado e sem defesa. Segundo golaço dele em menos de uma semana. É pra colocar placa no Horto. Aliás, foi o melhor em campo. Mostrou nitidamente que tem perdido a timidez.


DECISÃO NO DOMINGO -  O resultado leva o Cruzeiro a jogar pela vantagem do empate pra disputar a final com a Caldense ou o Tombense. O time de Poços empatou em 0 a 0 em Tombos e joga por novo empate na segunda partida. Um empate dá a vaga à Raposa na decisão. O Galo precisa de uma vitória simples. Há uma discussão com relação à data da partida, porque o Cruzeiro não quer jogar no sábado, porque tem novo compromisso na Libertadores na terça-feira seguinte, como acontece agora. A data da partida decisiva será decidida pela Federação Mineira de Futebol (FMF).

VIAGENS APÓS JOGO - Os arquirrivais mineiros agora voltam as atenções para a Copa Libertadores. Ambos deixaram o Independência e seguiram pro Aeroporto de Confins. O Galo, que embarcou às 11 da noite  pro México, onde joga contra o Atlas, no Estádio Jalisco de Guadalajara. A Raposa viajou às uma hora antes em avião especial pra a Argentina, onde enfrenta o Huracán, precisando de um empate pra passar à outra fase da Libertadores.. 

 

AUSÊNCIAS SENTIDAS - Dois desfalques sentidos no clássico: Lucas Pratto, um dos destaques do Galo neste início de temporada, foi poupado em função de desgaste muscular. No lado c celeste cruzeirense, Pacote deixou  Mayke, inexplicavelmente de fora, preterido por Fabiano por opção do técnico Marcelo Oliveira.


 

sábado, 11 de abril de 2015

NOTA 7 PRO TIME CELESTE QUE GOLEOU O VENEZUELANO MINEROS


QUEM TE VIU NO DOMINGO CONTRA O TOMBENSE E TE VIU NA GOLEADA EM CIMA DO MINEROS, HAVERÁ DE PERGUNTAR: O QUE MUDOU NO CRUZEIRO?

Numa escala de um a cem, eu afirmaria sem medo de errar que o Cruzeiro teve nota 7 no jogo contra o Mineros, bem diferente da nota zero da derrota pro Tombense, domingo passado,no campeonato estadual.Como justificar tal mudança drástica em poucos dias? Creio mais na mudança de comportamento

psicológico. No domingo, o Cruzeiro foi soberbo, auto-suficiente ao extremo a ponto de menosprezar o adversário. Já contra o Mineros foi respeitoso e entrou em campo como candidato ao título. Dei-lhe nota sete porque mostrou defeitos no lado esquerdo da defesa e que serão corrigidos apenas com mudança de nomes. Paulo André na cobertura de Mena forma uma dupla fraca. O chileno apoia mal e marca pior inda. Faz a torcida sentir saudade de Egídio. O problema será corrigido com Patricio, que, no entanto, precisa ser bem preparado por Pacote. De cabeça é meio pancada.

De Arrascaeta, além do belo gol de bicicleta, em impedimento, melhorou bem, adiantado,ao lado de Damião, disparado o melhor em campo. Após a entrada de Gabriel - este garoto tem tudo pra ser idolo no Cruzeiro - o time melhorou e marcou mais gols. As falhas da defesa azul quase permitiram os venezuelanos marcarem em três oportunidades. Em compensação, o juiz podre deixou de marcar três penaltes em favor do Cruzeiro, dois deles num mesmo lance, em cima de Damião e de Arrascaeta. Foi uma boa atuação celeste.




Enviado do Samsung Mobile da Claro

sexta-feira, 10 de abril de 2015

GALO E RAPOSA VITORIOSOS ESQUENTAM O CLÁSSICO DE DOMINGO O HORTO


 

CARATINGA - O jogo do Cruzeiro foi mais bonito, porque mais aberto e de menor intensidade física. O do Atlético contra o Independiente de Sá Fé foi mais dramático, mas interrompido, porque a violência campeou solta, protegida por uma arbitragem fraca de um soprador de apito uruguaio. O time colombiano começou primeiro a baixar o cacete com o propósito de intimidar os atleticanos. Coitado!, não sabia de nada. Cutucava onça com vara curta. Pra apenas citar uns nomes, quem tem Léo Silva, Jemerson, Donizete e Pratto mais o baixinho encrenquinha, Luan, não foge do pau. O Galo fez 1 a 0 logo com o garoto Carlos, que aos poucos vai se soltando e acertando a meta adversária, e foi às redes no final com o pé quente Guilherme que entrou pra substituir Luan, com cãibras e mostrou como gosta de fazer gols decisivos na Libertadores.

