terça-feira, 31 de julho de 2018

PÉS FRIOS DO CRUZEIRO ATOLAM O TIME EM TODAS AS COMPETIÇÕES


DÊEM  AS MÃOS AO CRUZEIRO DO MANO PARA ELE NÃO CAIR MAIS NO BRASILEIRO. NESTA QUARTA PEGA O SANTOS, NA VILA FAMOSA, PELA COPA DO BRASIL.


Não foi uma queda na classificação geral do Brasileiro que o Cruzeiro sofreu com a derrota (2 a 0) para o São Paulo, no Mineirão: também perdeu posto importante no ranking de times que mais venceram na Série A. Antes do compromisso mineiros e paulistas estavam empatados com 622 vitórias. Agora, o time do Morumbi tem 623 triunfos na história.

O Cruzeiro não usou os dois armadores que tem como titulares na derrota para o São Paulo pelo Campeonato Brasileiro. Thiago Neves e Robinho foram preservados e, de acordo com Mano Menezes voltam contra o Santos, nesta quarta-feira, às 19h30, pelas quartas de final da Copa do Brasil.  

"Certamente sim (estarão à disposição na quarta-feira). Robinho sentiu desconforto muscular. Não é lesão, mas certamente se transformaria em uma se ele tivesse jogado contra o São Paulo. Agora que ele retoma uma condição normal, é bem provável que fique à disposição para quarta-feira. O Thiago não saiu por questões de lesão, saiu porque era hora de ele sair",
afirmou Mano Menezes.

O jogo entre Santos e Cruzeiro abre as quartas de final da Copa do Brasil. O duelo será disputado na quarta, às 19h30, na Vila Belmiro. A volta está marcada para o dia 15 de agosto, às 19h30, no Mineirão.

PARA AONDE CAMINHAMOS?...

O título poderia encerrar-se com ponto de interrogação, como se o articulista, em dúvida, quisesse saber várias outras opiniões.
Ou em três pontinhos:  significa que tem a resposta da questão, numa demonstração de onisciência, somente admitida no Poder Supremo.

Admito que a segunda hipótese, entretanto, permite divagações face aos acontecimentos que explodem em manchetes diárias. E nas especulações e ilações de pessoas sem consciência e meio pancadas, sofridas por amor mal curado.

De uma coisa todos temos certeza e nem precisamos de forças divinas pra estabelecer a verdade desses fatos: o mundo caminha pra autodestruição coletiva e, per si, na autodestruição individual dessas pessoais inconsequentes, cheias de ódio e sem respeito ao amor. Este tipo de humanidade está podre, incrédula, egoísta, vampiresca e suja.

Sodoma e Gomorra são paraísos extintos perto do que apuramos, assistimos (sem nenhuma indignação) nos noticiários das tevês.

A arte imita a vida, hoje a vida imita a arte. O faz-de-conta das novelas globais (83% de audiência nacional) são folhetins escaneados da vida comum.

De tal forma assustadora a realidade que nós, amantes, pais e avós, em vez do descanso merecido da aposentadoria e do amor escondido, desdobramos-nos numa vigilância espiritual e material pra cuidar dos jovens, nossos descendentes, desacostumados e das mulheres vampirescas pela correria do tempo de hoje, a proteger sagrados princípios que a humanidade já nem releva mais.

Meu mano Fábio Paceli, de Brasília, é incansável em descobrir lições de vida. Mandou-me esta frase da filósofa russo-americana Ayn Rand ( judia, fugitiva da revolução russa, e que chegou aos Estados Unidos na metade da década de 1920).  

Mostra visão com conhecimento de causa:

"Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada;
quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores;
quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho; 
que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você;
quando perceber que a corrupção é recompensada e a honestidade se converte em auto-sacrifício;
então poderá afirmar, sem temor de errar:
"a nossa sociedade está condenada".

