quarta-feira, 31 de maio de 2017

Inter por causa do "caso Victor Ramos" e por adulterar emails está ameaçado de ser excluído da Série B.
Segundo investigação, Francisco Godoy, representante do atleta, foi o responsável por alterar sentido de mensagens protocoladas pelo clube. Inter pode sofrer punições.

Arrascaeta levou uma tesoura voadora, por trás, do zagueiro do Santos e fica no estaleiro da Toca por 2 meses e fora da Seleção Uruguai.

fraudes investem no futebol

A corrupção e as fraudes que enojam a vida política brasileira atacaram, também, o futebol tupiniquim : a novela que envolve Internacional e o zagueiro Victor Ramos parecia ter acabado. Acabou nada!
A situação pode trazer consequências graves para a equipe gaúcha, incluindo a possibilidade de exclusão da Série B. Cambaleante na Série A de 2016, o Colorado tentou reverter o rebaixamento com a possível escalação irregular do zagueiro Victor Ramos, à época no Vitória.
As denúncias feitas pelo Inter mostravam o nome de Reynaldo Buzzoni, diretor de registros e transferências da CBF. Em seguida, Buzzoni questionou a validade do documento.
Após inquérito realizado no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), duas perícias foram realizadas e comprovaram que os e-mails enviados pelo clube foram adulterados por Francisco Godoy, representante do jogador.
A investigação foi conduzida pelo auditor Mauro Marcelo, delegado de polícia em São Paulo e ex-diretor da ABIN (Associação Brasileira de Inteligência). As perícias nos e-mails apresentados pelo Inter e pela CBF foram feitas em locais diferentes; uma em São Paulo e outra no Rio de Janeiro.
O conteúdo das mensagens foi confrontado, e a conclusão de uma das perícias aponta que os e-mails enviados pelo Colorado sofreram modificações que descaracterizam o conteúdo da mensagem original.
Em uma das frases no e-mail enviado pela CBF, consta a seguinte mensagem: "O Palmeiras e o clube mexicano devem dar uma conclusão ao TMS sobre o empréstimo do atleta para o Palmeiras".
Já no e-mail do Inter, a frase aparece com conteúdo diferente:
"Precisa-se analisar se o empréstimo estiver concluído, o ITC permanece no Brasil e o jogador não terá mais vínculo com o mexicano".
Outra mensagem também apresenta diferenças em comparação com a que foi enviada pela CBF, inclusive em relação ao remetente. No e-mail da confederação, consta o nome de Bernardo Zalan, funcionário da entidade. Na versão adulterada, o responsável pela mensagem é Reynaldo Buzzoni.
O clube gaúcho também realizou perícia para rastrear as mensagens adulteradas. Descobriu-se que elas passaram nas mãos de advogados e empresários muito antes de chegarem ao Beira-Rio.
No entanto, o primeiro a fazer as modificações foi o representante do zagueiro. Godoy repassou as mensagens ao Monterrey, que encaminhou o e-mail ao empresário Décio Berman.
 Questionado, Gustavo Juchem, vice-presidente jurídico do Internacional, disse que o Colorado não checou a veracidade do e-mail e que acreditava que não havia motivos para suspeita.
- Não, nós não tínhamos em absoluto porque suspeitar que haveria alguma inconsistência, alguma alteração. Inclusive o conteúdo do arquivo que recebemos e apresentamos é um conteúdo perfeitamente factível, o que tá dito ali está de acordo com a justiça desportiva. Então, não havia nenhum motivo pra suspeita de qualquer ordem.
Não tínhamos em absoluto porque suspeitar que haveria alguma inconsistência - salientou Gustavo Juchem, vice-presidente jurídico do Internacional

Décio Berman, primeiro a receber a mensagem do Monterrey, é agente FIFA e está há quinze anos trabalhando no futebol. O empresário afirmou que não sabia que os e-mails eram adulterados e disse que seu único objetivo era "dar o melhor atendimento" a seu cliente; no caso, o Monterrey.

- Em hipótese alguma. Meu objetivo principal era dar o melhor atendimento ao meu cliente... eles me solicitaram esse tipo de auxilio e eu acabei encaminhando os emails para quem era devido - afirmou.
Antes de chegar ao Internacional, o e-mail ainda passou pelos advogados André Ribeiro e Breno Tannuri. Ambos são sócios de uma empresa de advocacia. Em entrevista, Tannuri afirmou que só encaminhou o e-mail porque teve autorização para isso, mas disse que também não sabia que eles haviam sido adulterados.

Houve uma solicitação do nosso cliente que, a gente só podia autorizar, só podíamos encaminhar esse e-mail pro Inter se houvesse essa autorização, essa autorização ocorreu e nós encaminhamos o e-mail. Ciência de que eles foram adulterados eu nunca tive - disse.

