sexta-feira, 15 de maio de 2015

VEXAME EM LA BOMBONERA- TORCEDORES DO BOCA JOGAM SPRAY NO TÚNEL DO RIVER. ISSO AINDA FAZ PARTE DA LIBERTADORES. VERGONHA. LA BOMBONERA É A VERGONHA DO FUTEBOL ARGENTINO.



O jogo decisivo entre Boca Juniors e River Plate, em La Bombonera, e que indicaria o próximo adversário do Cruzeiro nas quartas de final. A partida estava empatada em 0 a 0 e conseguiu chegar ao intervalo com vários cartões amarelos para os boquenses. Por mais de uma hora, os cartolas, comissões técnicas e jogadores discutiram se o jogo seria suspenso por total falta de segurança. Porém, com medo de um tumulto maior, porque mais de 50 mil torcedores do Boca lotava o estádio. E todos sabem como esta hinchada não gosta de mel, mas de comer marimbondo e abelhas rainhas.

A temperatura, após mais de uma hora sem o jogo reiniciar, após o intervalo, a Polícia Federal apareceu pra iniciar o inquérito. As camisas sujas de spray de pimenta foram levadas pelos federais para serem periciadas. Porém, adiantaram que foi, realmente, a torcida Barra Brava que chegou por trás do túnel de entrada dos vestiários do River e atirou o spray de pimenta no corredor. O lateral Ponzio, do River, foi o mais atingido.
O "Olé " diz que autoridades da Conmebol conversam com o trio de arbitragem para tomar uma decisão, que deve sair nos próximos minutos.
Os jogadores do Boca ficaram se aquecendo, esperando o reinício. O pessoal do River, cujo 0 a 0 classificava sua equipe, pressionava.
Até que os cartolas da Conmebol decidiram junto com a arbitragem, a Polícia Federal, e a segurança do estádio, decidiram que o jogo seria suspensa. A maioria dos torcedores aceitou a decisão por causa da besteira do Barra Brava e os bandidos desta organizada jogaram sua ira contra a Imprensa e os caminhões de reportagem foram os alvos.

Jogadores do Boca estão se aquecendo. Já os do River sequer aparecem em campo.

Um drone apareceu voando no campo de jogo com uma provocação ao River, com um fantasma da Série B. Um jogador tentou derrubá-lo com a bola. O jornal Olé informou no site que Cavenaghi, atacante reserva do River pediu pra o jogo ser suspenso.

Acabou sendo suspenso e agora se espera a punição pro Boca Juniors e a interdição pra sempre daquela porcaria de estádio.
E uma mancha no futebol internacional da Conmebol e da Copa Libertadores. Na Europa, há muito, os clubes decidiram que jamais voltariam a disputar um mundial interclubes na América do Sul. 

Agora as perguntas são as seguintes:

a) Haverá nova partida ou o resultado de campo prevalecerá, classificando o River.
b) A decisão será administrativa ou do Tribunal da entidade, se ele existe mesmo.
c) Vários atletas do River receberam queimaduras pelo corpo além dos problemas na vista.
d) La Bombonera sofrerá uma punição enérgica da Conmebol, ou da Polícia Federal, sendo impedido de receber jogos de clássico, ou contra o River Plate.
e)Se houver nova partida, com ingressos limitados, ou com portões fechados, proibindo a presença da torcida boquense. Aliás, este jogo foi de torcida única, como é no futebol argentino.
Este é o futebol sul-americano, desorganizado, vergonhoso, perigoso e que, na época do Santos, passou a ser disputada sem os times brasileiros, porque o Peixe era sempre roubado, agredido e, ainda, assim foi bicampeão sul-americano e bicampeonato mundial com seus jogos finais, decisivo, contra Milan e Benfica disputados no Maracanã.

VEXAME TERÁ SEQUÊNCIA - Vexame da Bombonera pode seguir no domingo porque o futebol argentino está de luto. Jogador morre após bater a cabeça em mureta ao lado do campo, na Argentina. Emanuel Ortega, 21 anos, estava internado desde o início do mês e morreu na madrugada desta quinta-feira

MORTE DE UM JOVEM - O jogador Emanuel Ortega, 21 anos, morreu na madrugada desta quinta-feira, na Argentina. Ele estava internado desde o dia 3 de maio, quando bateu com a cabeça em uma mureta localizada ao lado do gramado do estádio Francisco Bago, casa do time em que atuava. 