VOCÊ GOSTARIA QUE KALIL VOLTASSE À PRESIDÊNCIA DO ATLÉTICO?

Nas redes sociais, o torcedor do Atlético brinca e pede o retorno de Alexandre Kalil à presidência do clube.
O atual prefeito de Belo Horizonte levou o time a grandes conquistas, como a Copa Libertadores, em 2013, e a Copa do Brasil, em 2014.
Mas o ex-dirigente não tem vontade de voltar a comandar o Alvinegro. É o que ele revela em entrevista ao Estado de Minas.

Kalil afirmou que não tem mais vigor físico para comandar clube de futebol. Além disso, diz que não é responsável pela crise financeira vivida pelo clube e comentou sobre a situação da Arena MRV, que terá que passar por suas mãos antes da aprovação na Câmara Municipal de Belo Horizonte.

Você voltaria a ser presidente do Atlético no futuro?

Vou responder de jeito diferente. Eu criei e formei três filhos. Eles trabalham, têm família, têm mulheres. Voltar ao Atlético seria como colocar meus  filhos hoje no meu colinho para brincar de bola. Isso passou.
Não tenho condição e nem idade de ser presidente do Atlético. Não tenho mais 48 anos, quando queria brigar com a mesa. Estou chegando aos 60. O presidente necessita de vigor físico, não intelectual.
Eu peguei o Atlético, refiz o clube e entreguei para o sucessor. Não tenho a menor pretensão de mandar no Atlético. Se eu quisesse mandar lá, sentava meu filho lá e ele ganhava a eleição.

A prefeitura não tem coração, só o prefeito. O que Atlético, Cruzeiro e América quiserem aqui, terão. Agora, eu voltar a ser presidente do Atlético, nem se meu pai descer do céu e me pedir. Eu seria fracasso como presidente, fracasso físico e mental. Mas eu sempre tive às ordens quando os dois últimos presidentes se sentaram aqui para perguntar algo, pegar conhecimento.

Quem senta na cadeira para ser mandado por alguém é idiota. Quem é criticado é sempre o presidente. Minha volta ao Atlético seria como trocar fralda do meu filho que é médico. Ele nem aceitaria.

Qual missão é mais fácil: ser presidente do Atlético ou prefeito de BH?
É mais fácil ser prefeito, porque eu não dependo do pé esquerdo do Victor. Tenho orçamento a cumprir, ajudar os outros, trabalhar, melhorar a cidade. Se eu fizer tudo certo, acho que no fim tudo dará certo. No Atlético, foi diferente: fizemos tudo certo e, no fim, o pé esquerdo do Victor teve de me salvar.

A relação do prefeito com o Atlético hoje é a mesma de quando estava lá dentro?

No jogo contra o Grêmio, eu desliguei a televisão, porque fiquei puto. Futebol é espetacular. Quando tem prefeito babaca falando merda, você desliga a televisão. Mas se esse babaca que fala merda for presidente de Cruzeiro, Atlético e América, você escuta até o fim. Futebol é isso. Quem muda o canal quando fala o dirigente do Atlético?

O belo-horizontino tira o canal e pensa: "Que prefeito nojento. É melhor ver desenho animado do que esse bosta falar". Eu aprendi a apanhar, ganhei coro, fui bombardeado por todos vocês. Na política, eles não sabem. Foi uma das melhores coisas que trouxe do futebol.

O presidente Sérgio Sette Câmara, atualmente, tenta resolver questões financeiras de mandatos anteriores. Você se considera, de alguma forma, um dos responsáveis por essa situação?

Não. Se eu tivesse recebido o dinheiro do Bernard, deixaria o Atlético com R$ 80 milhões em caixa. Tive problema com o André, quando o empresário prometeu comprar e pulou do barco. Sabe qual jogador da Libertadores que eu comprei? Tardelli e o Leandro Donizete. O Victor eu troquei pelo Werley, metade, mais uma quantia em dinheiro. Leonardo Silva, Réver, Júnior César, Ronaldinho e Jô vieram de graça.

