segunda-feira, 30 de abril de 2018

D0S PAMPAS ÁS PRAIAS CARIOCAS

CRUZEIRO FAZ TREINO FECHADO EM POA ANTES DE VIAJAR PARA O RIO ONDE PEGA VASCO PELA LIBERTADORES.

 

Raposa faz atividade no CT do Grêmio e se prepara para disputar jogo da Libertadores. Equipe celeste enfrenta cruzmaltino, quarta-feira, em São Januário

 

Mais uma vez, o treinador Mano Meneses fechou o treinamento do Cruzeiro realizado em Porto Alegre, após empatar no último domingo,  com o Internacional, em 0 a 0, na capital gaúcha,  pela terceira rodada do Brasileirão.  Baboseira do irascível técnico que, inclusive, ficou entusiasmado com o resultado diante do Colorado, como se tivesse  conseguido a primeira vitória no campeonato brasileiro. O time subiu pouco na classificação geral, mas permanece na Zona do Rebaixamento com somente dois pontos.

O Cruzeiro se prepara para o próximo compromisso da Libertadores contra o Vasco, nesta quarta-feira, às 21h45, em São Januário. A delegação viajou para o Rio de Janeiro no mesmo dia do treino, porém à tarde. A equipe titular neste jogo deve ser a mesma que entrou em campo na partida com a Universidad de Chile, quando o Cruzeiro venceu de 7 a 0, no Mineirão. Vale lembrar que a Raposa está na segunda colocação do Grupo 5, atrás do Racing. 

 


CONTO DO PRÓXIMO LIVRO

 

HISTÓRIA DE AMOR

(Flávio Anselmo - 24-10-13)

 

O sol forte incomodou os olhos. Puxei o quepe que compunha o uniforme do ginásio, tentando evitar os raios diretamente sobre a vista. De nada adiantou. Num gesto automático, tentei localizar o sol para evitá-lo sob alguma marquise.

 

Então a vi na janela de sua casa. Linda como uma rosa vermelha dependurada, sozinha, num galho da roseira. Ela, também, me olhou. E sorriu. Os raios solares se multiplicaram no branco do sorriso. Só que não me incomodaram. Pelo contrário, me fizeram bem.

 

-Preciso conhecer esta menina. Como será que se chama?- pensei.

 

Tive sorte. Vestida com o uniforme do nosso ginásio, a minha colega de sala, Ledinha, apareceu de repente e tocou a campainha do apartamento da musa. Ela sumiu da janela e alguns minutos depois, eu a via, atônito, surgir como anjo logo à frente. Vestida como Ledinha. Estudava então no mesmo ginásio que eu.

 

Imaginei que Ledinha fosse apresentar-nos. Que nada! Nem olhou pros lados e saiu em apressados passos na direção da praça principal.

 

-Isso, também, seria felicidade demais - pensei de novo.

 

Não é que após as aulas, Ledinha me trouxe o recado. Era dela,

Nancy.  Enfim soube seu nome.  Ledinha, então, me revelou:

-"Nancy quis saber tudo sobre você, seu nome, sua idade e se você tem namorada? Ela até me pediu que o convidasse para você ir hoje às sete da noite à porta do prédio onde ela mora".

-" Mas tem que ser antes do pai dela chegar, pois ele não gosta de vê-la papeando com rapazes estranhos. Portanto, não se  atrase" - alertou Ledinha.

 

No horário combinado, eu estava lá. Tive que inventar uma desculpa em casa para minha mãe, também,me deixar sair, e voltar depois das dez horas.

Lá em casa, o sistema era durão; menor de idade podia sair às 7 da noite só para visitar alguém, ou ir à Igreja,ou aos terços.

Dormia cedo e acordava de madrugada por que as aulas se iniciavam às sete da manhã.

 

Minha desculpa para minha Mãe:  "iria à tal reza noturna da Catedral e levei meu irmão caçula de 4 anos comigo. Tive que comprar uma caixinha de estalinho para ele, senão ele desmentiria  tudo na volta. Menino linguarudo!"

 

Nancy  já estava na janela à espera. Desceu e nos apresentamos, oficialmente. Nancy me disse que ela tinha 12 anos. Da minha idade. Mas sua carinha era de uns 10 anos, no máximo.

 

Conversava como gente grande. Custei a acompanhar o ritmo de suas ideias.O papo girava em torno do ginásio, da família, do pai bravo, e como viera morar em minha cidade, no que trabalhava seu pai. E me questionou as mesmas coisas, numa rapidez tão grande que quase não tive tempo de responder.

 

Ao meu lado, atento, meu irmão caçula copiava tudo. A certa altura, cansado daquele papo, pediu pra fazer xixi. Indiquei-lhe a árvore mais próxima e o sem-vergonha fez xixi virado pro nosso lado.

