sábado, 17 de setembro de 2016

DOMINGO É DIA DE CLÁSSICO QUE PODE MUDAR A HISTÓRIA DO FUTEBOL MINEIRO NA CLASSIFICAÇÃO GERAL DO BRASILEIRO.

   Comemoração do gol de Urso mostrou que o time está unido.

Quem faz uma análise imparcial do Brasileirão, em cima apenas dos números ganho e do número de vitórias e saldo de gols, ainda que não seja torcedor nem de Atlético, nem de Cruzeiro, arremata com convicção: o Galo será vencedor do jogão e a Raposa vai se atolar, ainda mais, na lama do descenso. Na distribuição geral da classificação, pode-se até fazer uma piadinha: o futebol mineiro tá no pescoço, com o Galo; quase nas partes genitais com o Cruzeiro e na bunda com o América, lanterna da competição.
Acontece que já se passou por situações idênticas em outros anos e o Cruzeiro venceu o clássico, que não perde há uns quatro jogos para o Atlético. Então, volta-se à estaca zero: clássico não tem favorito porque é um jogo de detalhes. Quem manda, tem maior volume de jogo, nem sempre vence.  O Atlético é terceiro colocado, com 45 pontos em 24 jogos, uma campanha irrepreensível, com 61% de aproveitamento; o Cruzeiro está em 15º lugar, com 29 pontos em24 jogos, prestes a chafurdar-se na lama do descenso. E o Coelho? É lanterna e até aparece pouco. 

CAZARES JOGA E TÁ PRONTO PRO CLÁSSICO.


                               Cazares voltou e o time melhorou

Foram 73 dias longe dos gramados. Foram 35m em campo no retorno, nesta quinta-feira, contra o Sport, no Independência. Cazares tentou se movimentar, pelo meio-campo, pelos lados. Procurou o jogo. O lance decisivo não apareceu, mas teve estrela. Na primeira jogada, tocou para Otero armar o ataque que resultou no gol da vitória do Atlético, marcado por Júnior Urso. 

Até sair o gol, o Galo penou. O placar em branco persistia. O Galo não se acertava. O Sport, com um a menos - o goleiro Magrão foi expulso ainda no primeiro tempo, complicava o jogo. Não foi surpresa a reação da torcida atleticana aos oito minutos da etapa final: "Cazares, Cazares, Cazares".
No minuto seguinte, o técnico Marcelo Oliveira conversou com o preparador físico Juvenilson de Souza e mandou chamar o meia equatoriano, que entrou, aos 11, no lugar de Clayton.

No primeiro lance, Cazares não foi decisivo, mas mostrou ter estrela. Iniciou no meio-campo a jogada que viria a sair o gol de Júnior Urso. A bola ainda passou por Otero, que driblou dois, antes de deixar para o volante chutar e abrir o placar aos 13 minutos.

Cazares, que havia jogada pela última vez no dia 3 de julho, contra o Figueirense, ficou afastado se tratando de estiramento muscular na coxa direita.Antes de se lesionar, o armador era o destaque do Atlético. Com seis gols e três assistências, em seis partidas, foi o responsável pela arrancada que colocou o time na briga pelo topo da tabela.

Contra o Sport, Cazares tentou 31 passes, acertando 29. Em um chute colocado, tentou surpreender o goleiro Agenor, que fez a defesa com tranquilidade. Tentou alguns dribles e deu trabalho aos marcadores.O jogador recebeu elogios do técnico Marcelo Oliveira, que ressaltou a necessidade de ter cuidado para não forçar demais e o jogador voltar a sentir e se lesionar.
Agora, o torcedor atleticano fica na expectativa para ver o equatoriano no clássico do próximo domingo, contra o Cruzeiro.

MANO SÓ ESPERA QUE TIME NÃO PERCA A CALMA

                        Cruzeiro perde outra e domingo como será?

A segunda derrota seguida do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro não causou espanto ao técnico Mano Menezes. Após o revés por 1 a 0 para o São Paulo, na noite desta quinta-feira, ele lamentou o primeiro tempo com falhas de marcação e as chances desperdiçadas numa segunda etapa em que o time teve poder de criação. Por outro lado, o comandante cruzeirense tratou a derrota como normal e pediu tranquilidade para que o trabalho realizado até aqui não seja desmanchado. 