O Tardelli queria voltar e eu paguei pouco. Quando saí, limpei 200 títulos, não teve nenhum protestado e não tinha nenhuma ação trabalhista. Teve cinco balanços depois que eu saí. Deixei uma folha e meia atrasada. Mas não comprei jogador. Fui na FIFA para buscar 2,5 milhões de euros do Klebinho, que eu ganhei do Nacional da Ilha da Madeira. Só tinha a meu favor.

O Atlético foi entregue saneado, com um mês e meio atrasado. O presidente que entrou não teve que trocar nenhum aval. Em 2013 e 2014, fomos uma máquina de ganhar dinheiro. Equacionei as dívidas do Ricardo Guimarães, não comprei jogador com dólar. Nem considero erro, porque o futebol hoje é assim.

Na minha época, o Jô estava sendo mandado embora do Inter. Ele ganhava R$ 400 mil e eu ofereci R$ 200 mil. Eram assim os negócios. É claro que eu liguei para o Cuca e ele autorizou.

De que forma você se envolve nos trâmites da construção do estádio do Atlético?

O projeto do estádio não é meu, nasceu na administração do Daniel Nepomuceno, está sendo tocado. Fui lá como conselheiro e votei, mas não tenho nenhum envolvimento com o estádio. Meu papel é levar o projeto até a Câmara, como o projeto do hospital, do prédios, etc. Se tiver dentro da lei, será feito.

Sua relação com a imprensa está mais tranquila?

Vocês acreditam que eu nunca deixei inimigo vindo da imprensa? Você nunca viu eu ligando para redator, para editor, para dono de jornal para reclamar de jornalista. Eu falava com ele mesmo. "O que você fez é mentira, você faz sacanagem, etc..".
Pode perguntar na Cidade do Galo se eu liguei para chefe de jornalista. Falei com ele próprio e proibia de entrar no CT. Quando você respeita o trabalho e tem embate direto, a relação é tranquila. Você vai ficar puto se eu ligar para seu chefe. Já o bate-boca pode ser resolvido no outro dia.
O meu estilo não permite ter inimigo na imprensa. O presidente do Atlético tem o poder de não querer falar com jornal A ou B. Já o político diz que não quer falar e recebe logo a resposta. "É  favor que você me faz. Ninguém quer ouvir merda mesmo". Se o presidente de clube fala para um e não fala para outro, é desastre completo.".
TRINCHEIRA:  Kalil deixou a presidência emburrado comigo. Tanto que combinou com a sua Assessoria de Imprensa de comparecer ao hospital para visitar-me, onde eu estava entre a vida e a morte, e estou à sua espera até hoje. Mas não nos tornamos inimigos, pelo contrário: votei nele e fiz campanha aqui para ele.







segunda-feira, 23 de julho de 2018

PRESIDENTE DO GALO XINGA CBF DE LIXO


PRESIDENTE DO GALO ESCULHAMBA ÁRBITRO E CBF APÓS DERROTA DIANTE DO PALMEIRAS.


Outra burrice que o futebol brasileiro não abre mão é xingar arbitragem depois da derrota, sem olhar para o próprio umbigo. Foi o que fez o presidente do Atlético, Sérgio Sette Câmara. Tornou pública sua indignação como torcedor comum, com a atuação do árbitro Péricles Bassols Cortez (PE) na derrota alvinegra por 3 a 2 para o Palmeiras, no Allianz Parque, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.
Que o árbitro foi mal na partida é uma verdade indiscutível. Porém, pior do que ele foram os erros individuais, como o de Juninho, no primeiro gol; ou de Victor que saiu da meta apressadamente, incalculadamente, desconhecendo o que o goleiro com seu talento não pode ignorar: a bola era mais de Bruno Henrique e com a sua saída mal calculada, Victor deixaria o arco vazio e entregue.  
Sobre as falhas de Juninho no primeiro gol e de Victor, no terceiro, o cartola alvinegro ficou calado, mesmo com o seu time permitindo o empate palmeirense, aos 49 minutos do segundo tempo num erro conjunto da defesa e do goleiro.