 

Depois, tirou estalinhos da caixinha e passou a atirá-los em nossos pés enquanto perguntava à Nancy: "conhece este brinquedo?". Como teve a devida atenção, meu primeiro encontro com Nancy tornou-se barulhento estouro de estalinhos e gargalhadas ao menor gesto engraçado.

 

Tudo parou com a chegada do Pai dela chegou. Olhou-nos com a fisionomia fechada e apenas falou:

-"Nancy, suba".

 

Fui embora, envergonhado, e preocupado com a situação de Nancy, Naquela época, criança de 12 anos não podia nem pensar em namorar. Mesmo tentando enganar os pais com brincadeiras inocentes como jogar estalinhos na companhia do namorado e do irmão caçula dele.

 

Nancy passou a ser vigiada de perto. Chegava à janela, num horário combinado entre nós, por meio de bilhetinhos que trocávamos via Ledinha. namorávamos. Eu dava um jeito de passar pela avenida onde ela morava, jogava-lhe sorrisos, olhares amorosos e só.

Um dia descobrimos que podíamos encontrar à tarde, lá na Praça da Estação e brincar nas toras da produção de dormentes para estrada de ferro, espalhadas pelo logradouro.

 

As desculpas seguintes, na casa de cada um, era de ir estudar com alguém. Ledinha nos acompanhava sempre. Meu irmão caçula, nunca mais.

 

Nas tardes de domingo, acostumávamos ir às domingueiras no Clube Municipal, porém receosos de sermos vistos e denunciados aos pais. Deliciávamos com os pares de rostos colados e as músicas românticas. Nunca nos aventuramos dançar assim: éramos crianças; e eu não sabia dançar. Dois pra lá, dois pra cá. Dava não.

Nossos bilhetes, trocados via Ledinha, em envelopes lacrados, eram de romantismo aquém das nossas idades. De onde tirávamos tanta coisa bonita assim pra revelar um pro outro?

 

Não posso falar por ela, no meu caso passei a ler com maior frequência as revistas de fotonovelas e copiava os trechos mais românticos. Escolhíamos nossas músicas e as revelava em assobios que eu, julgava, cheios de técnica, ao passar embaixo de sua janela, a qualquer hora do dia. Fora, claro, dos horários das aulas.

 

Me lembro que Nancy me presenteou com o lindo anel que ela usava no anular da mão direita. Presenteou-me é força de expressão. Jamais faria isso porque não teria como explicar aos seus país o sumiço da joia, que lhe deram no aniversário de 10 anos. Ela dizia assim:

-Enquanto estivermos juntos, a joia é sua, fica no seu dedo mindinho",  pois não cabia no meu anular.

 

Eu sempre me despedia dele, com beijo apaixonado e dizia: "até amanhã minha bela joia" e olhava Nancy docemente pra que ela entendesse o dúbio sentido da despedida.

 

Certa vez, tivemos licença pra aceitar o convite das amigas que formavam a Banda Cor de Rosa, só de garotas. Íamos assistir  show delas, domingo às seis da noite, na paróquia de um bairro retirado.

 

Justifica esta explicação: a Cor de Rosa era especializada em rock e bossa nova, e seu objetivo sempre foi beneficente. Tocava de graças em festas de aniversários. Porém em acontecimentos sociais chiques ou nas apresentações em paróquias vizinhas, cobrava  cachê fuleiro, visando levantar fundo pras obras assistenciais da Igreja.

 

Noite de quase tragédia total. Na carroceria do caminhão do tio da líder da Banda, íamos estrada sem asfalto, de terra mesmo, aos trancos e aos pulos, na base da molecagem. A recomendação geral era de que nos assentássemos no chão da carroceria. A fim de impressionar Nancy, eu me assentei na beirada da carroceria.

 

No dedo mindinho, a joia presenteada. Num dos solavancos, o anel chegou à ponta do dedo e estava para cair na estrada. Fatalmente se perderia. Tive presença de espírito ao recolher o dedo e impedir que o anel passasse da última falange. O susto passou sem que ninguém percebesse a situação.

 

Na rapidez que movi meu corpo, a calça nova feita sob medida e presente da Mamãe prendeu-se num prego da carroceria e rasgou-se num imenso L. Como eu faria no salão paroquial? Com aquele rasgão nos fundilhos? Qual desculpa daria em casa,  eu que já havia quebrado o balanço do relógio de pulso, Monza 15 rubis, presente do meu pai, exatamente ao exibi-lo pra outra namoradinha?

 

O problema do salão paroquial resolvi com a blusa de frio do amigo Roberto, que amarrei na cintura e cobri o rasgão. Ninguém entendeu lá na festa porque o friorento do Roberto rangia os dentes e eu não lhe devolvia a blusa, amarrada na cintura.

