terça-feira, 9 de agosto de 2016

SELEÇÃO OLIMPÍCA MASCULINA JOGA SUA CLASSIFICAÇÃO NESTA QUARTA EM SALVADOR

.salvador —A Seleção Olímpica Masculina, com péssima e irritante campanha no Rio/2016, tem sua última chance de, ainda, continuar brigando por uma medalha nesta noite de sexta-feira quando enfrenta, desesperada e humilhada, a Dinamarca em Salvador. Qualquer outro resultado, que não a vitória, será desclassificada e o jovem treinador Rogério Micale, ex-Atlético, será  degolado e destratado publicamente.

 Quando assumiu a Seleção Olímpica, o técnico Rogério Micale deu uma demonstração de humildade ao dizer que não teria nenhum constrangimento de pedir ajuda ao técnico Tite, se fosse necessário, durante os Jogos do Rio-2016. O discurso mudou. Lembrado pelo jornal baiano o Correio da declaração e questionado se chegou a hora de aconselhar-se com o comandante da esquadra principal pra evitar vexame nesta quarta-feira, diante da Dinamarca, na Arena Fonte Nova, em Salvador, Micale ficou incomodado com a pergunta.

“Quem está à frente sou eu, o responsável por colocar a equipe em campo, sou eu. O professor Tite respeita muito esses momentos, até porque é uma pessoa extraordinária. Quando eu acho necessário, não tenho receio em falar com ele. O Cléber (Xavier, auxiliar técnico) está aqui acompanhando. A responsabilidade é minha e não vejo por que qualquer tipo de interferência. Estamos trabalhando juntos e, se tiver oportunidade, porque está preocupado com outras situações, não temos problema em conversar sobre o futebol.”

Nos bastidores, há quem diga que ao menos duas escolhas foram recomendadas por Tite — o meia Renato Augusto e o goleiro Weverton. Além dos problemas táticos, técnicos e físicos da Seleção Olímpica, surgiu uma crise causada por Neymar após o empate com o Iraque. Rogério Micale não gostou de saber que seu capitão e camisa 10 não falou com os jornalistas na saída do campo nem na zona mista, área destinada ao contato dos atletas com a imprensa.

Micale chegou a pedir desculpas pelo ocorrido durante a entrevista coletiva. Vaiado e irritado com os gritos de “Marta” dos 70 mil torcedores, Neymar passou direto com fone no ouvido e foi o primeiro a entrar no ônibus. Sentado na janela, ficou arrastando os dedos no aparelho celular. Enquanto isso, Renato Augusto, o mais vaiado no empate com o Iraque, e até o jovem Gabriel Jesus davam a cara a tapa nas entrevistas.

Intocável, Neymar dificilmente perderá posição contra a Dinamarca. Gabriel Barbosa e Gabriel Jesus não podem dizer o mesmo. Luan ou até mesmo mais um jogador no meio de campo ameaçam os dois. “Vou ter um tempo pra avaliar isso, vamos verificar, conversar, mas não funcionou (mudar). Fiz as mudanças e continuou não funcionando, e as peças que tenho são as mesmas. Uma ou outra podemos falar, mas ocorreram as mudanças e todos que jogam na frente tiveram no mínimo 45 minutos para jogar, fora os que permaneceram. Não vamos transferir responsabilidades. Temos que melhorar nosso desempenho, achar o gol, fazer o gol”, cobrou Micale.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.