sexta-feira, 5 de agosto de 2016

ADEUS CHEIO DE TRISTEZA A UM CRAQUE DA MÚSICA

VANDER LEE SOBE AO CÉU ENTRE HARPAS DE ANJOS E CURTINDO A FASE SENSACIONAL DO GALO QUE TANTO CANTOU E ADMIROU



O coração atleticano de Vander Lee o levou embora, porém enquanto funcionou era todo preto-e-branco  e cabia tanta coisa boa, tantos títulos, como a história do Galo. Uma perda que jamais esqueceremos.




O Galo está apenas a um ponto da liderança do Campeonato Brasileiro e a virada da situação, mais a reação solada por harpas angelicais suavizaram a subida do grande atleticano, compositor, cantor e gente boa, Vander Lee, morto na manhã desta sexta-feira por aneurisma coração e comemoram com o artista a trilha vitoriosa que o Atlético assumiu. Contra o São Paulo, no Morumbi, o Galo emplacou sua quarta vitória seguida - a oitava em 10 jogos disputados - e chegou à quinta posição, com 32 pontos, a mesma do Grêmio, quarto colocado.
Aqueles que gostavam da pessoa de Vander Lee, atleticanos como ele, e amavam suas músicas sobre futebol e seu time do coração, fazem luto e choram apesar da vitória desta quinta-feira, porque já sabem que com esta equipe e com aquele treinador vitorioso terão mais tempo pra comemorarem em gritos e carnaval, junto do espírito preto-e-branco de Lee, mais uma enxurrada de resultados como este contra o São Paulo. E o melhor ainda, acreditando no objetivo traçado por Marcelo Pacote  Oliveira: brigar pelo título de 2016.

AGORA É OLHAR  OBJETIVO

   pacote fala com convicção: Galo luta pelo título

A grande reação do Atlético no Campeonato Brasileiro, pulando da parte de baixo da tabela para a disputa pelas primeiras posições, fez Marcelo Oliveira ratificar o objetivo traçado por ele na competição: a briga pelo título. A vitória de virada sobre o São Paulo por 2 a 1, no Morumbi, mostrou a força do time e exibiu sua capacidade de ser campeão brasileiro. O Alvinegro ficou a apenas um ponto do líder Santos. O segundo e o terceiro colocados, Palmeiras e Corinthians, respectivamente, também somam 33.

“O Atlético é um candidato  natural ao título
”, reforçou o treinador, que prevê dificuldades para todos os candidatos à taça. “Esse ano vai ser apertado, várias equipes estarão brigando, diferentemente de anos anteriores. Estamos no bolo, precisamos manter esse nível e até melhorar a situação. Ajustes sempre precisam ser feitos.”

Para Marcelo Oliveira, o Galo soube aproveitar o intervalo maior entre os jogos para trabalhar a equipe. “Tivemos duas semanas de trabalho e isso ajudou muito, a outros times também, porque no Brasil se trabalha pouco e se joga muito.”

Na vitória sobre o São Paulo, o Atlético levou um susto aos dois minutos, com o gol de Chavez. A virada veio com gols de Maicosuel e Pratto, todos marcados no primeiro tempo. Na etapa final, o Tricolor pressionou e o Galo soube segurar o triunfo com raça e, principalmente, com uma bela atuação do goleiro Victor.

Tivemos dificuldades no jogo, mas quem quer ser campeão do Brasileiro vai passar por isso em algum momento. Vocês vão perceber na rodada resultados surpreendentes, porque o Campeonato Brasileiro é difícil mesmo. O jogo aqui foi extremamente difícil, mas mobilizamos muito para esse jogo e precisamos mobilizar contra a Chapecoense, que passa a ser o jogo mais importante.” analisou Pacote

LEE, POEMAS DE AMOR AO GALO

O cantor e compositor Vander Lee, morto na manhã desta sexta-feira em decorrência de um aneurisma no coração, sempre esteve ligado ao mundo do futebol. A canção “Galo e Cruzeiro” é uma de suas obras mais conhecidas e retrata, com bom humor, a história de um casal formado por um atleticano e uma cruzeirense.

Na hora do cruzamento, ela deu impedimento ou falta no goleiro / Pra aumentar meu tormento, meu irmão, eu sou Galo e ela é Cruzeiro / Com o gol anulado, saí do gramado, voltei pro chuveiro / Isso tudo porque, meu irmão, eu sou Galo e ela é Cruzeiro”, diz trecho da música "Galo e Cruzeiro".

Vander Lee disse numa entrevista que a inspiração surgiu da observação do dia a dia. “Tirei do cotidiano. Fiz um trocadilho entre o futebol e a relação de um casal para ter um duplo sentido, mas nunca namorei uma cruzeirense. Não que eu saiba e também nunca briguei por futebol”, contou.