MORREU O CRIADOR DO FANTASMA DO MINEIRÃO, O TUPI DE GERALDO MAGELA

LÁ SE FOI GERALDO MAGELA - Por volta de 1967, quando eu era repórter do Diário de Minas, fui a um pequena hotel ali em frente velho Palhares fazer uma reportagem sobre o Tupi de Juiz de Fora, comandado pelo radialista Geraldo Magela. Geraldo mudou de andar, aos 84 anos. Passou pro de cima. Naquela época fez um time era danado de bom e não perdia pra ninguém. Veio aqui no Mineirão e faturou os grandes da Capital. Então coloquei a manchete da minha reportagem de página inteira: O Fantasma do Mineirão. Pegou e entrou na história do Tupi. Tinha uma retranca tão forte que serviu de sparring pra Seleção Brasileira que disputou a Copa de 66, em Londres.
DINÂMICO E SIMPÁTICO - Magela tocou sua vida em Juiz de Fora, como desportista, radialista, jornalista. Eu me encontrei depois com ele na FMF como representante de sua clube. Sempre simpático e audaz. Tanto que encarou na mesa de negociações ao Atlético e o representante do time alvinegro, cujo nome me esqueci, mas um brutamontes, levantou-se e chamou o magricela Geraldo Magela pra brigar. Paulo Afonso Alves da Silva, então presidente do América, e respeitado brigador desde seus tempos de goleiro no futebol de salão tomou as dores do já idoso Magela: "ô cara, briga comigo, escolha alguém de sua envergadura e sua idade" . O representante atleticano murchou-se todo e assentou-se. Geraldo Magela pode prosseguir na defesa de sua tese que era a tese do América e de todos os times do interior.. Precisamos urgente de outro Geraldo Magela.
CÂNCER LEVA GERALDO - Magela estava internado desde 23 de abril, com câncer nos ossos. O prefeito Bruno Siqueira decretou luto oficial de três dias  em Juiz de Fora.Geraldo ocupava atualmente o cargo de vice-presidente do Tupi. Treinou Tupi, Sport e Tupynambás e clubes da região como o Olimpic, de Barbacena. Foi, ainda, treinador da seleção mineira nas décadas de 60 e 70, jogador profissional.
FUTEBOL DE LUTO - De acordo com informações divulgadas pela Prefeitura, “por cerca de 20 anos, atuou como comentarista esportivo e apresentador em Juiz de Fora. Sua ligação com o município foi além do futebol. Nos anos 2000, coordenou o carnaval de Juiz de Fora, além de ter ocupado a Secretaria de Governo e Articulação Institucional da Prefeitura. Como repórter, atuou, em 1960, na cobertura nacional da então Rádio Industrial na eleição de Jânio Quadros, quando acompanhou o pleito direto de Belo Horizonte. Participou de diversos momentos políticos em Juiz de Fora e sempre demonstrou interesse pelas questões locais, além de fazer parte, durante anos, do programa Mesa de Debates, da TVE”.
Geraldo Magela Tavares era casado e tinha cinco filhos, netos e bisnetos.

MASSAGISTA TITA AGORA TRABALHA COM ESCOLINHA

O torcedor do Cruzeiro que se acostumou a ir aos jogos do clube nos anos 2000 por muitas vezes viu Tita entrar em ação. A corrida em direção ao campo, com uma mala cheia de materiais para prestar atendimento aos lesionados, era uma das marcas registradas do massagista. Os gols celestes costumavam ser comemorados pelo funcionário com jatos de água na cabeça dos goleadores. Porém, desde novembro de 2013, a história mudou. Ele abandonou o emprego e acabou demitido pelo Cruzeiro.

Figura folclórica por 14 anos nos bastidores do clube, o massagista despertou curiosidade em alguns torcedores quanto ao seu paradeiro e os motivos de sua saída. O Superesportes encontrou Tita para a seção Por Onde Anda. Hoje, ele sobrevive como auxiliar de uma escolinha de futebol e com massagens particulares. 

“Eu trabalho no clube Lareira com o Marcos Vinícius, que passou por clubes como Atlético, Palmeiras e Grêmio. Temos 78 alunos na escolinha, de algumas categorias diferentes. O objetivo agora é entrar em torneios escolares”, disse à reportagem. 

Os motivos que levaram Tita a deixar a Toca da Raposa não são comentados pelo ex-funcionário, que reconhece a importância do Cruzeiro em sua trajetória, mas não se prolonga sobre o assunto.

