segunda-feira, 4 de julho de 2016



PAULO BENTO MANDA CORNETEIROS IREM CHUPAR PREGOS ATÉ VIRAREM TACHINHAS
O que não falta numa torcida e num clube é um bando de corneteiros que quer escalar o time, bem diferente daquele que o treinador arma. No Cruzeiro, na época de Marcelo Pacote Oliveira bicampeão o bando preferiu hibernar; afinal o time,dificilmente, tropeçava. Com Paulo Bento que chegou com o campeonato correndo e obrigado a trocar os pneus do avião no ar, os corneteiros azuis voltaram com força total. Só que o português  é pau puro, madeira de dar em doido.
O técnico Paulo Bento foi questionado, na coletiva, por uma imprensa a serviço dos corneteiros sobre suas decisões na escalação do Cruzeiro no empate por 2 a 2 com o Vitória, nesse domingo, no Mineirão.
As principais perguntas foram em cima da escolha da dupla de zaga, formada pelos jovens Fabrício Bruno (20 anos) e Bruno Viana (21 anos), e da opção por Riascos no ataque em vez de Willian, que havia marcado os dois gols da equipe na vitória por 2 a 1 sobre o Palmeiras, há pouco mais de uma semana. Na resposta, o português disse que não será motivado a mudar suas convicções em função de “pedidos públicos”.

TRINCHEIRA- Deixar Léo e Bruno Rodrigo, experientes, no banco e aproveitar os dois meninos foi um risco que Paulo Bento quis correr e é um direito dele, mesmo que nós não concordemos com isso.

FALA PAULO BENTO:
Creio que perdemos por 4 a 1 do Santa Cruz e a dupla de zagueiros não era essa que jogou (contra o time pernambucano, atuaram Bruno Viana e Bruno Rodrigo). Quando focamos em demasiado em dois jogadores, a mim soa mal. Colocarei, em qualquer situação, os jogadores que eu acho que servem melhor à equipe. Há erros? Sim. Os mais novos erram, os mais experientes também. Mas, se me perguntar se Fabrício terá mais chances, digo que sim. Viana também. É jogador com potencial tremendo. O clube estará disposto a isso também (apostar na categoria de base). Agora, tomar decisões por questões de pressão da imprensa, por pedidos públicos, isso eu não farei”.

Bento defendeu os zagueiros das críticas e creditou o empate com o Vitória a uma desorganização coletiva. Segundo o treinador, houve falhas tanto no meio-campo quanto no ataque que permitiram o rubro-negro baiano alcançar o 2 a 2 depois de vantagem cruzeirense de dois gols.

“Uma equipe não depende exclusivamente de um setor. Muito daquilo que se faz em termos ofensivos depende muito do setor defensivo e do setor médio. Da mesma forma que a parte defensiva é influenciada por aquilo que o ataque e os médios fazem. É uma questão global, não tem a ver com o setor, mas sim com a dinâmica da equipe. Para mim, fizemos um jogo sofrível em termos ofensivos. É verdade que fizemos dois gols e construímos uma vantagem por 2 a 0, mas cometemos erros".
" Não fomos equilibrados como normalmente somos. Permitíamos transição ao adversário quando perdíamos a bola. Mesmo ganhando 2 a 0, nem essa vantagem soubemos aproveitar. Tivemos sorte na primeira parte e mostramos incapacidade gritante pra poder controlar o jogo por meio da posse, já que estávamos com um jogador a mais. Não foi nada conseguido da nossa parte. Tínhamos tudo ao nosso favor: jogando em casa e ambiente criado para nós. Desperdiçamos outra oportunidade e naturalmente estamos mais perto de sofrer”, analisou.

REVANCHE EM SALVADOR

Enquanto os pratas da casa atuaram contra o Vitória, os experientes Bruno Rodrigo e Leo ficaram no banco de reservas. O primeiro foi titular com frequência sob o comando de Paulo Bento. Já o segundo atuou apenas uma vez e é visto como última alternativa no grupo, que ainda conta com Manoel e Dedé (este último em recuperação de lesão).