O difícil foi resolver o problema em casa. Bem que tentei ao esconder a dita calça no fundo do guarda-roupas.

Mamãe deu falta dela e de tanto procurar encontrou-a toda amassada. Dei a explicação mais sem lógica. Mamãe mandou cerzir o rasgão e obrigou-me a sair com aquela maldita calça de fundilhos rasgados por muito tempo ainda.

 

O maior susto que Nancy e eu vivemos foi num domingo à tarde. A cidade adormecia depois do ajantarado, regado a cerveja Malzbier, para mulheres adultas, guaraná Antártica para criançada, e na mesa farta com pratos de frangos assados, macarronada à bolonhesa, tutu à mineira e farofa de ovos. Os adultos abriam o apetite com vinhos nacionais ou pinga da roça.

 

A turma que não dormia, aproveitava pra subir o morro e acompanhar partida de futebol do principal time da cidade. Nancy e eu fugimos de casa. Fomos para o Jardim Grande.

Menina recatada, não aceitou meu convite para namorar lá dentro do Jardim. Preferiu correr os riscos de passear em volta dele, inocentemente. Só que alguém nos viu, naquela animada palestra e telefonou para o pai dela.

De repente, eis que surge a fera ao meu lado. Passou por nós, sem dizer nada, e apenas olhou Nancy. Tossiu ou resmungou, sei lá. Não deu tempo de entender. Ela se virou e saiu num pique em direção à sua casa. 

 

Falei aí em telefone? Lembrei-me: não havia telefone antes na minha cidade. Foi nesse período que o grupo de empresários se uniu e criou a Telefônica local. Coisa bem rústica e de poucos usuários. Nancy me mandou bilhete informando que fora instalado aparelho na sua casa e me perguntou se lá em casa, também.

 

Demorou uns dias, e chegou aquele monstrengo preto, feio, sem disco de chamada. Era assim: você tirava o fone do gancho e a voz feminina o atendia. Perguntava pelo número que queria chamar e completava a ligação. Quando a voz era de adulto, a telefonista costumava perguntar: "ligação de pessoa a pessoa". Então você dava seu nome e com quem queria falar.

 

No meu caso,  aquela voz de taquara rachada, na mudança dos 12 anos, não conseguiu ligar pessoa a pessoa. O macete era engrossar a voz e tentar enganar a moça. Às vezes ela completava, e, com certeza, ficava na linha ouvindo nossa conversa. Diante da pureza do namoro da época, podia quando muito ligar para meu pai e avisar que a conta do mês seria maior, posto que alguém, com voz de rapazote, namorava ao telefone. Papai, um bonachão, apenas ria e dava rédeas.

 

Após o incidente no Jardim Grande, o Pai da fera entendeu que a marcação sobre pressão não adiantaria e que ela já chegara aos 14 para 15 anos. Melhor deixar essa brincadeira acontecer na porta do prédio. E assim foi feito. Contudo, esta felicidade durou apenas mais de dois anos. Até que chegou o bilhete com a triste notícia, depois das aulas.

-Papai decidiu que vamos mudar para o Rio de Janeiro, mês que vem. Ele vai ser sócio do meu tio numa empresa de tecidos. Já sofro de saudade.

 

Tive vontade de correr para casa e colocar no meu toca-discos o 45 rotações de Maysa, que de um lado tinha "Meu mundo caiu", e do outro "Ouça". Assim o fiz: corri para casa, abracei o travesseiro e chorei. Eu gostava muito daquela menina. Pensava nela o dia todo. Nos meus cadernos escolares, sempre que terminava as redações ou qualquer outro dever, colocava  no canto direito da página suas iniciais: NTC - Nancy Tavares Costa.

 

Deixamos a vida correr normalmente, enquanto os pais de Nancy preparavam a mudança.

 

No dia fatídico, acordei bem cedo e fui à praça da estação. O trem do Rio de Janeiro partia às cinco e meia. Sentei-me de frente para  a gare principal e a fim de desafiar os pais de Nancy, que, ainda, não haviam chegado. Em instantes, apareceu toda a família. Nancy me viu e correu em minha direção. Eu desci da tora, nos olhamos fixamente e ela me pegou às mãos, segurou-as firme.

 

No gesto seguinte, passou a mão direita pelo meu pescoço, puxou-me o rosto e me deu rápido selinho na boca. De novo meu mundo veio abaixo. Ela disparou em direção aos pais, e só lá da gare olhou de novo pra mim e acenou num demorado adeus. Fiquei surpreso: seus país, também, me olharam e acenaram.

Ninguém pode imaginar como compareci às aulas nos dias seguintes. Nancy estava em outra turma, mas a gente sempre se encontrava no recreio.

