quinta-feira, 19 de maio de 2016

COMEÇA A TEMPORADA DE CAÇA ÀS BRUXAS DA DERROTA NA CIDADE DO GALO



 Galo reclama muito do árbitro uruguaio André Cunha que não deu um pênalti em Léo Silva, seguro pela camisa na área por um zagueiro do São Paulo.

A vitória de 2 a 1 do Atlético sobre o São Paulo, no Independência, pelo jogo de volta das quartas de final da Libertadores teve sabor de derrota por causa da eliminação da equipe. Não estará nas semifinais e a vaga ficou mesmo com o São Paulo, pelo gol que marcou fora de casa.

Recapitulando: no primeiro jogo, o São Paulo venceu por 1 a 0, num gol de bola parada e aérea que Michel Bastos desviou de cabeça aproveitando um cochilo da zaga atleticana e uma saída errada de Victor da meta. No segundo jogo, disputado no Horto, o Galo teve início esfuziante e abriu 2 a 0. Porém, ainda no primeiro tempo, bola na área atleticana e o zagueiro Maicon disputa no alto com Victor, em outra saída errada do goleiro, e faz o gol da classificação são-paulina.

No segundo tempo, a correria foi total dos dois times e o São Paulo teve mais fôlego e garra pra manter o placar que lhe deu a classificação pelo regulamento, visto que gol marcado fora de casa, pra efeito de desempate, conta em dobro. Ou seja, o foguetório que parte da Massa Atleticana soltou no entorno do Hotel Ouro Fino, onde estava concentrado o São Paulo, foi explodir mesmo na Cidade do Galo, concentração atleticana.

Me pareceu que o time, com sono atrasado, cochilou na fase final. Terminada a partida e confirmada a eliminação, começou a caça às bruxas. O goleiro Victor, que falhou duas vezes nessas duas partidas, e foi o único jogador a falar à Imprensa, jogou a culpa na arbitragem lá do Morumbi e a do Horto.Depois, o visado foi o treinador Diego Aguirre, como culpado pelas invenções e escalações diferentes.

ABATIMENTO GERAL
  
Abatido pela eliminação do Atlético, Diego Aguirre garantiu que está tranquilo com o trabalho realizado no clube nos últimos cinco meses e meio. A passagem pelo Galo é positiva, segundo ele, por tudo que vem sendo feito. 
A queda na Libertadores significou o fim da busca de um dos grandes objetivos do time na temporada. Agora, na ele aposta no Campeonato Brasileiro, outra meta prioritária. 
-"
Estou tranquilo porque que estamos fazendo um grande trabalho. Lamentavelmente, ficamos fora de um dos nossos grandes objetivos. São situações difíceis que fazem parte do futebol", disse. O Atlético também perdeu o disputado Campeonato Mineiro, superado na final pelo América, e caiu prematuramente na Primeira Liga".

TRINCHEIRA: Não é perdendo tantas disputas que o trabalho de Aguirre no Atlético pode ser rotulado de bem feito. Para com isso, Aguirre!

SOBRAM TRISTEZAS E ALEGRIAS

Alegrias ao América que venceu na Bahia e no sucesso de Givanildo de Oliveira.

a


"Saímos com muita tristeza, porque temos trabalhado muito para poder avançar. Coisas que aconteceram fizeram com que não pudéssemos chegar ao objetivo. Estivemos muito perto", lamentou o técnico, muito abatido e articulando mal as frases. (foto)

O grande erro foi a bola parada, de acordo com treinador. No jogo de ida, no Morumbi, apesar da proposta de segurar o empate ter fracassado, foi uma cobrança de falta que assegurou o 1 a 0 do São Paulo. Na partida decisiva, no Horto, mais uma vez a bola parada. O Galo abriu 2 a 0 necessário para a classificação, mas sofreu o gol de cabeça de Maicon após cobrança de escanteio e falha de Victor na saída da meta.
Victor foi o único jogador a comentar a desclassificação.Ele  enalteceu o time e criticou o árbitro uruguaio Andrés Cunha.
-“A gente lutou nos dois jogos, se dedicou. Por obra do regulamento, o Atlético não conseguiu a classificação. (O time) Foi melhor nesta partida durante os 90 minutos. O São Paulo se limitou a defender, a jogar com bola parada, achou o gol de bola parada, e depois só amarrou o jogo e contou, mais uma vez, com uma arbitragem que nos desfavoreceu”, declarou Victor.

 CAMPEÃO MINEIRO FIRME NA COPA DO BRASIL

O Coelho do Givanildo de Oliveira tá que tá; campeão mineiro, o América tá classificado pra terceira fase da Copa do Brasil. Com muita raça, o Coelho segurou o Bahia, mesmo com um a menos durante quase todo o segundo tempo, conseguiu a vitória por 1 a 0 na Arena Fonte Nova, em Salvador. O gol  foi do zagueiro Sueliton, mas quem se destacou mesmo foi o goleiro João Ricardo.

Depois de um primeiro tempo sem muitas chances, o Coelho voltou pra etapa final e abriu o placar num lance irregular do zagueiro Sueliton. Logo depois, Artur acabou expulso por falta sem bola em Zé Roberto. Depois do lance, só deu Bahia, que parou em pelo menos seis grandes defesas do goleiro João Ricardo, o grande herói da noite.

Com a classificação, o América enfrentará o Fortaleza, que eliminou o Flamengo com duas vitórias por 2 a 1. 
Agora, o Coelho volta as atenções para o Campeonato Brasileiro. No domingo, às 16h, o América visita a Chapecoense na Arena Condá.


TRINCHEIRA - Aos 27 anos, o goleiro João Ricardo é o novo ídolo da Coelhomania, num patamar igual ao de Jair Bala e outros nomes importantes que passaram pelo time. Uma verdadeira muralha, este moço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.