Quando marcou seu gol, Guilherme aliviou a Massa. Foi uma retribuição ao chamamento dela que no meio do segundo tempo começou a pedir por ele. O meu amigo Mário Sérgio, na FoxSports., ao lado de outro amigão, João Guilherme, dos nossos tempos de Sportv, previu que a entrada de Guilherme seria temerária pelo tempo que ficou parado. Além disso, o Galo já tinha em campo o Dátolo na mesma situação: meia-boca. Não há, realmente, como prever o que um talento, ainda, que em meia-boca, possa fazer em campo. O incrível Guilherme ganhou da zaga adversária em linha, pintou sozinho na cara do goleiro e chutou duas vezes, a última numa indiscutível frieza, pra fazer o placar final de 2 a 0. O Galo, com seis pontos, está de volta outra vez à Libertadores e só depende dele pra ficar.

Agora vamos pro clássico de domingo, primeiro jogo da decisão mineira. Os dois times estão desgastados e não acredito que darão tudo neste jogo. Talvez guardem suas forças pra partida decisiva no Mineirão. O Galo agora não terá eu pitbul Donizete, decisivo na partida desta quarta-feira e até abusou. Saiu premiado, com apenas um cartão amarelo. O mesmo que William, pitbul azul que irá pro clássico. Se ambos fossem pro clássico teríamos um encontro de elefante com rinoceronte. Porém, acredito que os talentos, poucos, de cada lado decidirão o jogo. O Atlético tem menos defeito que o Cruzeiro, mesmo que joguem sem Carlos, Donizete e Luan, os outros saíram baleados na batalha. Como dizem os narradores: trata-se da Libertadores, onde vale tudo, inclusive furar o olho e beber o caldo. Céus!

Sobre o comentário que fiz do Cruzeiro, meu amigo e leitor João Batista, mandou uma colaboração: "o que houve com o Cruzeiro foi o Espírito, amigo, o Espírito. ... Libertadores, mesmo sendo disputa com time sem expressão como o Mineros, que se iguala ou em pouco supera o Tomebense, é outra motivação e o Time estava precisando se reabilitar diante da torcida após o fracasso da derrota no regional. abç." Exatamente como escrevi, JB>

 

 

quinta-feira, 9 de abril de 2015

QUEM TE VIU NO DOMINGO CONTRA O TOMBENSE E TE VIU NA GOLEADA EM CIMA DO MINEROS, HAVERÁ DE PERGUNTAR: O QUE MUDOU NO CRUZEIRO?



 

Numa escala de um a cem, eu afirmaria sem medo de errar que o Cruzeiro teve nota 7 no jogo contra o Mineros, bem diferente da nota zero da derrota pro Tombense, domingo passado,no campeonato estadual.Como justificar tal mudança drástica em poucos dias? Creio mais na mudança de comportamento

psicológico.  No domingo, o Cruzeiro foi soberbo, auto-suficiente ao extremo a ponto de menosprezar o adversário. Já contra o Mineros foi respeitoso e entrou em campo como candidato ao título.  Dei-lhe nota sete porque mostrou defeitos no lado esquerdo da  defesa e que serão corrigidos apenas com mudança de nomes. Paulo André na cobertura de Mena forma uma dupla fraca. O chileno apoia mal e marca pior inda. Faz a torcida sentir saudade de Egídio.  O problema será corrigido com Patricio, que, no entanto,  precisa ser bem preparado por Pacote. De cabeça é meio pancada.

De Arrascaeta, além do belo gol de bicicleta,  em impedimento, melhorou bem, adiantado,ao lado de Damião,  disparado o melhor em campo. Após a entrada de Gabriel - este garoto tem tudo pra ser idolo no Cruzeiro - o time melhorou e marcou mais gols. As falhas da defesa  azul quase permitiram os venezuelanos marcarem  em três oportunidades.  Em compensação, o juiz podre deixou de marcar três penaltes em favor do  Cruzeiro, dois deles num mesmo lance, em cima de Damião e de Arrascaeta. Foi uma boa atuação celeste.