"Vagabundo, ladrão e mal intencionado! Essa CBF é um lixo! Fora com essa 'Comissão de Arbitragem' pelo bem do futebol brasileiro!",
publicou o presidente no Twitter.

Sete Câmara, presidente do Galo, xingou a CBF de lixo

Além de Sérgio Sette Câmara,(foto) o técnico Thiago Larghi e jogadores como Elias e Ricardo Oliveira também criticaram a arbitragem.

"
É uma vergonha, não é, cara? São dois jogos seguidos fora de casa e dois jogos em que a gente está sendo assaltado, ao pé da letra. Hoje, uma falta aqui no meio-campo, ia ser dois contra um. Ele marcou a falta. Saiu o gol (do Palmeiras) depois, não justifica. Mas era um lance que poderia gerar gol. Está difícil. A arbitragem brasileira está passando por um momento ruim, negativo. Muita coisa tem que ser vista. Acho que os clubes têm que se unir para colocar logo essa merda desse VAR para ver se melhora alguma coisa", disse Elias.

Durante entrevista coletiva, o técnico Thiago Larghi classificou a falta que originou o gol de Bruno Henrique no final do jogo de 'duvidosa' e disse que o critério de Bassols 'mudou nos 10 minutos finais'. O Atlético volta a campo nesta quarta-feira, a partir das 21h. O duelo, válido pela 15ª rodada da Série A, será contra o Paraná, no Independência.


LEANDRINHO, NOVO REFORÇO DO GALO, JÁ ESTÁ PRONTO PARA JOGAR.

Comprado por cerca de R$ 2 milhões pelo Napoli, Leandrinho teve dificuldades para se adaptar na Itália. Inicialmente, jogou pelo time Sub-19 e só foi integrado aos profissionais na temporada passada – não chegou a entrar em campo com o técnico Maurizio Sarri. No entanto, a experiência foi enriquecedora para o jogador.

SANTOS DEMITE JAIR VENTURA



C0NSIDERADO uma das gratas revelações do futebol brasileiro como técnico, Jair  Ventura, filho de Jairzinho, Furacão da Copa de 70, foi demitido do Santos, que não respeitou o rapaz, após dois anos de trabalho profícuo na Vila Belmiro. Futebol brasileiro não tem jeito: não muda mesmo esta cultura absurda de mandar o treinador embora após três jogos sem vitória.



LEANDRINHO, NOVO REFORÇO DO GALO, JÁ ESTÁ PRONTO PARA JOGAR.


Reforço do Galo: Terans.








Chará, outro reforço do Galo, jogou contra o Palmeiras, marcou gol e foi aprovado pela Massa.



LEANDRINHO, NOVO REFORÇO DO GALO, JÁ ESTÁ PRONTO PARA JOGAR.(foto)

Comprado por cerca de R$ 2 milhões pelo Napoli, Leandrinho teve dificuldades para se adaptar na Itália. Inicialmente, jogou pelo time Sub-19 e só foi integrado aos profissionais na temporada passada – não chegou a entrar em campo com o técnico Maurizio Sarri. No entanto, a experiência foi enriquecedora para o jogador.

"Pode ter sido pela idade, mas passei por período importante na Itália. Passei um ano e meio trabalhando com os profissionais. A convivência foi uma experiência que muitos atletas não tem. Vou levar na minha carreira. Foi um ano de muito aprendizado".