Romero também não poderá jogar nesta quarta-feira, às 21h45, contra o Vitória, no Barradão, pelo jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil. Da mesma forma que ocorreu no Brasileiro, o volante acumulou três cartões amarelos nas partidas da Raposa no torneio de mata-mata.

CRUZEIRO COMEÇA REMONTAR GRUPO 
CAMPEÃO


Um ano depois de deixar o Cruzeiro e ir para o Fluminense, Marcone Barbosa(foto) retorna ao clube celeste. O dirigente reassumirá o comando do departamento de marketing da Raposa. Por quatro anos e oito meses, ele foi o diretor de marketing, depois de ter ocupado o cargo de gerente do mesmo setor durante mais de um ano.

Desde que Marcone passou a trabalhar no Rio de Janeiro, em agosto de 2015, Robson Pires passou a encabeçar o departamento de marketing, além do departamento comercial, que já comandava.

Nos últimos meses em que Marcone Barbosa esteve no clube celeste, ele era responsável por dirigir o programa “sócio do futebol”. Já Robson Pires era quem conduzia negociações com patrocinadores. No momento em que Marcone deixou o Cruzeiro, o clube tinha mais de 71 mil associados. Atualmente, de acordo com dados do “Movimento por um futebol melhor”, são quase 76 mil sócios.

SÓBIS E ABILA APRESENTADOS


Apresentados nesse domingo para a torcida cruzeirense no Mineirão, antes do empate por 2 a 2 com o Vitória, os atacantes Rafael Sobis e Ramón Ábila concederam a primeira entrevista coletiva pelo clube na manhã desta segunda-feira, na Toca da Raposa II. No bate-papo com a imprensa, os jogadores falaram sobre a chegada ao time celeste e ressaltaram o objetivo por gols e títulos. Inicialmente, os dois tentarão ajudar o grupo a sair da parte de baixo da tabela do Campeonato Brasileiro e a emplacar campanha de respeito na Copa do Brasil.
Não passava pela minha cabeça, por tudo que vivi em um ano e meio no México, não queria sair. Mas veio o interesse do Cruzeiro, foi uma negociação bem difícil. Aí foi questão de honra. Por tudo que o Cruzeiro fez para me contratar, honrei minha palavra. Aqui estou hoje e quero agradecer os envolvidos. Sempre sofri com o Cruzeiro, que é um clube que está na ponta de todos os campeonatos. Não poderia encerrar minha carreira sem jogar aqui”, afirmou Rafael Sobis, que deixou o Tigres do México para assinar contrato com a Raposa até dezembro de 2019.
“Sempre preparado para fazer o melhor. Esperamos que seja um semestre de muitos gols, e que a equipe brigue pelo primeiro lugar”, acrescentou Ábila, cujo vínculo terminará em julho de 2020.

O Cruzeiro trabalhará no decorrer desta semana para regularizar as situações dos dois jogadores (foto) no Boletim Informativo Diário da CBF. Ainda assim, o brasileiro e o argentino evitam colocar expectativas com relação às respectivas estreias, embora haja possibilidade de ambas ocorrerem na próxima segunda-feira, às 20h, contra o Atlético-PR, no Mineirão, pela 14ª rodada da Série A.

Já tinha feito parte da pré-temporada, mas tive que parar por causa das negociações. O mais difícil é aquele começo, a adaptação, mas me sinto bem, me sinto cômodo. Não sei se pronto pra jogar, vamos ver o decorrer da semana para falar melhor”, frisou Rafael Sobis.
“Vai ser com a comissão técnica. Tenho que trabalhar pra estar 100%, mas quem toma decisão é a comissão, que vê se estou bem fisicamente, tecnicamente. E contra o Atlético-PR quem sabe posso estar bem. Quero sempre jogar. A garra está lá”, acrescentou Ramón Ábila.

O valor da transferência de Sobis para o Cruzeiro não foi divulgado por Tigres e Cruzeiro. Já Ábila, de acordo com a diretoria do Huracán, teve 50% dos direitos econômicos comprados pelo clube mineiro por US$ 3,82 milhões.