Enviado do Samsung Mobile da Claro

quarta-feira, 8 de abril de 2015

QUE FUTEBOL QUE NADA! LI, RELI, RASPEI UMAS GOIABINHAS E ENCANTADO LI DE NOVO O TEXTO DE ZÉLIO ALVES PINTO SOBRE MEU “DIVINAS MARIAS”.

Dediquei minha quarta-feira a emocionar-me pelas palavras de um amigo conterrâneo, um respeitado artista plástico, renomado pelo exterior afora, chargista, pintor, produtor e tudo mais que uma inteligência fora do normal permite: Zélio Alves Pinto. Mais famoso do que ele, seu irmão Ziraldo, no entanto, tem auto-crítica abalizada o suficiente pra humildemente reconhecer: "o gênio lá em casa é o Zélio".

 

Poisé, sou conterrâneo dessas feras, moramos na mesma rua, a Raul Soares, de Caratinga e tive a honra de ser escolhido pelo Zélio pra ser seu amigo. Agora sou premiado por um texto que me fez chorar e emocionar o tanto possível a este coração já aberto e costurado.

 

Escreveu Zélio:

 

"Flavin: Escrevi esse textículo no meu

espaço e como lhe diz respeito, resolvi te enviar

por outra via mais confiável. Leiaí e vê se concorda.

 

HÁ ALGUM TEMPO MANDEI FAZER UMA ESTANTE PARA LIVROS no meu quarto. Pretendia deixar ali aqueles que ainda não havia lido mas que estavam na lista dos futuros. Em pouco tempo ficou abarrotada. Por anos minha Ciça reuniu coragem para desmontá-la pra rearrumá-la direitinho como il faut. Finalmente começou e botou tudo abaixo e agora à cada dia vou encontrando os livros que tanto desejei ler, mas que ficaram só na promessa.

 

Desde 1808 até Pedro Nava, de Cartas Portuguesas a "O homem que trocou sua mulher por um chapéu" e finalmente um livrinho de poesias despretensioso de um amigo conterrâneo que na verdade é um respeitado cronista esportivo em Minas, com texto de poeta. O livro se chama "Divinas Marias" escrito por Flávio Anselmo, nobre figura! Peguei no monte de livros espalhados pelo quarto aguardando a vez para retornarem à estante e comecei a reler, depois de anos. Que delícia, que poeta que meu amigo de infância construiu nele. Coisa de mineiro, poeta enrustido. Anotaí: Divinas Marias, de Flávio Anselmo. Se achar, não lhe deixe escapar. Il faut lire! GranabraçodoZélio 

 

Agora volto: e emocionado, não conseguir reter as palavras que em cascata saíam da minha vontade e caíam como pedaços de doce de leite sobre a figura de Zélio que se construía entre as linhas de sua mensagem. Escrevi assim: Amigo, ou irmãozinho Zélio. Vc não pode avaliar as batidas do meu sacudido e operado coração a quantas andam depois de ler seu texto. Estou em Caratinga na casa de minha filha Juliana, ao lado do América, no morro atrás de onde vocês moraram aqui. Se vê a cidade toda. Tem um varandão.

 

Sentei numa cadeira, com as pernas bambas, raspei uma das goiabinhas que comprei às dúzias em Rio Casca. E chorei, chorei muito, porque imaginei que Sodico e dona Geralda chorariam, também, ao ler o texto de um dos maiores artistas, múltiplo, como os Alves Pinto que eles conheceram e estimaram em Vermelho Novo. Devo merecer tal homenagem caso contrário você não a escreveria com tanta emoção e coração. Por isso tenho que pedir permissão aos seus, à Ciça, pra agradecer com alma e coração em chamas: te amo! Não preciso chegar a nenhum outro lugar, porque atingi uma parte da inteligência e da bondade de um enorme artista internacional. Este macaqueiro de Caratinga poderia querer mais o quê? Que sua bondade e sua humanidade continuem a iluminá-lo pra nossa felicidade. Abraços e beijos pra vc e Ciça.