O desafio agora é conseguir espaço em um grande clube como o Atlético. "É um desafio grande chegar num grande clube. Por serem garotos novos, jovens, estão todos preparados para assumir responsabilidade. Tem que assumir responsabilidade e mostrar bom futebol para a torcida, que é apaixonada e não deixa de apoiar".
Servidores protestam contra parcelamento de salário em Minas
Grupo de servidores do estado protesta nesta segunda-feira pedindo o fim do parcelamento dos salários, implantado pela administração estadual. O grupo fechou
completamente o trânsito na Praça 7, no Centro da capital.

Em protesto, eles colocaram fogo em caixão, simbolizando o governador Fernando Pimentel (PT) e gritam palavras de ordem contra a administração dele, além de pedir sua saída. O protesto é unificado e conta com funcionários civis e militares e, segundo os organizadores, reuniu cerca de 600 pessoas

Os servidores gritam "Pimentel, ladrão" e pedem a saída do governador. O protesto que começou no Ipsemg, interdita o cruzamento mais famoso da cidade, com avenidas Afonso Pena e Amazonas. O Sind-UTE não participa do ato.

Manifestantes protestam que os descontos relativos à previdência pelo Ipsemg e o IPSM e saúde não estão sendo repassados pelo estado. "Estamos ficando sem atendimento médico e odontológico", afirma a servidora Antonieta de Cássia Faria, de 60 anos, 40 deles no Ipsemg.

Ela reforça que o movimento não tem qualquer conotação política. Isso porque parlamentares da oposição ocuparam o microfone. O deputado estadual Sargento Rodrigues e o deputado federal subtenente Gonzaga discursam no carro de som.

Manifestantes afirmam que houve a tentativa de boicotar o movimento, com a retenção do carro de som, que chegou na Praça mais de uma hora depois do início do movimento, por volta das 14h30.

O parcelamento dos salários começou em fevereiro de 2016. O governo de Minas alegou queda na arrecadação e dificuldades em caixa para justificar a medida, feita após a decretação de calamidade financeira.

O fechamento do trânsito no cruzamento das Avenidas Amazonas e Afonso Pena, causou reflexo em toda a área central. De acordo com a BHTrans, o trânsito foi fechado por volta de 14h45, quando os manifestantes tomaram os dois sentidos.

O trânsito na Avenida Afonso Pena está interditado em todas as pistas nos dois sentidos. A Avenida Amazonas está liberada somente no sentido Praça da Estação - Praça Raul Soares.
CRUZEIRO DEIXA DE SER TERCEIRO

O Internacional tirou o Cruzeiro do terceiro lugar na classificação geral, com 24, e assumiu aquela vaga, com 26 após derrotar o Ceará na segunda-feira por 1 a 0, em Porto Alegre. Isso não quer dizer nada, caso o time comandado por Mano Menezes (foto)  consiga vencer o Corinthians amanhã, 25, em São Paulo. Chegaria a 29 pontos e dependeria dos demais resultados para saber onde ficar.


A guerra entre Flamengo, São Paulo,Cruzeiro, Atlético, Internacional,  Palmeiras e Grêmio pelos lugares no G-4, caminho certo para vaga na Libertadores, está apenas numa de suas batalhas. De fora do bloco, o campeão brasileiro Corinthians não deve, também, ser desprezado, a começar pelo encontro que os azuis terão, em São Paulo, nesta quinta-feira contra o Timão.

sexta-feira, 20 de julho de 2018

CUIDADO ADVERSÁRIOS, ARRASCAETA ESTÁ SOLTO DE NOVO

CRUZEIRO RETOMA CAMINHADA A TEMPO DE FAZER BOM SEGUNDO TEMPO E VENCER MAIS UMA VEZ O COELHO

Que o time estava em dívida com a torcida, ninguém discute e que no clássico de quinta-feira correu sério risco de continuar no vermelho com a China Azul; o primeiro tempo foi quase total do América, exceto pelos minutos finais quando o Cruzeiro reagiu e esteve perto do empate, pois perdia de 1 a 0, golaço do meio-campista Christian, que se aproveitou da única falha do zagueiro Dedé desde que voltou a jogar, após a contusão séria.