COELHO NÃO TEM SOSSEGO: PROXIMO JOGO É CONTRA SP NO MORUMBI

Lanterna do Campeonato Brasileiro, quatro derrotas seguidas e a seis pontos de deixar a zona de rebaixamento. O panorama do América na Série A não é o mais animador para os torcedores, e para o próprio elenco. Porém, é no aspecto psicológico que o português Sérgio Vieira quer reerguer o time: conquistando uma vitória para restabelecer a confiança no Coelho.

A expectativa do comandante americano de ‘virar a chave’ do clube no Brasileiro passa através dos reforços. Na derrota para o Atlético-PR, no último sábado, o América contou com o retorno de Pablo e Tony. Nomes importantes na conquista do Campeonato Mineiro, os jogadores estiveram afastados por lesão por um longo período, e sequer haviam ‘estreado’ com Sérgio Vieira.

Além do lateral-direito e do meio-campo, o treinador também espera que jogadores que ainda não tem a condição física ideal atinjam esse patamar, e colaborem para o time encerrar a má fase no Campeonato.

O próximo desafio do América no Campeonato Brasileiro será contra o São Paulo, no domingo, 10 de julho, no estádio Morumbi. Apesar de ser um adversário complicado, é provável que o Tricolor paulista poupe jogadores para o confronto, uma vez que estará novamente focado na disputa da Copa Libertadores.

Uma vitória do América na 14ª rodada é essencial, uma vez que, mesmo vencendo, é provável que o clube se mantenha na lanterna do Brasileiro, por conta dos critérios de desempate com o Santa Cruz, 19º colocado, que tem três pontos a mais que o América.

FRED DESFALCA O GALO DIANTE DO FLAMENGO








Fred recebeu o cartão vermelho no segundo tempo do jogo em Santa Catarina. Em disputa pelo alto, o centroavante do Galo acertou o volante Elicarlos com o braço esquerdo. O árbitro paranaense Rafael Traci interpretou como uma cotovelada e não hesitou em decidir pela expulsão, poucos minutos depois de o Figueirense alcançar o empate, com Gustavo Ermel.

Depois da partida, Fred criticou a arbitragem(foto) e insinuou favorecimento ao Figueirense nos jogos em Santa Catarina. "Não dá para julgar ninguém, mas, se analisarmos as atitudes do árbitro, ele não veio para fazer coisas boas", afirmou.

"Desde o meu antigo time (Fluminense), todas as vezes aqui é a mesma situação, com vários cartões, jogador expulso para aniquilar a equipe adversária", acrescentou o centroavante, que negou ter tentado acertar uma cotovelada em Elicarlos. 

"Não fiz movimento de dar cotovelada em ninguém. Estava brigando pela bola normalmente. O Elicarlos também bateu a mão na minha nuca. Não tive maldade e não merecia a expulsão. Nunca tinha visto esse árbitro apitar no Brasileiro. Num jogo como esse, tem de colocar alguém preparado para apitar",
analisou.

Fred ainda criticou os quatro cartões amarelos mostrados a jogadores do Atlético. "Eles seguraram o empate com um a menos, e nem sei com quantos pendurados. Em um lance, ele amarelou três jogadores. Jogador, treinador e diretoria falam, mas, aqui contra o Figueirense, é diferente", disse.

Pacote e sua Comissão Técnica estudam quem irá substituir Fred

A expulsão prejudicou uma noite que havia começado bem para o camisa 99, que foi o autor do gol do Atlético no empate deste domingo. Logo aos sete minutos, Fred aproveitou cruzamento de Douglas Santos para abrir o placar. Ele tem agora quatro tentos anotados com a camisa alvinegra. No Brasileirão, são seis gols marcados, já que havia balançado as redes duas vezes em partidas pelo Fluminense.

Sem Fred, o técnico Marcelo Oliveira será obrigado a alterar o quarteto ofensivo utilizado nos últimos cinco jogos. O principal candidato a ganhar uma chance é Carlos, uma vez que Lucas Pratto segue no departamento médico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.