 

Estive com Ledinha, que me consolou e entregou o bilhete com o novo endereço de Nancy no Rio de Janeiro, e o pedido: "Não deixe de me escrever". Nos primeiros meses, era alucinante o ritmo das cartas. Depois foi diminuindo e até parar.

 

Nunca mais tive notícias de Nancy, até porque mudei, também, fui estudar na Capital.

Entretanto, todas as vezes que ouço Carlos Galhardo cantar "Nancy", a linda valsa composta por Bueno Arelli e Luiz Lacerda, sinto enorme saudade de Nancy. E roubo a autoria da canção, assumo letra e música.

Por costume, sempre que ligo o chuveiro no banho das manhãs canto a valsa. Afinal, é a mais linda história de amor que conheci...

 


sábado, 28 de abril de 2018

PALOCCI TOPA FAZER DELAÇÃO SÓ PARA ACUSAR LULA E DILMA

Palocci precisa de Sérgio Moro pra deixar prisão em Curitiba; acordo de delação com ele reaviva polêmica entre policiais e Ministério Público.

 

Em setembro passado, o ex-ministro Antonio Palocci lançou a frase que ficaria famosa na Lava Jato: em depoimento ao discutível  Sérgio Moro, ele acusou o ex-presidente Lula  de fechar em 2010 "pacto de sangue" com o empreiteiro Emílio Odebrecht, dono da construtora que tem o nome da família.

 

Emílio Odebrecht estaria com medo de perder influência no governo da recém-eleita Dilma Rousseff , disse o covarde e traidor Palocci. Como forma de se garantir, descaradamente revelou Palocci,  o empreiteiro foi ao Alvorada e teria oferecido  "pacote de propinas" ao Presidente.

 

TRINCHEIRA: Que cara mais mentiroso este Palocci. Bem que o mundo político metia o pau nele quando era prefeito de Ribeirão Preto. Nesse tal pacote, segundo o delator, havia o terreno na Vila Clementino, em São Paulo, pra  nova sede do Instituto Lula; a reforma do sítio de Atibaia ,e mais R$ 300 milhões.

 

Antes disso, no processo contra si, Palocci  prometeu ao golpista Sérgio Moro,em abril de 2017, entregar "todos os fatos com nome, endereços e operações realizadas".

 

Em julho passado, outro revés para o ex-ministro da Casa Civil de Dilma: Moro o condenou a 12 anos e 2 meses de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro; e escreveu na sentença que a oferta de cooperação em abril soou "mais como ameaça para que terceiros o auxiliem indevidamente na revogação da (prisão) preventiva, do que propriamente como declaração sincera de que pretendia naquele momento colaborar".

 

Agora, tudo mudou: em algum momento nas últimas semanas, Palocci fechou  acordo de colaboração premiada com a Polícia Federal. que, no entanto, ainda precisa ser homologada por Sérgio Moro; e pode significar a saída de Palocci da prisão.

 

Segundo O Globo, Palocci concluiu os depoimentos à Polícia Federal. O ex-ministro teria dito que levou pessoalmente pacotes de propina em dinheiro vivo ao ex-presidente Lula, e mencionou também remessas que teriam sido feitas por seu ex-assessor Branislav Kontic, o Brani. Os valores entregues a Lula no fim de 2010 somariam cerca de R$ 50 mil, teria dito Palocci.

 

Sobre Dilma Rousseff, relata O Globo, Palocci afirmou que ela tentou atrapalhar as investigações da Lava Jato no episódio do "Bessias": em março de 2016, Dilma tentou nomear Lula como ministro da Casa Civil, Palocci também acusa Dilma de ter participado de reunião sobre fraudes em licitação de sondas da Petrobras com o objetivo de levantar dinheiro para sua campanha presidencial em 2010.

 

Tanto Lula quanto Dilma negam as acusações. Em nota, o PT disse que Palocci cedeu a chantagens da Polícia Federal e que mente para livrar-se da cadeia. "A delação implorada do senhor Antonio Palocci tem problema central. Não se sustenta em provas. E ele não as têm porque tais fatos jamais ocorreram", diz a nota do partido.

 

"No esforço desesperado de obter a liberdade, o senhor Antonio Palocci cria um relato que busca agradar aos investigadores, na esperança de que possam deixá-lo sair da prisão", diz ainda a nota do partido.

 

Palocci está preso no mesmo prédio que Lula, a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, desde setembro de 2016. O caminho pra fora da cadeia, porém, é mais complicado do que parece. Procuradores que participaram das negociações anteriores no Paraná e em Brasília estão contra o acordo. Abaixo fotos do Ditador de Curitiba, do ex-presidente Lula, e de um  casal beijoqueiro de fazer inveja. Ao invés de se usar a língua para falar mal dos outros, é melhor usar assim: aos beijos.





