segunda-feira, 7 de maio de 2018

MARATONA DO GALO, GOELA LARGA DE MANO

MARATONA DO GALO É ASSUSTADORA:  14 JOGOS EM  49 DIAS.

Este é o quadro de atividades do Atlético, cujo início deu-se em 1º de abril e se estenderá por este mês de maio numa maratona de jogos decisivos, que permite a pergunta óbvia: reclamar porque? Seria melhor, então, estar fora desta série seguida de confrontos importantes e estar encostado em calendários pífios, com jogos apenas semanais contra adversários sem expressão ?

 

O Galo terá feito 14 partidas, por quatro competições diferentes (média de um jogo a cada três dias), a partir da decisão do Estadual contra o  Cruzeiro; dois torneios mata-mata que definem sua participação no calendário do segundo semestre, que terá as Copas do Brasil e Sul-Americana; além do Campeonato Brasileiro.

De novo, pergunto: " se for pra reclamar, o melhor seria a opção de não gastar dinheiro e tornar-se time sem aspiração?"


O Galo empatou com o São Paulo por 2 a 2, sábado à noite, no Morumbi. Desembarcou domingo, às 12h, em Belo Horizonte, e iniciou nesta segunda à tarde, na Cidade do Galo, a preparação pra enfrentar o argentino San Lorenzo terça-feira, às 21h45, no Independência, jogo de volta da Copa Sul-Americana. Tá bom ou tá ruim, senhores? Acham que a Massa gostaria de outro destino?

 

Como perdeu por 1 a 0 no Nuevo Gasômetro, em Buenos Aires, o Atlético precisa vencer por dois ou mais gols pra evitar a eliminação logo na primeira fase. Se acha o calendário pesado, difícil e oneroso, é só entregar esta partida e ser eliminado do torneio. Para continuar tem que pensar grande, como sempre grande foi o Galo. A começar tem que se preocupar, também, com o gol qualificado:  se levar um do San Lorenzo aqui terá que marcar três.
 

Nenhum jogador reclamou de desgaste depois da partida contra o São Paulo. Apenas Otero, que estava com febre, foi substituído no fim do primeiro tempo.

Afirma o técnico Tiago Larghi: "A princípio, a gente segue com o melhor do nosso grupo, sem desânimo, e à procura de preservar a parte física:  este é o quarto jogo em 10 dias. É condição difícil de atingir alta performance. Vamos ver a condição dos jogadores para entrar com o melhor que puder no jogo".


Segundo Larghi, o trabalho integrado entre comissão técnica e departamento médico tem sido determinante pra que o Atlético vença a maratona da melhor forma. "A gente tem trabalho integrado com a fisiologia. Eles nos passaram que os jogadores estavam bem , antes de viajar. Depois , que estavam melhores do que no intervalo de quinta para quarta da semana passada. Percebi isso, a equipe rendeu bem no segundo tempo do jogo no Morumbi".

O treinador ressaltou que não vai priorizar competições neste momento. O Atlético disputa o torneio continental, o Brasileiro e a Copa do Brasil. Pela Série A, o próximo adversário é o Atlético Furacão, domingo. Pelo mata-mata, o Galo tenta vencer a Chapecoense, na semana que vem, já que empatou sem gols na partida de ida das oitavas de final.

PRÓXIMAS PARTIDAS

 

Terça           San Lorenzo (casa)        Sul-Americana
Domingo      Atlético-PR (fora)           Brasileiro
16/5            Chapecoense (fora)        Copa do Brasil
19/5            Cruzeiro (casa)              Brasileiro
26/5            Flamengo (casa)            Brasileiro
30/5            Sport (fora)                  Brasileiro

 

MAIOR ADVERSÁRIO DO GALO É O DESGASTE

 

Após o empate por 2 a 2 com o São Paulo, sábado passado, no Morumbi, pelo Campeonato Brasileiro, o Atlético tem uma decisão pela frente na Copa Sul-Americana. O treinador Thiago Larghi se preocupa com possível desgaste do time atleticano, mas projeta força máxima na partida.


Apesar da sequência de jogos, Larghi acredita que os jogadores tiveram bom desempenho físico no jogo contra o São Paulo.
Para assegurar a classificação na Sul-Americana, Thiago Larghi espera intensidade do Atlético em campo. Ainda sem saber se poderá como todos os jogadores, como Otero, que atuou doente contra o São Paulo, o comandante ressalta a necessidade da postura ofensiva do time. 

EL CICLÓN CHEGA CHEIO DE GÁS

 

O San Lorenzo desembarcou em Confins domingo à noite. Por causa da vantagem na disputa com o Galo no mata-mata, pois venceu o jogo de ida por 1 a 0, o Ciclón chega a Beagá embalado, também, e cheio de gás,  pela vitória sobre o Belgrano, no Campeonato Argentino, e pela vaga antecipada na Copa Libertadores de 2019. 


Com o triunfo por 2 a 0 sobre o Belgrano, na última sexta-feira, e o empate do Independiente diante do Gimnasia La Plata, o San Lorenzo não perde mais a vaga no G-4 do Campeonato Argentino a uma rodada do fim. Desta forma, a equipe avançou diretamente para a fase de grupos da próxima Copa Libertadores.  É a terceira colocada do campeonato, com 50 pontos. O Boca Juniors, com 56, é o líder e precisa de apenas um ponto pra conquistar o título nacional.  