A equipe colorada protocolou os e-mails adulterados no STJD às 6h56 do dia 7 de dezembro de 2016, oitenta e um minutos depois de receber os arquivos. A denúncia foi, portanto, feita antes que o rebaixamento da equipe fosse concretizado, tendo em vista que a última rodada do Brasileiro aconteceu no dia 11.

O inquérito já foi encerrado e, agora, cabe ao procurador-geral do STJD decidir se denunciará ou não o Internacional. O caso será encaminhado ao Ministério Público do Rio, por conter indícios de crimes previstos no código penal. Já o Inter foi indiciado no artigo 60 do código disciplinar da FIFA, que diz respeito ao uso de documentos forjados ou falsificados. A pena pode levar até a exclusão da equipe da Série B.
Apesar da equipe gaúcha ter sido indiciada, Gustavo Juchem, vice-presidente do jurídico do Inter, crê que não há motivo pra equipe ser excluída da competição.
- Eu não acredito nessa possibilidade, mas a competência é do STJD para examinar a questão. (...) Eu acho que não há motivo para isso - declarou.


Deborah Cristina
Boas palavras Flávio! Leio todas que vc me manda! É preocupante a atuação do Cruzeiro em modificar a escalação tirando Ábila e trazendo Sássa! Enfim... o futebol nos alimenta e abre discussões!
Valdívia, prepotente, diz:"também sou craque, craque e quero jogar"
Valdívia chegou ao Atlético na última sexta-feira, fez treinos com os companheiros e foi apresentado nesta terça. Durante os primeiros dias de Galo, já deu pra participar das ‘resenhas’ com os companheiros, publicar fotos nas redes sociais e, naturalmente, falar sério ao lado do grupo e do técnico Roger Machado. Mas até mesmo no momento de seriedade, o jogador consegue arrancar sorrisos, como ele mesmo disse.
Em uma reunião com jogadores e comissão técnica, Valdívia foi perguntado pelo treinador sobre a faixa do campo em que prefere atuar. Ele afirmou que, na linha de três, à frente dos volantes,  joga em qualquer posição. Quando quis ser mais preciso, perguntou quem do elenco jogava pela esquerda. Ao ouvir o nome de Robinho como resposta, mudou de ideia sobre sua preferência

 

                     Valdívia diz que é craque, tb


Quero jogar na frente. Esquerda, direita, meio. O Roger pediu para que eu mostrasse no quadro em que posição jogaria. Perguntei quem jogava na esquerda e falaram que era o Robinho. Aí eu disse que queria jogar na direita",
disse, aos risos.
 
Jogar ao lado de craques não é novidade para Valdívia. Se no Galo ele vai atuar com Robinho e Fred, já teve companheiros como Nilmar e D’Alessandro no Internacional. O meia-atacante espera, rapidamente, se entrosar ao estilo de jogo dos novos parceiros de ataque.
 
Fico um pouco ansioso, mas joguei com Nilmar, D'Alessandro, Alex, jogadores de nome. Mas aqui, ao lado de Robinho, Fred e Rafael Moura, cada dia pego o estilo deles. Jogar ao lado deles é mais fácil, fazendo um-dois. Vou pegar o jeito deles rapidamente”.

 Valdívia fala como jogador do Galo

"Vou agradecer ao presidente pela oportunidade de vestir esse manto, Galo Doido. Acho que tenho toda a característica do time. Já joguei contra várias vezes, mas a favor será melhor. Fui bem recebido por todos. A escolha foi, o presidente me ligou, falou do projeto e fiquei satisfeito com isso. Agora é só esperar os acontecidos para que na partida eu possa ir bem, isso é importante. Estou muito feliz e graças a Deus as coisas ocorreram rápido.
 Expectativa de atuar mais no Atlético 
Vou trabalhar pelas oportunidades. Venho por empréstimo, mas tenho de me dedicar bastante, fazer por merecer. Se me dedicar, vou jogar sim. Não vejo a hora de estrear e dar alegria ao torcedor"
 Valdívia afirma que é craque
"
Antes de vir para cá, fui ver a lista de jogadores e aqui só tem craque. Mas eu me considero craque, já mostrei isso e posso mostrar de novo. Ninguém desaprende a jogar futebol. Quem tiver melhor vai jogar".
Momento ruim no Internacional
"A vida de jogar é feita de momentos e como fiquei cinco anos no Inter, às vezes não temos a mesma confiança e dedicação. Lá eu não estava jogando, foi por opção do treinador. Era momento de sair. Tem dias que não é a hora. Achei que o momento era bom para sair. Seria uma honra retomar o futebol no Galo. Tenho carinho pela torcida do Inter, foram dois anos e meio de alegrias. O Inter me deu a estrutura para ser o Valdívia que sou hoje. Mas agora é só pensar no Galo, no recomeço, para voltar a mostrar grande futebol"

Volta por cima no Galo 
"Eu queria retomar meu futebol, não importa onde seria. Não é por jogar a Série B, mas é por querer retomar meu futebol. O presidente me deu oportunidade e estou pronto para defender o Galo""
 





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.