A VIDA É POESIA…


Para mim, que tenho dois livros de poemas publicados e um deles - Divinas Marias - muito elogiado pelo amigo e conterrâneo Zélio Alves Pinto, dos maiores artistas plásticos e caricaturistas deste País, segundo seu irmão Ziraldo, o maior de todos, este texto abaixo do psicanalista Evaristo Magalhães, serve de despertador. Diz ele: 
"-A vida ficaria muito mais leve se a víssemos sob a ótica da poesia e não da ciência. A poesia nos oferece infinitas possibilidades. A ciência quer a essência de tudo. A ciência é normativa e normalizadora. A ciência busca a constância e a regularidade de tudo. A ciência não admite o contraditório. A ciência é asséptica. A ciência quer uma felicidade chata."
-" Não há vida sem dor, mágoa, tristeza angústia e ansiedade. Também, não há vida sem alegria, prazer e gozo. A vida não é oito ou oitenta. A vida não é isso ou aquilo. Não existe a felicidade pura. Ninguém se acha cem por cento bonito. Ninguém é plenamente equilibrado. A vida é mais literatura que ciência".
-" Prefiro pensar a vida como poesia e não como uma equação matemática. Viver é fazer poesia vinte e quatro horas por dia. A vida é engraçada – exatamente – porque é irregular e inconstante. Hoje posso amar mais e amanhã menos. Mente, quem se diz alegre o tempo todo. Na vida, como na poesia, todas as contradições são possíveis".
-" Agora posso estar mais relaxado, daqui a pouco posso me entupir de tensões. A vida não é previsível. Meus dramas, minhas queixas e meus sintomas não deveriam ser patologizados – mesmo porque não existe vida isenta de alguma dor. A dor de viver – de modo geral – existe como uma invenção para uma dor maior. Nesse sentido, doer é uma criação poética". -
-"Está mais do que provado de que o prazer não dá conta de tudo. A vida seria um saco se fôssemos felizes o tempo todo. Doer faz parte. A questão é forma como nos fizeram enxergar a dor. Penso que já passou da hora de encararmos a vida real. A vida real é o lugar de todos os possíveis".
-" Não retire do outro as suas poesias. Não julgue a capacidade de invenção de cada um para as suas questões. O drama é singular: cada um sabe a dor e a delicia de ser o que é. A vida perderia completamente o seu sentido se ficasse reduzida a uma coisa só".
Evaristo Magalhães – Psicanalista
TRINCHEIRA: Grato, Evaristo, e concordo com a sua análise, pois faço poesia 24 horas. Antes duvidava de minha capacidade e o Zélio ao descobrir nos seus alfarrábios o meu livro "Divinas Marias", chamou-me de poeta. Acreditei nele. Larguei o futebol, onde vivi 60 anos como comentarista esportivo e conheci metade do mundo em quatro copas que cobri, fui dedicar-me a escrever. 
Os primeiros livros de pequenos contos e textos livres. Depois, poemas - nunca os chamei de poesia, por falta de métrica e rimas. Entre no mundo dos romances, mas voltei às poesias de métricas simples e rimas caducas.Cheguei a 20 livros e mais alguns no prelo. Me sinto bem melhor. 
Estou feliz. Ziraldo me citou no seu último livro "O aspite. Há um jeito pra tudo", como uma das glórias de Caratinga, ao lado de Miriam Leitão, Aguinaldo Timóteo, João Etienne, sem citar Ruy Castro com quem anda aos tropeços. Ou seu irmão Zélio. Parabéns pelo texto.

sexta-feira, 27 de abril de 2018

CRUZEIRO NO SUL, CONTRA INTER;GALO NO HORTO ENFRENTA TIMÃO E COELHO NA SEGUNDA RECEBE O VITÓRIA


GOLEADA DE 7 A 0 FAZ CRUZEIRO RESPIRAR NA LIBERTADORES

Com gols de Thiago Neves, Sassá, Rafinha, Sobis e Arrascaeta, o Cruzeiro assumiu a vice-liderança do Grupo 5, se recuperou na Libertadores e ainda fez as pazes com a torcida

Vamos entender da seguinte forma:  o Cruzeiro impôs sua força no Mineirão e sacudiu a Universidad de Chile com a espetacular goleada por 7 a 0. As más línguas querem destacar que o adversário teve dois jogadores expulsos. Então foi um jogo de 11 contra 9. Nada disso: o Cruzeiro fez 3 a 0 no primeiro tempo e La U estava completinha.
A partir daí, ela abriu a caixa de ferramentas, distribuiu pancada à vontade e teve dois expulsos. Fazer o que?