U
m  dos destaques do Cruzeiro na partida contra o São Paulo foi o goleiro Rafael. Apesar da derrota por 1 a 0, nesta quinta-feira, no Morumbi - gol do volante Wesley em chute forte de longa distância -, o camisa 12 fez boas intervenções, sobretudo no primeiro tempo, e evitou um placar mais dilatado nos acréscimos da etapa final ao defender cobrança de pênalti do atacante argentino Andrés Chávez.

Foi a segunda penalidade máxima defendida por Rafael na temporada 2016 (oito partidas) e a terceira em 43 jogos como profissional do Cruzeiro. Em março, ele já havia vencido o duelo contra Nikão, do Atlético-PR, na vitória cruzeirense por 2 a 1, no Mineirão, pela fase de grupos da Primeira Liga.

“Nós fazemos todo esse trabalho de treinamento. O Robertinho faz muito trabalho de pênalti, de falta, isso é importante. Graças a Deus, com a ajuda de todos, consegui defender. Eu apareço defendendo o pênalti, mas tem muitas pessoas que ajudam no dia a dia”, comentou o goleiro, ao ser perguntado sobre o bom trabalho nos tiros de 11 metros.

Em 2011, Rafael defendeu seu primeiro pênalti pelo clube no empate por 1 a 1 com o Palmeiras, no Pacaembu, em São Paulo. Na ocasião, ele impediu que a finalização do volante Marcos Assunção, exímio cobrador de bolas paradas, ganhasse as redes já aos 46min do segundo tempo. O confronto valeu pela 21ª rodada do Brasileiro.
Derrotado, o Cruzeiro encerrou a 25ª rodada em 15º lugar, com 29 pontos (um a mais que o 17º Figueirense), e terá de buscar a reação no clássico com o Atlético, domingo, às 16h, no Mineirão. Na ótica de Rafael, a confiança do clube não foi alterada mesmo com o tropeço em território paulista e a incômoda situação na tabela de classificação. “Sabemos que somos capazes e vamos para vencer no domingo, contando com o apoio do nosso torcedor”, encerrou o goleiro, que fez sua única partida diante do alvinegro justamente na fatídica vitória por 6 a 1, pela última rodada do Campeonato Brasileiro de 2011. O resultado livrou a Raposa da queda à Série B.

DUPLA DO BARULHO
Esta dupla fez falta quinta-feira contra o Botafogo. Como fazer gols sem os dois em campo?

                      Arrascaeta e Abila


QUE DEU NA CABEÇA DE MANOEL?

Não só a derrota por 1 a 0 para o São Paulo, na noite desta quinta-feira, no Morumbi, é problema para o Cruzeiro na sequência da temporada. Expulso aos 42’ do segundo tempo, o zagueiro Manoel poderá receber punição severa do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) depois do árbitro Diego Almeida Real relatar “um golpe com soco na barriga” desferido pelo camisa 27 da Raposa contra o atacante Andrés Chavez, do Tricolor.
Expulsei diretamente aos 42 minutos do segundo tempo de partida, por conduta violenta, o Sr. Manoel Messias Silva Carvalho, camisa número 27, do Cruzeiro EC, por golpear com um soco na barriga de seu adversário de número 9, Sr. Andres Eliseo Chavez, da equipe São Paulo FC, dentro da área penal, fora da disputa de bola e estando a bola em jogo. Devo relatar que o atleta agredido não necessitou atendimento médico (sic)”, escreveu o 
juiz
.

ROBINHO VOLTA NO CLASSICO

Robinho foi preservado pelo Atlético no jogo contra o Sport, nesta quinta-feira, no Independência, pelo Campeonato Brasileiro. O artilheiro do time sequer ficou no banco reservas.
Segundo o técnico Marcelo Oliveira, o atacante não tem nenhuma lesão. Mas uma avaliação médica apontou o risco de contusão. Além disso, Robinho, que vinha de 21 jogos seguidos, ganhou um descanso, já pensando no clássico de domingo com o Cruzeiro, às 16h, no Mineirão.

"Foi difícil, porque o Robinho vinha bem e é criativo. Poderia revezar com o Cazares, mas pela manhã, numa avaliação médica, avaliamos que poderia gerar uma lesão e ficar fora de alguns jogos. Foi uma prevenção e descansá-lo para o próximo jogo. Para o departamento médico, ele poderia se machucar", disse.

