quarta-feira, 14 de outubro de 2015

ADEUS HOSPITAL VILA DA SERRA E MUITO OBRIGADO A TODOS

 
Seus lábios se mordiam, suas pernas tremeram.
Da boca descia uma secreção amarela, você morria.
Mal sonho. Com os olhos doídos e semifechados
busquei novas e verdadeiras imagens
E a vi assentada no primeiro degrau da escada do quarto.
Estava inteira, moleque, como em vida. Radiante.
O cochilo tinha cheiro de realidade NOVA LIMA - HOSPITAL VILA DA SERRA - APTO 607 - DIA 14 DE OUTUBRO - HOJE É MEU  O ÚLTIMO DIA NESTE HOSPITAL - MEUS AGRADECIMENTOS  AOS PROFISSIONAIS MARAVILHOSOS QUE CUIDARAM DE MIM NESSES 120 DIAS QUE PASSEI INTERNADO ME REABILITANDO DO ACIDENTE QUE ME RACHOU O CRÃNIO. SE EU CITAR NOMES, FATALMENTE COMETEREI ERRO DE DEIXAR ALGUÉM DE FORA. DEUS SABE QUAIS SÃO E OS ABENÇOARÁ. MINHA FAMÍLIA - NEUSA, ALEXANDRE, FLAVINHO E JULIANA QUE MANDA UM BEIJÃO PARA TODOS - AJOELHA-SE E REZA POR TODOS. OBRIGADO PROFISSIONAIS DO HOSPITAL VILA DA SERRA, QUE DEUS TOME CONTA DE TODOS.
 
JOGOS DA SELEÇÃO
 
Foram dois jogos que não me encheram de entusiasmo. O mais difícil aquele lá em Santiago, contra o Chile, me entristeceu por causa da derrota, porque o Brasil perdeu uma  invencibilidade de 15 anos em solo chileno.
O jogo em Fortaleza foi fraco tecnicamente. O Brasil venceu por 3 a 1, gols de William (2) e Ricardo Oliveira, enquanto Santos fez para os venezuelanos. Começamos bem com o gol de William aos 37 segundos. Porém a Venezuela cresceu e o Brasil recuou.Alisson que tomou o lugar de Jefferson trabalhou muito; o Brasil ia nos contra-ataques e Ricardo Oliveira perdeu boa chance e sofreu pênalti não marcado. Apesar da pressão da Venezuela, o Brasil fez 2 a 0, de novo com William, numa linda jogada puxada por Luiz Felipe, cruzamento da esquerda e o corta-luz de Oscar para William marcar 2 a 0.
No segundo tempo, o Brasil voltou bem sonolento e a Venezuela marcou seu gol com Santos, exatamente quando Lucas Lima entrava no lugar de Oscar, figura apagada. O volante Rincon, dos visitantes, dominava o meio campo. Porém,  a Venezuela tinha volume, mas o Brasil pulou de novo à frente com Ricardo Oliveira. quando Douglas Costa chutou forte da ala esquerda e a zaga deles falhou. Ricardo Oliveira não e empurrou pras redes, de cabeça.
 
CHILE CORRE MAIS
 
 O Chile continua correndo na frente. Venceu desta vez o Peru, em Lima, por 4 a 3, num jogo espetacular. A Argentina, contudo, empatou com o Paraguai em 0 a 0, em Buenos Aires e o Equador bateu a Bolívia por 2 a 0. É o que sei das Eliminatórias, o resto vocês encontram nos sites e noticiário dos jornais.
 
