quarta-feira, 11 de novembro de 2015

PREPARE SEU CORAÇÃO - HOJE TEM ARGENTINA X BRASIL EM BUENOS AIRES PELA COPA DO MUNDO NA RÚSSIA


Dunga encara o jogo Argentina x Brasil como uma guerra. 

O fim da tabela dirigida nessas eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, na Rússia, aumentou o caráter decisivo do clássico entre Argentina e Brasil desta quinta-feira, em Buenos Aires. Durante uma década o confronto entre as duas seleções era sempre agendado pelos cartolas pra ocorrer apenas na sexta rodada. Desta vez o sorteio colocou os rivais frente a frente já na terceira rodada e em situações nada confortáveis.
No Brasil, Dunga tá pressionado a conquistar a primeira vitória fora de casa e contra um adversário de peso. Na Argentina, a tensão é maior porque a seleção ainda não venceu nas Eliminatórias e, para piorar, não terá Messi, Agueiro e Tevez todos machucados.
Desde as Eliminatórias para o Mundial de 2002, um acordo costurado pelo ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira e o ex-presidente da AFA (Associação do Futebol Argentino) Julio Grondona, morto em 2014, garantia que as duas seleções se enfrentassem no meio da disputa pela vaga para a Copa do Mundo e nunca no começo ou no fim. Nas duas últimas rodadas, por exemplo o Brasil jogava contra Bolívia e Venezuela, historicamente os adversários mais fracos do continente.

Dunga encara o jogo contra a Argentina como uma “guerra” e já passou este espírito para os jogadores. O meia Lucas Lima, do Santos, por exemplo, classificou como uma “batalha” o jogo no estádio Monumental de Núñez. “Tem muita rivalidade por conta de toda grandeza desse clássico. Vai ser uma batalha. Temos consciência disso e estamos preparados pra mostrar nosso futebol brigar e fazer nosso melhor em campo”, disse.
Para o goleiro Cássio, nem mesmo o fato de Argentina estar desfalcada de seus principais jogadores e o Brasil contar com o retorno de Neymar tornam a seleção favorita. “Não podemos desmerecer ou menosprezar porque não joga o Messi. Argentina é muito forte, luta muito, briga muito, tem qualidade de poder ofensivo”, afirmou.

BOTAFOGO SUBIU COM VITÓRIA MAGRA, AMÉRICA NEM COM GOLEADA SOBRE O VITÓRIA

Ao vencer o Luverdense por 1 a 0, na noite desta terça-feira, em Lucas do Rio Verde (MT), o Botafogo garantiu o seu acesso à elite do Campeonato Brasileiro com três rodadas de antecedência para o final da Série B. Após o objetivo alcançado, o técnico Ricardo Gomes (foto) exaltou a campanha alvinegra, mas evitou entrar no clima de euforia que tomou conta dos torcedores e dos jogadores da equipe ao lembrar que agora é preciso garantir o título da competição.
"Agora vamos comemorar um pouco, 10 minutos, e já pensar no próximo jogo, que é em casa. O primeiro objetivo foi alcançado, agora falta o título", cobrou o comandante, já projetando o duelo do próximo sábado, contra o Santa Cruz, às 17h30, no Engenhão, pela antepenúltima rodada da Série B.

COELHO ARRASA VITÓRIA



A terça-feira foi de muita alegria na divisa dos bairros Sagrada Família e Horto, na Região Leste de Belo Horizonte. Tudo porque o América, cada vez mais perto do retorno à Primeira Divisão do Campeonato Brasileiro, fez os 17.604 mil pagantes no Estádio Independência irem embora para suas respectivas casas esbanjando felicidade pela goleada de 4 a 0 sobre o Vitória. Com o resultado, o Coelho se manteve na segunda colocação do campeonato, agora com 63 pontos, e ainda tem chances de ser campeão.

As torcidas Barra Una, Seita Verde e Desorganizada Avacoelhada faziam ajustes finais em suas bandas, que tinham instrumentos de percussão e espécies de trompetes. Próxima aos grupos, uma multidão circulava para cima e para baixo, consumindo cerveja, espetinhos salgados e o famoso tropeiro. No meio do caminho, alguns cambistas ofereciam ingressos a R$ 30, mas a maior parte do público que esteve no Independência já havia garantido o tíquete.

Como de praxe, o torcedor americano demorou para entrar no estádio. Assim que o árbitro Leandro Pedro Vuaden soou o apito inicial, havia lugar de sobra nas cadeiras do Horto. Somente a partir dos 30min, quando o Coelho já vencia por 1 a 0, é que a arena aparentava receber o público divulgado pelo clube.

Dentro de campo, Richarlison era o mais ovacionado. A cada drible ou jogada desconcertante do camisa 9, a torcida se levantava e empurrava o time. Gritos de “Coelhôôôô!” e “vamos subir, Coelhôôô!” eram fortes. O barulho só ficou “ensurdecedor” quando Diego Lorenzi e Marcelo Toscano marcaram os gols da equipe, ambos no primeiro tempo.

No começo da etapa final, a torcida ficou um pouco calada, mas tratou de vibrar quando Richarlison e Pablo marcaram uma vez cada em assistências de Marcelo Toscano, depois dos 30 minutos. Com 4 a 0 no placar, os americanos não titubearam a pedir “mais um! Mais um! Mais um!”. E ensaiaram gritos de “olé” a cada toque de bola da equipe.

No fim do jogo, uma camisa gigante do América foi erguida no setor Pitangui em sinal de comemoração pela grande vitória. Falta pouco, mas muito pouco para o retorno à Série A, competição que o Coelho não disputa desde 2011. O próximo desafio será contra o Paraná, sábado, às 21h, na Vila Capanema. Em seguida, o alviverde recebe o Ceará no Independência e tem tudo para fazer outra grande festa!  O América precisa de mais uma vitória

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.