Se conseguiu evitar uma lesão em Robinho, o Atlético, por outro lado, lamentou uma nova contusão de Marcos Rocha. O lateral, que voltou ao time nesta quinta-feira após três semanas tratando de contusão na coxa direita, jogou por apenas 11 minutos e sentiu nova lesão.
Marcelo Oliveira lamentou
: "Foi uma surpresa, porque tivemos cuidados em sanar a lesão. A ideia era colocá-lo em um tempo. Fica por conta da fatalidade."

DRYWORLD DEIXA DIRETORIA DO GALO IRRITADA







Daniel Nepomuceno dá mais uma chance para Matt Weingart e Claudio Escobar, executivos da Dryworld




O presidente do Atlético, Daniel Nepomuceno, comentou os problemas enfrentados pelo clube com o fornecimento de material esportivo da Dryworld. Desde o início do ano, o Galo vem sofrendo com a distribuição dos uniformes, tanto para os jogadores como para a venda nas lojas do clube. Recentemente, segundo a Revista Encontro, o clube teve que jogar de branco por causa das falhas na entrega da camisa alvinegra.

O contrato com a Dryworld é o maior da história do Atlético. No entanto, a fornecedora canadense tem encontrado dificuldades para cumprir as suas metas, gerando questionamentos, inclusive internamente no clube.

Em entrevista ao programa Camarote PFC, do canal Premiere FC, Daniel Nepomuceno lamentou os erros da Dryworld, mas diz que ainda vai dar uma nova oportunidade à fornecedora, para que ela corrija os erros e garanta a entrega do material para ser revendido em lojas do clube e franquias. O presidente falou ainda sobre a difícil busca por zagueiros, o sonho do título do Campeonato Brasileiro neste ano e a dificuldade de promover jovens da base em um time recheado de grandes e renomados jogadores.

Passando pelo momento mais crítico de sua história, a Portuguesa definirá no próximo domingo se permanece na Série C do Campeonato Brasileiro ou se cai para a quarta divisão do futebol nacional. Com uma dívida em torno dos R$ 200 milhões, o clube, no entanto, não irá à falência mesmo com o eventual descenso, segundo o presidente José Luiz Ferreira de Almeida.

Penúltima colocada do Grupo B, a Lusa precisa derrotar o Tombense, em Minas Gerais, no próximo domingo, e contar com um tropeço do Macaé diante do Botafogo de Ribeirão Preto, no Rio de Janeiro, para ao menos se manter na Terceirona.

“Não fecha se cair para a Série D. Quantos times tiveram essas quedas e voltaram? Fechar, não fecha. Mas confio que não vamos cair, vamos ganhar no domingo”, disse o mandatário, durante entrevista coletiva concedida na última quinta-feira, no Canindé.

Penhorado por processos trabalhistas que se desenrolam desde o início dos anos 2000, o estádio, inclusive, deverá ir a leilão no dia 7 de novembro. Caso não consiga a impugnação, a Portuguesa não terá mais direitos sobre sua parte do terreno – 45% da área total (os outros 55% pertencem à Prefeitura de São Paulo) -, avaliada em R$ 154 milhões, quantia inferior à da avaliação do clube e insuficiente para saldar os débitos.
É um número que está sendo estudado ainda. É muito grande, vale muito mais que R$ 200 milhões”, assegurou.

Corpo do ator deve deixou Sergipe às 12h desta sexta-feira
Domingos Montagner foi sepultado neste sábado no Cemitério da Quarta Parada, na Zona Leste de São Paulo.

                       Domingos Montagner morre no seu melhor momento

 Montagner morreu afogado após um mergulho no rio São Francisco, na divisa entre Sergipe e Alagoas, nessa quinta-feira (15). O corpo do ator foi encontrado por volta das 18h, a 18 metros de profundidade e a 320 metros da prainha de Canindé do São Francisco, e a confirmação oficial da identidade foi feita momentos depois.

O ator 
teria evitado que a atriz Camila Pitanga - que estava com ele no momento - se afogasse no rio São Francisco momentos antes de morrer, de acordo com o coronel Ricardo Cruz. "As informações que me passaram seria que ele inclusive chegou a empurrá-la para um local mais seguro. Na hora em que ele estava afundando, ele empurrou a Camila para um local mais seguro", afirmou em entrevista ao Datena no Brasil Urgente. 





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.