segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

TRINCHEIRA DO FLAVIO ANSELMO

FESTIVAL DE GOLS BONITOS, NENHUM IGUAL AO DO ARRASCAETA

 

A movimentação do jogo era excelente, no primeiro tempo, com domínio absoluto do Cruzeiro. Sentia-se a ausência de Thiago no meio-campo azul por causa da distribuição da bola com passes certos, tabelas pelo meio, ao invés daquele arcabouço exagerado de bolas aéreas pra Fred.

A defesa do Coelho suportava bem a pressão provocada pela atuação defensiva segura do meio-campo, retomando toda segunda bola,  graças às atuações de Henrique, mais atrás, e de Ariel Cabral mais avançado. Outro escondido no jogo foi Rafinha, artilheiro do campeonato e bem apagado no clássico.

Na bola aérea só dava América, por causa de sua zaga excelente de Rafael Lima e Messias, perfeitos nas bolas pelo alto. Mesmo assim, o Cruzeiro teve três oportunidades boas de gols, desperdiçadas por Arrascaeta, Fred e Rafinha.

Vendo a partida em casa, pela televisão, tive a impressão de covardia do esquema de Enderson Moreira, com a equipe recuada e sem velocidade nos contra-ataques. Tanto que Fábio só participou do jogo em duas bolas chutadas, sendo a segunda de Matheus Sales. O goleiro estrelado fez boa defesa e desviou a escanteio.

Os lances de contra-ataques do Coelho morriam nos pés do lerdo Renan Oliveira ou nos de Aylon, bem marcado por Egídio. O empate de 0 a 0 no primeiro tempo não foi legal para o Cruzeiro; e na fase final, as substituições feitas por

Enderson surtiram mais efeito do que as de Mano. Enderson tirou Zé Ricardo e colocou Christian; Davi entrou no meio, na vaga de Matheus Sales; e Serginho na de Renan Oliveira. O Coelho conseguiu equilibrar a partida e empurrou o Cruzeiro mais pra atrás. Mano colocou o intragável Rafael Sóbis no lugar de Rafinha e piorou mais ainda. Então veio o absurdo: a troca de Arrascaeta pelo volante Bruno Silva - foi  chute de Mano no saco da torcida.

Afinal, aconteceu quando o jogo estava bem equilibrado e Arrascaeta em produtiva movimentação, e pouco depois dele  surpreender todo Mineirão com o incrível gol de voleio, após pegar de cheio o cruzamento na medida de Edilson, aos 27m.

Parece que Mano puniu Arrascaeta por sua arte e ótima atuação, com a substituição pelo volante pesadão e que piorou a atuação do meio-campo azul.   

A vitória por 1 a 0 fez o Cruzeiro isolar-se na liderança, quebrou a invencibilidade americana e manteve o tabu de oito jogos em perder para o Coelho, no novo Mineirão.

Teve outra substituição, desta vez acertada no time azul. O estreante argentino Mancuello entrou no lugar de Robinho, já cansado e mal na partida.

Novo público excelente em jogo do Cruzeiro pelo Campeonato Mineiro: 47.499 pagantes e renda de R$ 608.231,00. Apitou bem Wanderson Alves de Souza.

Arrascaeta com a beleza de gol, comemorado aqui e no Uruguai, marcou pela 36ª vez com a camisa azul celeste,e igualou-se ao argentino Montillo. Na frente dele está Marcelo Moreno, com 45 gols, dentre os estrangeiros goleadores da equipe de Mano Meneses.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.