Em noite iluminada, a equipe garantiu a maior vitória da atual edição da Libertadores, além de ter cumprido a meta de elevar o saldo de gols e assumir a vice-liderança do Grupo 5, com cinco pontos. Thiago Neves e Sassá foram os principais marcadores, com dois gols cada, e Rafinha, Sobis e Arrascaeta finalizaram o baile.

VASCO SEGURA RACING EM SÃO JANUÁRIO
Com menos um jogador a menos, a partir dos 12m do segundo tempo, quando perdia por 1 a 0, o Vasco se agigantou diante do Racing de Buenos Aires, líder do Grupo 5, e arrancou o empate quase no final. Este resultado manteve o time carioca vivo na Libertadores, com dois pontos ganhos e alguma chance ainda de classificação, dependendo do resultado que terá no próximo compromisso contra o Cruzeiro.
O Racing tem 9 pontos, enquanto Cruzeiro está com 5, em segundo lugar por causa do saldo de gols. Esta é a mesma pontuação da La Universidade, enquanto o Vasco tem dois pontos.


BRIGA DE CACHORROS GRANDES ACABA COM REUNIÃO DO CONSELHO CELESTE SEM  APROVAR  DO BALANÇO DE 2017

Uma discussão acalorada entre o presidente do Conselho Deliberativo do Cruzeiro, Zezé Perrella, e o ex-presidente do clube, Gilvan de Pinho Tavares, marcou a reunião dos membros do Conselho na noite desta quarta-feira, no Salão Nobre do Parque Esportivo do Barro Preto.

Houve versões diferentes a respeito do balanço financeiro referente a 2017. Enquanto Perrella defendeu o adiamento da votação, o que acabou sendo confirmado, Gilvan queria a imediata apreciação por considerar que houve tempo hábil para a divulgação dos números aos conselheiros.

Na saída do local da Assembleia, Zezé Perrella atribuiu o adiamento da deliberação ao fato de os conselheiros não terem tomado conhecimento sobre as demonstrações financeiras do Cruzeiro. 

"A votação foi suspensa cumprindo um pré-requisito legal. Os conselheiros têm de receber o balanço no mínimo com 15 dias de antecedência, e isso não foi feito. A diretoria não entregou esse balanço em tempo hábil em função da auditoria que contrataram".

De acordo com o presidente do Conselho, o balanço financeiro pode ser divulgado mesmo que não tenha passado pelo consentimento dos conselheiros. Por conta do prazo apertado e o risco de sofrer sanções, como o afastamento do presidente em exercício Wagner Pires de Sá, o clube publicará sua contabilidade até sexta-feira em jornais de grande circulação do estado.


Depois da entrevista de Perrella, Gilvan Tavares foi procurado pela Imprensa  e contradisse a versão de seu antecessor na presidência do Cruzeiro. O ex-dirigente garantiu que o documento com todas as movimentações financeiras do clube foi disponibilizado para distribuição ao Conselho no dia 3 de abril. Ele ainda acusou o Senador da República de nem sequer comparecer à sede para tratar de assuntos de interesse do órgão fiscalizador da agremiação.

"A responsabilidade de passar o balanço aos conselheiros com antecedência era dele, presidente do Conselho Deliberativo. O balanço estava pronto desde o dia 3 de abril, foi aprovado pelo Conselho Fiscal no dia 10 e entregue à presidência do Conselho.

Sabe por que ele não distribuiu o documento aos conselheiros? Porque ele não vem aqui, ele mora em Brasília, ele terceirizou o trabalho e deixou na mão de quem não sabe nada".

Conforme o relato de Gilvan Tavares,  Zezé passaria a maior parte de seu tempo em Brasília e seria representado no Barro Preto por funcionário particular denominado Rogerinho.
"Ele colocou funcionário dele do Senado, O tal de Rogerinho, para tomar conta do cargo para o qual ele foi eleito no Conselho. O Perrella nunca veio aqui, hoje foi a primeira vez, e ainda veio conversar fiado dizendo que não teve tempo para votar o balanço".

O balanço das contas da gestão de Gilvan de Pinho Tavares apontou um superávit de R$ 30 milhões em 2017. Zezé Perrella atribuiu o lucro no ano passado a um suposto adiantamento de R$ 96 milhões em receitas referentes a direitos de transmissão de TV.

 "Houve um superávit de R$ 30 milhões porque o Cruzeiro antecipou R$ 100 milhões", declarou Perrella. "Sim, foi cota de TV. Se houve antecipação de R$ 96 milhões, e teve superávit de R$ 30 milhões, o Cruzeiro gastou mais de R$ 60 milhões da antecipação. Se essa antecipação não tivesse sido feita, teria dado um prejuízo de R$ 60 milhões".

No entanto, Gilvan de Pinho Tavares voltou a dar versão diferente, assegurando uma antecipação de 'apenas' R$ 9 milhões.

