terça-feira, 13 de setembro de 2016

GALO CHEGOU PERTO DO LÍDER PALMEIRAS, MAS NÃO SEGUROU A BARRA: FLUMINENSE VIRA PLACAR E VENCE DE GOLEADA.


Sei lá como estas coisas acontecem: o melhor resultado, por incrível que pareça, da rodada do Campeonato Brasileiro encerrada nesta segunda feira com o jogo Fluminense 4 x 2 Atlético foi o empate que o lanterna América arrancou diante da Ponte Preta (1 a 1) em Campinas. O vexame maior foi do Cruzeiro, que perdeu em casa (2 a O) pro Botafogo e encerrou uma sequência invicta de seis partidas, retornando à porta do Z-4.
O amigo e jornalista Afonso Alberto Teixeira do Santos, no Facebook, postou comentário que considerei o mais legítimo possível e peço-lhe licença pra reproduzi-lo, - já reproduzindo-o - nesta minha Trincheira.

"Lamento profundamente os equívocos do Marcelo. O Atlético tem se mostrado uma equipe frágil, sem poder de fogo. É certo que os desfalques contam, mas não podem ser decisivos. Acho que o Marcelo tem sido infeliz ao escalar e mexer no time. Carlos Eduardo não justifica mais, Edcarlos também. Na saída de Maicosuel, colocar Jr. Urso, foi brincar com coisa séria, Vítor uma tragédia na saída de bola. Prato atravessa uma bola e dá o passe para o jogador do Fluminense fazer o gol, tudo errado. A coisa fugiu do controle do Galo infelizmente. Ainda é possível? É, mas acho que do jeito que as coisas andam, a vaga na Libertadores, já vai ser um presente dos céus. Também no Galo hoje, empregado manda, decide, faz o que quer. Alguém tem dúvida disto? Então olhem o Datolo. Emprego assim também quero, ficar no departamento médico ganhando uma fortuna sem fazer nada. Me ajuda aí. E o Carlinhos Neves , dizem ser o melhor preparador físico do Brasil, mas ele ganha como coordenador ou coisa que o valha no departamento de futebol? Está tudo errado. É a mesma coisa que o presidente Marco Polo Del Nero colocar o Tite como assessor de imprensa na seleção. Vão tomar banho na soda. Chega de sofrer."

 Atlético ensaiou uma aproximação ao Palmeiras, mas foi só: tomou o vira-vira do Fluminense no estádio Giulite Coutinho. O Galo abriu o placar com Robinho, que se isolou na artilharia da Série A, mas sofreu a virada, em gols de Douglas, Marquinho e Gustavo Scarpa. Otero ainda descontou, mas Maranhão marcou o quarto pro time carioca, decretando o triunfo por 4 a 2.

Com a
 primeira derrota depois de três rodadas, o Atlético segue com 42 pontos. O Palmeiras, que empatou nesse domingo com o Grêmio, foi a 47. Já o Flamengo alcançou 46 ao vencer o Vitória no sábado, em Salvador.

O
 time comandado por Marcelo Oliveira tentará manter a perseguição aos líderes na quinta-feira, quando receberá o Sport, no Independência. O primeiro protagonista da noite foi o árbitro. Eduardo Tomaz de Aquino Valadão foi alvo de reclamações de atleticanos e tricolores no início da partida, com pedidos de pênaltis sobre Maicosuel e Marcos Júnior.
Na primeira vez que chutou na direção da meta adversária, o Galo balançou as redes. Robinho aproveitou lançamento de Maicosuel, dominou e bateu com força no alto: 1 a 0.

Em vantagem no placar, o Atlético passou a ser pressionado pelo Fluminense. O Tricolor ameaçou, principalmente, em chutes de fora da área, com Gustavo Scarpa e Marcos Júnior. O time alvinegro ainda perdeu Maicosuel por lesão no primeiro tempo. O meia-atacante foi substituído pelo volante Júnior Urso (arre!). Já no intervalo, Marcelo Oliveira sacou Fred pra entrada de Otero. Por quê? Se por lesão, com uma perna só, Fred é melhor que o outro.

Assim como no fim do primeiro tempo, os minutos iniciais da etapa final tiveram o Fluminense mais presente no campo de ataque. Porém, dessa vez, o Galo não conseguiu suportar a pressão. O ex-atleticano Magno Alves cruzou rasteiro e Douglas empatou a partida: 1 a 1. Frangaço de Victor, por entre as pernas.,

No segundo tempo, Levir Culpi promoveu duas alterações, numa delas colocou Marquinho em campo.. Em seu primeiro toque na bola, Marquinho balançou as redes e virou a partida; 2 A 1. O Tricolor ainda ampliou em cobrança de falta cometida por Edcarlos, após falha de Victor na saída de bola. Gustavo Scarpa colocou com categoria sobre a barreira: 3 a 1.

Já nos minutos finais, o Galo descontou com Otero. Após cruzamento de Robinho, Pratto ajeitou de cabeça e o venezuelano, de carrinho, empurrou para as redes: 3 a 2. Nos acréscimos, Lucas Pratto errou virada de jogo, Maranhão arrancou e tocou na saída de Victor: 4 a 2.

AGORA QUE QUERO VER:

-Cruzeiro joga quinta-feira no Morumbi contra o São Paulo que parece estar em franca recuperação. Sem Ábila e Arrascaeta e se não tive Rafael Sóbis, Cruzeiro não vence e complica sua situação na complicação geral.
- O Galo pega o Sport do Recife, no Horto, e se não tiver uma escalação digna e não jogar como um galo vingador, toma ferro aqui e cai mais, talvez até fora do G-4.
- E o América? Só Deus sabe qualquer que seja o adversário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.