O técnico do San Lorenzo, Claudio Biaggio, trouxe 20 jogadores, mas não poderá contar com o zagueiro Matías Caruzzo, lesionado,e tem o retorno do jovem meia Cristian Barrios.  O time do Papa Francisco treinou nesta segunda feira na Toca da Raposa II.

Entre os relacionados veio o veterano Leandro Romagnoli, de 37 anos, e com  duas passagens,  está no clube há 16 anos. Foi campeão da Mercosul (2001), da  Sul-Americana (2002) e da Libertadores (2014). "Pipi Romagnoli", como é apelidado o camisa 10,  tem contrato até junho e pode estar nos seus últimos momentos de San Lorenzo e da carreira.

Contra o Belgrano, ele entrou em campo aos 41 minutos do segundo tempo e foi aplaudido de pé pela torcida, já que esse foi o último jogo em casa do time na competição nacional.  Romagnoli afirmou: 
"Estou no final da minha carreira. Vou analisar isso quando o campeonato terminar, mas é muito provável que tenha sido o meu último jogo ".  O meio-campista é considerado o mais vitorioso jogador da história do San Lorenzo. 

MANO DE GOELA LARGA

 

Esta semana será de liberdade para Mano Menezes 'ambiciona' títulos do Brasileiro, da Copa do Brasil e da Libertadores. O time só volta a jogar domingo, 13, às 11h da manhã contra o Sport do Recife no Mineirão.

 

Tricampeão da Copa Libertadores, penta do Campeonato Brasileiro, hexa da Copa do Brasil. Depois de conquistar o Campeonato Mineiro, essas são as ambições do Cruzeiro no resto da temporada. 

Mas será possível brigar em todas as frentes?  O técnico Mano Menezes vê grande potencial no material humano disponível na Toca da Raposa II.

 

"Pensar, todo mundo pensa (em ganhar tudo). Ambicionar, todo mundo ambiciona. Estávamos praticamente fora da Libertadores, até tive que discutir porque a imprensa queria só falar de nossa eliminação".

 

O técnico deixou claro que há "condições duras" para o Cruzeiro seguir vivo nas três competições até o final do ano. Uma delas é evitar recaídas como a vivida no começo da Libertadores (uma derrota e dois empates no turno do Grupo 5) e no início do Brasileirão (derrotas para Grêmio e Fluminense).

 

Por enquanto, o Cruzeiro está sim em condições de administrar as três competições de peso do ano. No Brasileirão, a diferença para os líderes foi reduzida e pode cair mais com uma vitória, domingo, às 11h, no Mineirão, sobre o Sport.

 

Copa do Brasil começa para o Cruzeiro nas oitavas de final. O primeiro duelo com o Atlético Paranaense será em 16 de maio, na Arena da Baixada, em Curitiba. A volta, no Mineirão,

no distante 16 de julho, dia seguinte à final da Copa da Rússia.

 

Já na Libertadores, as duas vitórias sobre Universidad de Chile (7 a 0) e Vasco (4 a 0) deixaram o time virtualmente classificado às oitavas de final, com oito pontos. Um triunfo sobre o Racing, no dia 22, em BH, garantirá inclusive a ponta do Grupo 5.

CRUZEIRO APARECE ENTRE OS TIMES QUE MAIS PONTUARAM NO BRASILEIRO

 

 

Cruzeiro superou a marca de 2 mil pontos na história do Campeonato Brasileiro ao vencer o Botafogo por 1 a 0, neste domingo, no Mineirão, pela quarta rodada da edição de 2018.

 

Antes da partida, o tetracampeão nacional (1966, 2003, 2013 e 2014) contabilizava 1.998 pontos. Com a vitória, passou a totalizar 2.001. 

Dessa soma, 945 (47,2%) foram obtidos na "era dos pontos corridos" (2003-2018).

Em 594 jogos, a Raposa venceu 273, empatou 126 e perdeu 195, com 918 gols a favor e 740 contra.

 

Presente em todas as edições realizadas entre 1971 e 2018, o Cruzeiro também disputou o Torneio Roberto Gomes Pedrosa (1967), a Taça de Prata (1968, 1969 e 1970) e a Taça Brasil (1960, 1961, 1962, 1966, 1967 e 1968).

 

Em 2010, a Confederação Brasileira de Futebol unificou essas competições ao Campeonato Brasileiro. São consideradas, portanto, 58 participações na elite nacional.

 

São Paulo é o outro clube com mais de 2 mil pontos no Brasileiro. Hexacampeão (1977, 1986, 1991, 2006, 2007 e 2008), o Tricolor atingiu o 2.029º ponto com o empate por 2 a 2 diante do Atlético, nesse sábado, no Morumbi.

 

Baseado nos arquivos da Revista Placar e do jornal Estado de Minas, e nos dados dos sites Bola na Área e Futebol 80, o levantamento feito pelo Superesportes engloba os diferentes critérios de pontuação ao longo de quase seis décadas de existência do Nacional.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.