"Mentira dele (sobre antecipação de R$ 100 milhões). Está no balanço. O que foi antecipado foram R$ 9 milhões de cota de pay-per-view, porque o Cruzeiro teve boa administração na minha gestão, foi o quinto clube que mais vendeu pay-per-view.

Só isso foi antecipado, R$ 9 milhões, só isso. O Cruzeiro não tinha superávit há cinco anos. E não ganhava título. Só na minha gestão o Cruzeiro tem dois Brasileiros, uma Copa do Brasil, e todo torcedor ficou feliz de ver que eu investi no time e não vendi todo mundo, como Zezé fez. Quando assumi o Cruzeiro, sucedendo-o,  Zezé deixou o time sem  jogador:  ele vendeu todo mundo.".

FIFA BANE DEL NERO DO FUTEBOL

O presidente suspenso da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo Del Nero, foi banido do futebol pelo comitê de ética da FIFA por ter recebido propina, anunciou a federação internacional de futebol nesta sexta-feira

A FIFA informou que Del Nero foi investigado devido a envolvimento em "esquemas nos quais ele recebeu propina por seu papel na concessão de contratos a empresas pelos direitos de mídia e de marketing de vários campeonatos de futebol".

Del Nero, ex-membro do comitê executivo da FIFA, está entre os 42 dirigentes de futebol e executivos de marketing esportivo indiciados nos Estados Unidos em 2015 em escândalo de corrupção que provocou a maior crise da história da FIFA.
Del Nero nega qualquer irregularidade.


Carol Portaluppi anuncia fim de namoro pelas redes sociais

Filha de Renato Gaúcho e musa do Grêmio, a estudante havia reatado com Pedro Ortega em março e comunicou o fim do relacionamento pelas redes sociais

Carol Portaluppi está solteira novamente. A filha do treinador Renato Gaúcho comunicou aos seguidores do Instagram que terminou o namoro com Pedro Ortega, no último fim de semana.
Sem dar muitos detalhes, Carol explicou o fim da relação no sábado:
"Gente, eu achei que não fosse precisar vir aqui explicar mas como as coisas tomam caminho que eu não esperava, gostaria de dizer que estou solteira sim e estou bem, obrigada a todos que se preocupam, um beijo cheio de amor para vocês".

ESTA TROCA FOI DEMAIS: ANDRÉ RAMALHO NÃO A ESQUECE JAMAIS
Ao trocar o Bayer Leverkusen pelo Red Bull Salzburg-AUS, em fevereiro deste ano, André Ramalho mal poderia imaginar que viveria os melhores momentos de sua carreira. Além de voltar a jogar com frequência, ele ajudou o time austríaco a chegar às semifinais da Europa League contra o Olympique de Marselha.
O primeiro duelo entre as equipes, que foi realizado no estádio Vélodrome, na França, teve transmissão da ESPN Brasil e WatchESPN, nesta quinta-feira, às 15h45 (de Brasília).

"É muito difícil chegar a uma semifinal da Liga Europa e eu vi times como Napoli, Milan, RB Leipzig, Borussia Dortmund e Lazio caírem em fases anteriores. Não basta só ter um bom time, é muito mais do que isso. disse
O brasileiro espera  confronto difícil contra o Olympique de Marselha. As equipes se enfrentaram na fase de grupos com uma vitória do Red Bul Salzburg-AUS (1 a 0) na Áustria e um empate (0 a 0) na França.
Para chegar até aqui, o Red Bull Salzburg-AUS eliminou Real Sociedad-ESP, Borussia Dortmund e Lazio. Contra os italianos, aliás, o time austríaco obteve virada impressionante. Após perder por 4 a 2 no estádio Olímpico de Roma, a equipe austríaca perdia por 1 a 0, mas conseguiu fazer 4 a 1 e se classificar às semifinais.
Aos 26 anos, André Ramalho precisou superar dispensas na base do São Paulo e do Palmeiras e passou pelo São Bento antes de chegar ao Red Bull Brasil. Aos 18 anos, foi para a Áustria e jogou por FC Liefering e USK Anif antes de jogar pelo Red Bull Salzburg, no qual  conquistou duas vezes a Liga Austríaca (2014 e 2015) e a Copa da Áustria (2014 e 2015).

MINH'ALMA PEDE SOCORRO

Corre, corre, atenta e rápida
Ó Minh'alma ora cansada, ora lépida
Vá por caminhos de espinhos,
pedregulhos;  estrada perigosa.
Seja  feito o esquilo , seja ligeira
à procura da paz derradeira.

Ou voa por entre serras, picos,
montanhas e rios ferozes.
Com olhos de águia voraz ,
vasculha florestas devastadas
e as matas virgens preservadas.
Caça o alimento contumaz
que sane esta  fome de amor.

