segunda-feira, 25 de abril de 2016

COELHO ESTÁ NA FINAL DO MINEIRO CONTRA O GALO DEPOIS DE SACAR RAPOSA DO CAMINHO NO MINEIRÃO. POR ISSO DEIVID FOI MANDADO EMBORA.

 -Alguns nomes pro lugar de Deivid já foram sondados.
Abel Braga, e Jorginho, fotos 1 e 2.

 
O técnico Deivid já estava com o pescoço na forca e sua saúde no Cruzeiro dependia de resultado positivo diante do América. Deu negativo. O empate sem gols - 0 a 0 - motivou a diretoria correr com Deivid, fazendo média com a China Azul que não aguentava mais a inexperiência e a incompetência do técnico.
 
O treinador Abel Braga, consultado, não pode vir porque tem contrato vigente com um clube árabe e Jorginho, no Vasco, tá na lista, porém o presidente Eurico Miranda não pretende soltá-lo, ainda mais que seu time foi campeão carioca. E agora, Gilvan?

 Cruzeiro virou freguês do Coelho no Mineiro.

  

Eliminação no Mineiro aumentou o prestígio de Perrela que quer voltar a presidir o Cruzeiro e abandonar a política.


TRINCHEIRA: Sugiro Ney Franco, disponível na praça.

Além da obrigação de vencer por dois ou mais gols de diferença, o Cruzeiro teve de lidar com problemas para definir sua escalação. Com Mayke e Fabiano lesionados, Deivid optou por improvisar o volante Henrique na lateral direita.

O treinador também não pôde contar com o zagueiro Leo e o volante Lucas Romero, que sentiram uma indisposição após o retorno de Campina Grande, onde a equipe empatou com o Campinense, na estreia da Copa do Brasil. Assim, Bruno Viana e Federico Gino foram titulares.

Deivid mudou também a estrutura tática da equipe e optou por formação mais ofensiva. Escalados nas pontas, Elber e Alisson foram os principais responsáveis pelos ataques do Cruzeiro no primeiro tempo. O time celeste dominou a posse de bola, mas de forma infrutífera.

Numa das poucas oportunidades para balançar as redes, Bruno Rodrigo aproveitou cobrança de falta e marcou de cabeça. Porém, um impedimento mal marcado anulou o gol cruzeirense. Ineficiente na tentativa de levar perigo ao América, o Cruzeiro obrigou o goleiro João Ricardo a apenas uma defesa na etapa inicial, aos 38 minutos, em chute de longe de Fabrício.

No segundo tempo, o América se fechou ainda mais, com a entrada do volante Ernandes na vaga do meia Rafael Bastos, que se lesionou. Já o Cruzeiro buscou ainda mais o ataque. Deivid substituiu o volante Ariel Cabral pelo atacante Rafael Silva.

A improdutividade cruzeirense não mudou mesmo com as mudanças de Deivid. E a má atuação do Cruzeiro gerou impaciência da torcida, que ofendeu o treinador e o presidente Gilvan de Pinho Tavares.

O primeiro lance de grande perigo no segundo tempo aconteceu apenas aos 36 minutos, quando Fabrício acertou a trave. No fim, o time celeste ainda manteve a pressão, mas não conseguiu superar a defesa do América, que passou ilesa nos dois jogos da semifinal.

Cruzeiro 0 x 0 América

Cruzeiro -
Fábio; Henrique, Bruno Viana, Bruno Rodrigo e Fabrício; Gino e Ariel Cabral (Rafael Silva); Elber, De Arrascaeta (Matías Pisano) e Alisson (Allano); Willian - Técnico: Deivid

América - João Ricardo; Pablo, Alison, Sueliton e Bryan; Leandro Guerreiro, Claudinei, Tony e Rafael Bastos (Ernandes); Osman (Danilo) e Victor Rangel - Técnico: Givanildo Oliveira

Motivo: segundo jogo da semifinal do Campeonato Mineiro
Estádio: Mineirão
Data: 24 de abril (domingo)
Árbitro: Igor Junio Benevenuto
Assistentes: Sidmar dos Santos Meurer e Magno Arantes Lira 
Cartões amarelos: Ariel Cabral, Willian, Pisano e Rafael Silva (Cruzeiro); Osman, Pablo, Bryan e Victor Rangel (América)
Público: 35.214
Renda: R$ 659.308,50

GALO JÁ NA ARGENTINA

O Atlético tem pedreira pela frente no caminho do bicampeonato da Copa Libertadores: dois jogos contra o tradicional Racing de Buenos Aires, um dos times de maior torcida na Argentina. Por isso, apoiado na força da torcida e num ataque bem ofensivo, o Racing põe à prova a força do Galo em dois confrontos decisivos, que valem vaga nas quartas de final da competição sul-americana. O primeiro duelo já é nesta quarta-feira, 27, às sete e meia da noite, na Argentina. O jogo de volta está marcado pra Belo Horizonte, no dia 4 de maio, às nove e quarenta e cinco da noite.

TRINCHEIRA: Minha bola de Cristal que aponta o Galo como campeão mineiro de 2016, não quis brilhar, ainda, quanto a participação dos atleticanos na Libertadores, atrás do bi. Também pudera, o time deste ano não oferece grandes expectativas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.