“Sou grato ao Cruzeiro. Foram 14 anos de serviços prestados e a oportunidade de fazer um curso de fisioterapia na Faculdade Estácio. Mas teve uma situação de momento, coisas que não valem 




TOME ÁGUA PRA CURAR AS QUEIMADURAS E A DOR NOS OLHOS DO SPRAY DE PIMENTA QUE O BOQUENSE JOGOU;

    Atletas do River lavam seus rostos atingidos

O jogo decisivo entre Boca Juniors e River Plate, em La Bombonera, e que indicaria o próximo adversário do Cruzeiro nas quartas de final. A partida estava empatada em 0 a 0 e conseguiu chegar ao intervalo com vários cartões amarelos para os boquenses. Por mais de uma hora, os cartolas, comissões técnicas e jogadores discutiram se o jogo seria suspenso por total falta de segurança. Porém, com medo de um tumulto maior, porque mais de 50 mil torcedores do Boca lotava o estádio. E todos sabem como esta hinchada não gosta de mel, mas de comer marimbondo e abelhas rainhas.

                       Jogo foi violento desde o início

A temperatura, após mais de uma hora sem o jogo reiniciar, após o intervalo, a Polícia Federal apareceu pra iniciar o inquérito. As camisas sujas de spray de pimenta foram levadas pelos federais para serem periciadas. Porém, adiantaram que foi, realmente, a torcida Barra Brava que chegou por trás do túnel de entrada dos vestiários do River e atirou o spray de pimenta no corredor. O lateral Ponzio, do River, foi o mais atingido.

O "Olé " diz que autoridades da Conmebol conversavam com o trio de arbitragem para tomar uma decisão, que deve sair nos próximos minutos.
Os jogadores do Boca ficaram se aquecendo, esperando o reinício. O pessoal do River, cujo 0 a 0 classificava sua equipe, pressionava.
Até que os cartolas da Conmebol decidiram junto com a arbitragem, a Polícia Federal, e a segurança do estádio, decidiram que o jogo seria suspensa. A maioria dos torcedores aceitou a decisão por causa da besteira do Barra Brava e os bandidos desta organizada jogaram sua ira contra a Imprensa e os caminhões de reportagem foram os alvos.


CRUZEIRO PROJETA RIVER

A diretoria do Cruzeiro projeta jogar a próxima partida da Libertadores, nas quartas de final, quinta-feira que vem em Buenos Aires,no Monumental de Nunes. Alguém da Conmebol deve ter soprado para o presidente Gilvan do Pinho Tavares dando a dica. Tanto que o Cruzeiro já vende ingressos para esta partida na bela capital argentina. Pro jogo contra o Santos, na Vila Belmiro, Marcelo Pacote planeja time completo, porque terá um tempo de recupeeração depois deste jogo pelo Campeonato Brasileiro, ao contrário das sacanagens anteriores quando botaram os celestes pra enfrentar o Galo no domingo e jogar na terça-feira pela Libertadores. Maike e Leandro Damião, duas feras na vitória sobre o São Paulo, lesionados, ficarão em tratamento na Toca pra ganharem condições de enfrentar o River em Buenos Aires na quinta-feira que vem.


EUREKA, DESCOBRI O MEIA ARMADOR QUE O CRUZEIRO PRECISA:

Depois que vi o Pará jogando uma das partidas no Mineirão e o Nena numa grande exibição contra o São Paulo já entendendo que será uma sacagagem dispensar um lateral esquerdo porque o Cruzeiro tem três no posição. Some-se aí o Fabrício que, também, é meia armador e assim jogou várias vezes no Internacional de Porto Alegre. Salve melhor juizo começou no júnior na posição. Por que não entrar com Nena, deixar Pará na reserva e colocar o Fabrício como um terceiro volante apoiador. Marca bem, tem chute forte, bate falta com acerto e sabe sair tocando a bola. Pacote faria três volantes e soltaria os laterais, Nena de um lado e Maike do outro. Solução apresentada, Pacote. Vamos discutí-la




Pará é lateral esquerdo que apoia bem, com forte arrancada e marca também com acerto



Fabrício é lateral e meia de forte marcação, bom passe e ótimo apoio. Seria bom volante armador. Aí com Waldir Barbosa que corre atrás de um amador, mas devia estudar meu pitaco. Eu entendo muito daquele lado de campo, já joguei lá.









Nena me surprendeu como lateral agressivo, corajoso e buscando sempre o fundo. Na briga com Pará,.seria mantido pela experiência. Quando fosse pra seleção chilena, Pará seria titular.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.