Amor que corrói e, sem andor,
 é carregado à força pelo sangue afora.
Agarra-o como águia, de garras afiadas,
Não o solte, pra que não vá embora

Minh'Alma, talvez,
Em vez da águia queira uma chalana
que flutue sobre águas bravias,
volumosas, crescidas na tempestade.
Faz correntes fortes, insinuosas.
Mas a intrépida a chalana vai,
cheia de fé e esperança
de quem a vê resoluta  passar.
Vence os estreitos, e absoluta
passa na foz do violento rio
E pousa na tranquilidade do mar

Esta é a minha sina, presa à Alma
que nada mais ao corpo ensina
só o desanima.
Prosta-o  quase sem vontade,
de lutar, brigar, amar e procurar
remédio pra minha Personalidade,
ao Espírito interligada
Minha parte a Deus ligada.


quinta-feira, 26 de abril de 2018

PRECISO ACABAR COM ESTA SAUDADE



QUE SAUDADE DA MINHA SABIÁ
(Flávio Anselmo : 26/4/18)

Oi, Sabiá das Figueiras do Rio Doce
Existe fato interessante nesta relação
que  matamos carnalmente,
pela falta de devoção.
E que pode ser, em espírito, reencarnada.
Poder, pode, mas seria bem aventurada?

Não sinto saudade sua ao deitar-me,
 pois a NetFlix é boa companheira.
Nem me sento sob a soleira
do quarto, solitário e triste
à espera do almoço que você preparou
especialmente para mim e para você

 Como saudade, também, não existe
Na espera do  lanche à tarde.
Pois  sem qualquer alarde,
só quero mesmo vê-la passar
naquela blusa branca, em decote
Para contigo nela sonhar
com a cama estreita, sob ripas fracotes
que rincham aos nossos fricotes
de amor bem vivido, sem desabar.


Do almoço sinto falta, pois é o seu forte
Que tempero, que sabor, que santa mesa!
 Sua comida vem no ponto certo,
Ponto perfeito que inebria o consorte.
Se estava, ainda, meio sonolento - desperto!

Você é mais que perfeita no assunto,
Porém não me pegou apenas pela boca
Tem a bela alma,que faz em desassunto
o que os maus buscam chamar louca

Há  um certo momento no dia
no qual você chega e me enche de alegria
Por isso dele tenho saudade imensa.
Começa quando por volta das 18h
ao entrar no banheiro pro banho diário.
Sinto que você entra comigo, intensa.
Como sempre foi aí:

Vê eu tirar bermuda, camisa polo e fazer xixi.
Não tira os olhos de mim, vigia pra eu não cair
Entra no boxe para ligar o chuveiro
 temperar a água pra quente, como gosto
com o tira e põe da mão direita.
 O sentimento é tão real que quase choro.

Já no Box, deixo a porta de correr aberta,
pressinto fora, a tomar conta de mim.
No local do xampu e do sabonete,
é que você pega e me entrega.
Não me deixa fazer movimento brusco,
 com receio que eu caia.
Aqui no meu sonho acordado,
seguro firme o corrimão e lhe estendo os pés;
Primeiro o direito. (Na realidade, agacho tremendo
e passo sabonete nos pés e entre os dedos;
não fique bem lavado, esqueço das plantas dos pés).


 Para lavar o cabelo, uso xampu receita da  doutora
que cuida de acabar com as brotoejas das costas feridas,
Não me lembro bem como era aí:
se você é quem  lavava e enxugava minha cabeça.
Agora, nesta minha realidade sou o titular da limpeza.
Ao  fechar olhos, você entra no sonho e me lava os cabelos.
Termina o banho, você está em pé fora do boxe,
Para  me passar a toalha e  me olhar enxugando.

Então me vem o remorso, do que eu devia ter feito.
Puxar você para dentro do Box.
 Debaixo do chuveiro tirar-lhe toda roupa,
e enquanto passo-lhe com vagar o sabonete,
 beijo-lhe as costas, a nuca, os seios
e quase morro de tesão, debaixo do chuveiro.

Por esse episódio, lembro-me que, ainda, a amo
que apesar de estar  bloqueado por você,
consigo falar e senti-la aqui comigo.
Vai ser assim, enquanto durar a minha vida.
Creio que seja vingança dos tempos de adolescentes
 quando você ficava p. comigo por não lhe dar atenção,
ao passar por mim, de short e com as belas pernas de fora.

Ou talvez esteja bloqueado-me por ordem do filho médico
que determinou que você me esqueça de vez.
Ou então porque apareceu alguém melhor, talvez,
para ocupar o meu sonhado lugar.
Lamentável Sabiá!. Estou saudoso, realmente. Beijos