Atleticano, Vander Lee sempre fez questão de ressaltar seu amor pelo futebol:
 “Batia pelada na rua. Sou da geração do Reinaldo, Toninho Cerezo, Luizinho. Para mim, o time do final de 70 foi o melhor que o Galo já teve até hoje, com mais expressão”, salientou, em entrevista em 2011, antes do título da Copa Libertadores em 2013.

O compositor se aproximou ainda mais do Atlético após a queda para a Segunda Divisão, em 2006.
“Saiu de uma situação que não precisava ter entrado. Os torcedores se aproximaram mais do clube e o ajudou ao acesso. Foi muito legal”, recordou.

Vander Lee era separado e deixa 3 filhos. Ele se firmou como um dos principais nomes da música mineira com nove discos, entre registros ao vivo e em estúdio. Vander Lee tinha 19 anos de carreira.
TRINCHEIRA: Vá com as harpas e com os Anjos, Vander Lee. Sentiremos muita saudade de sua arte.

INTER SENTIU O VENENO DA COBRA QUE CRIOU









Ábila, Rafael Sóbis e Mano Menezes o trio responsável ´pela goleada em cima do Inter

Uma vitória que chegou a ter cheiro de goleada, mas ficou no meio do caminho. O placar de 4 a 2, meia goleada, fez justiça ao Cruzeiro que engoliu o Internacional e mostrou ao público presente no Independência que as contratações são verdadeiros reforços e darão ao treinador Mano Menezes o suporte que ele precisa pra tirar o time azul da incômoda posição dentro do Z-4. Rafael Sóbis, criado pelo Inter,  sobre o qual não havia dúvida alguma, marcou três vezes e o argentino Ramon Ábila fez um belo gol, sem ângulo, de voleio e de canhota. E o mano o deixou fora contra o Santos, por isso os gols não saíram. O Colorado sentiu o veneno gaúcho.
O atacante Rafael Sobis roubou a cena na noite desta quinta-feira, no Independência, e foi o grande responsável por fazer o Cruzeiro quebrar jejum de seis partidas sem vitória no Campeonato Brasileiro. Com três gols, o camisa 7 aniquilou o Internacional, seu ex-clube, e ajudou o time celeste na árdua caminhada para deixar a zona de rebaixamento da Série A. Ainda que o resultado de 4 a 2 sobre o Colorado não tenha alterado de modo significativo a situação da Raposa na tabela – subiu para o 18º lugar, com 18 pontos –, sem dúvidas trará “sangue novo” na tentativa de reação imediata na competição.

Outro destaque cruzeirense foi o argentino Ramón Ábila, que marcou um belo gol com o pé esquerdo e incomodou bastante o sistema defensivo do Internacional. Ele e Rafael Sobis foram ovacionados por todo o estádio assim que Mano Menezes substituiu os dois por Douglas Coutinho e Marcos Vinícius – este último de volta ao time após quase seis meses. 
No jogo de domingo contra o Santos, o Cruzeiro criou mais chances de gols que o adversário, mas não as aproveitou e acabou perdendo por 2 a 0. Os lances desperdiçados causaram incômodo nos atletas, porém o técnico Mano Menezes fez uma espécie de trabalho psicológico para retomar a confiança de seus jogadores. A palavra “calma” foi bastante utilizada nas palestras na Toca da Raposa II e na preleção no Independência. Deu certo. Com futebol ofensivo e eficiente, o time celeste venceu o Internacional de virada, por 4 a 2, e ganhou sobrevida na luta contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Em entrevista coletiva depois da partida desta quinta-feira, Mano lembrou a pressão pela falta de bons resultados e ressaltou o ganho de confiança com o placar positivo.

 “Vi em Santos os jogadores colocando a mão na cabeça e reclamando que o time criava muito, mas a bola não entrava. Disse a eles para ter calma, que a bola iria entrar, como de fato entrou hoje por quatro vezes. Temos jogadores que definem muito bem, eles já demonstraram isso em outras oportunidades. Então é assim. Calma! Calma que (a bola) entra”, avaliou o treinador, que avaliou o poder apresentado pela equipe para virar o jogo após ver o adversário abrir o placar com 2min de bola rolando.

TRINCHEIRA: QUEREM SABER SOBRE OLIMPÍADAS, NÃO SAIAM DA FRENTE DAS TEVÊS. EU NÃO ACOMPANHO MANIFESTAÇÃO GAY COMO ESTE BEIJO ABAIXO


Dois condutores da tocha olímpica protagonizaram um beijo gay no Rio de Janeiro, durante o revezamento na noite dessa quinta-feira. Depois de passar por 325 cidades brasileiras, o símbolo dos Jogos 2016 chegou ontem à principal cidade sede das disputas esportivas. A cena do beijo ocorreu durante a passagem da tocha por Ipanema. (foto)

A Chama Olímpica faz referência à lenda de Prometeu. Ele teria roubado o fogo de Zeus para o entregar aos mortais. Durante a celebração dos Jogos Olímpicos antigos, em Olímpia, mantinha-se aceso um fogo que ardia enquanto durassem as competições.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.