DUNGA E SUA INSEGURANÇA
 
O que me deixa sem entusiasmo é a insegurança de Dunga na escalação do time. Não definiu pela defesa, nem pelo meio de campo e menos, ainda, pelo ataque. Pelo que sinto, Dunga irá assim até o fim das Eliminatórias e será inseguro ou estúpido até à Copa do Mundo, na Rússia. Como fazer então? É mandar Dunga ir chupar prego, ou c. de passarinho, e buscar novo técnico.
Ah, direis, aqui no Brasil não temos treinador à altura da Seleção como tem a Alemanha, por exemplo, a Espanha, a Holanda. Será que não dá para trazer Pep Guardiola, pergunta a Trincheira?
Kakakakak, me desmancho em gargalhadas. Por que não o Tite, do Corinthians? Ou Ney Franco, do Coritiba? O problema é que o brasileiro não acredita no comum, na pessoa que não tem espaço na mídia. o técnico da Seleção tem que ser sempre alguém famoso, ainda que incompetente; seja treinador marqueteiro, ou ex-jogador campeão do mundo.
 
SAUDADE DE MINHA ORIGEM
Tem certos dias em que penso em minha gente e o primeiro quadro que logo me vem à mente é meu saudoso pai, Sodico, sentado, confortavelmente, à porta de nossa ampla casa, na rua Raul Soares, 241.Ali ele reparava  a gente amiga e humilde subindo e descendo a rua nas tardes bonitas de Caratinga. Nossa rua que antes chamava-se Rua das Flores, nesse meu tempo de recordação não tinha calçamento nenhum e era dividida no meio por postes de ferro fundidos, que, segundo a lenda, na época das revoluções políticas eram arrancados e transformados em canhões de um tiro só, visto que se arrebentavam após o disparo.
Sem uso bélico, o poste servia pra dividir a rua em mão e contra-mão nas subidas e descidas dos fordinhos 29, alguns carros de praça, outros particulares que infestavam a cidade. Na cadeira de palhinha na calçada, eu Pai, sereno e vigilantes, de tal pose que tornou-se depois Juiz de Paz da cidade. Ali tinha o aspecto importante de respeitado patriarca de uma família feliz, como realmente éramos e somos até hoje, apesar da ausência deles e de minha Mãe Geralda e meus quatro irmãos Zito, Neném, Dodora, Fábio. Sou o caçula desta turma maravilhosa. Tenho que destacar, também, tia Lucília, irmã de Mamãe e minha madrinha; ela foi importante na minha criação. Tempos divinos e eu que não creio hoje peço a Deus que proteja e receba esta gente, pois alguns já subiram, gente humilde, que vontade de chorar- Obrigado ao Garoto, Chico Buarque e Vinicius de Morais, pela linda canção Gente Humilde à qual me recorro agora.
Em frente à nossa casa, relembro do boteco do Zé Francisco. Ele fritava um torresmo divino - pele e carne. Enchia os olhos do Sodico e lhe dava água na boca. Lambia os lábios de longe. A matriarca Gerald lhe negava o direito de saborear o torresmo divino  por causa da saúde já meio baleada.  No entanto, quando eu o visitava, cruzava a rua, botava uma mesinha na porta do boteco, enchia-a de cervejas e pedia um pratinho de torresmo gordo e magro. Fazia uma ponte aérea, corria do outro lado e matava a vontade de Papai.
Vejo-o à porta de casa, escondendo parte do torresmo enorme e carnudo, enquanto saboreava a outra parte, enfiando-lhe o único dente da boca e absorvia o resto aos chupões. Na casa, Dona Geralda preparava pra ele, para mim e meu saudoso sobrinho Lincoln, sujeito bom companheiro e que enxugava a mesa cheia de cervejas, um almoço supimpa. De vez em quando, chegava à calçada e nos chamava para depois repreender:  "Vocês não sabem uma ou três cervejas, querem cinco ou seis". Mamãe não contou direito. Tomamos duas dúzias de geladas. Saudade do Lincoln Anselmo Chaves, filho de minha irmã Dodora e do falecido Raymundo Vieira Chaves.
DE VOLTA AO NOSSO BRASILEIRO
Nesta quarta-feira, vamos ter a continuação do Campeonato Brasileiro na sua 30ª rodada. Como sempre, pela instabilidade dos nossos times, temos que pedir ajuda aos terreiros. O Atlético, vice líder da competição,com 56 pontos, na sua corrida contra o líder Corinthians,61 pontos, cinco pontos de diferença. O Galo tem que torcer por tropeço do Corinthians que enfrenta o Goiás, na Arena Corinthians, nesta quinta-feira, às sete e meia da noite e depois sumir com a diferença no confronto direto. O time de Levir Culpi recebe o Internacional, indigesto, no Horto.
O Cruzeiro tem refresco mais ácido. Joga contra o Atlético Furacão, na Arena dele, em Curitiba. Santo Deus, como este time curitibano me mete medo, apesar do distúrbio em que vive por causa de seu presidente Petraglia, maluco, insensato, a cada minuto tem uma decisão. Pode contratar treinador de manhã e demiti-lo à tarde. O Cruzeiro ainda olha para baixo lutando contra o descenso. Tem 37 pontos e está em 13º lugar; abaixo dele estão Coritiba, com 14º, 33 pontos;  15º Avaí, com 32 pontos; 16º) Goiás, com 31; o primeiro fora da Zona de Rebaixamento que tem Chapecoense, Figueirense , Vasco e Joinville. Portanto fique de olho Azulão.
NOITE DE VIVER
 
Quando você foi embora -
- Subiu ao Céu, mesmo sem querer -
Fez-se noite em meu viver
Forte sou, mas  não teve jeito
Tive tanto que chorar.
Você subiu numa noite de verão
Estávamos empapuçados de amor.
Você foi tão leve, leve quanto
pluma lisa bailando ao vento sereno
que amenizava o calor.
E te levou pra longe. Corri atrás
Pois queria nem que fosse fugaz
O meu momento contigo,
queria trazê-la para perto de mim.
Mas você desapareceu no mundo sem fim.
Hoje só, quero trazê-la para cá.
Seja em Alma, ou num Espírito encarnado,
Mesmo porque não sei, ainda, se saudade fica
Ou se vai embora, também.
Então venha cá Espírito do Bem,
E encoste sua cabecinha no meu ombro
Vamos chorar juntos
Contemos nossas mágoas um pro outro.
Depois vamos subir juntos, no vapor da brisa,
como duas plumas lisas
E ver o sol banhando a estrada
Com frases escritas em raios de amor
 
OLHOS MORTOS MIRAM A VIDA
 
Bela manhã de sol, o dia parecia domingo,
passarinhos cantavam,
Andorinhas, em bando, esvoaçavam pelo céu azul,
namorados usavam os bancos do Jardim,
bem abaixo da sacada de minha casa.
As nuvens eram esparsas
multiplicavam mil imagens claras
criadas pela imaginação dos amantes.
Resolvi entrar no bolo dos apaixonados
Busquei acostumar os olhos àquela manhã,
Meus olhos estavam nebulosos
misturavam as imagens no Céu e na terra.
Mal pus os pés fora do quarto,
minhas pernas tremeram, pensei que iria cair.
Voltei depressa pra cama e já deitei, dormindo
No cochilo, sonhei. Sonho leve e gostoso.
Você estava no sonho, linda criança
Como sempre cheia de esperança.
Mas por que fechou os olhos verdes?
 
Eu vivia duas situações distintas.
Resolvi acordar.
Abri os olhos nebulosos e você continuava assentada
Seus olhos fixaram em mim e choravam.
Fitei-a e, também, chorei.
Seu espírito tinha mais vida  do que meu corpo
Criei coragem, levantei-me e capengando
fui até você. Abraçamos. Cessou meu despertar estranho.
Suspirei e apaguei. Acordei no Paraíso - é o que imagino.
Estava abraçado ao seu Espírito,
Era tudo que eu sonhava e que pedi a Deus.
Obrigado Senhor pelo Sonho e pela realidade vivida.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.