No segundo tempo, entretanto, os azuis fizeram a melhor apresentação deles este ano, puxados pelo talento de Arrascaeta, de volta da Copa do Mundo com a Seleção Uruguaia, e de Thiago Neves ocupando sua real posição de meia armador criativo.

O argentino Barcos estreou com a camisa 9, porém passou em branco, mas abriu espaços, movimentou-se muito e deu outra personalidade ao ataque cruzeirense.

O América abriu o placar aos 32 minutos, num golaço de Christian, mas o liso e esperto Arrascaeta, três minutos depois, empatou; ou seja, a Raposa não deu nem tempo do Coelho piscar para a Coelha.

Ainda salvou o imenso prestígio do zagueirão Dedé junto à torcida, porque falhara no lance do gol americano.

O segundo tempo foi todo azul: o Cruzeiro marcou dois gols e teve oportunidades de outros. Robinho, grata surpresa da partida, pois vinha só de jogos ruins, se superou. Marcou 2 a 1 aos 14m e o Cruzeiro estabeleceu 3 a 1 aos 19m com Raniel, que entrara no lugar de Barcos.

As mexidas de Mano Menezes que prometeu fazer rodízio na equipe, surtiram efeito: gostei de Ariel Cabral no meio-campo, mas não joga a próxima pois levou o terceiro amarelo.

Também Henrique não enfrenta o Atlético Furacão por causa dos três amarelos.

Barcos não teve chance de gol, porém aproximou bastante o ataque e Robinho foi destaque.

TRINCHEIRA: Após a 13ª rodada, o Atlético, apesar da derrota para o Grêmio (2 a 0) continua entre os quatro, em terceiro lugar. Perdeu a vice-liderança para o São Paulo (26 pontos) e ganha do Grêmio também com os mesmos 23 pontos do Galo pelo número de vitórias: 7 a 6. O Flamengo é o líder, ainda, com 27 pontos. Cruzeiro subiu para o 6º lugar com 21 pontos; e o América agora é o primeiro fora do buraco negro, com 14 pontos.

 

JOGOS DO FINAL DE SEMANA

 

No domingo, 22, o Cruzeiro volta a enfrentar o Atlético Furacão, agora pelo Brasileiro, no Mineirão, às 19h; o Atlético tem uma parada torta. Já está em São Paulo, para onde foi direto de Porto Alegre, para jogar contra o Palmeiras e o América irá à Curitiba, debaixo da friagem intolerável do Sul do País enfrentar o Paraná, penúltimo colocado.


FILHA BONDOSA, MÃE CARINHOSA E MULHER ASSOMBROSA


A viagem foi em clima
de suspense, sem sonoridade,
sem rima ou métrica,
solta  sem estética.
isolado, pedia claridade
ônibus escuro, cortinas fechadas
Cansava-lhe a Alma - Penada.
Saíra de casa sob pressão
no peito, muita ilusão,
queria paz, nada de escuridão,
Paz sumida sob a autocomiseração
da ansiedade que o aprisionou
no leito hospitalar quase um ano.
Até entrar no ônibus e se isolar
dos avisos vazios: "só vai se matar"
Foi embora assim mesmo,
era o desejado, estudado, realizado.
Não iria atrás de aventura,
Nem incentivado por mentira pura
Como lhe falaram em casa.
Desfez a acusação de aventureira
feita à Jane, pois à maneira
dela, irradia amor e bondade.
Boa filha, mãe carinhosa
e mulher assombrosa.



















































FIM DA UNIDADE SONHADA

FIM DA UNIDADE (15-1-14) Somos duas partes - corpo e alma. Corpo de mim. Alma de ti. O corpo dolente, entregue, mortal e infecundo. A Alma viva, iluminada e difusa. Luz do sol. Imortal. Querente e bondosa. O corpo incapaz de tudo. A alma de tudo capaz. De repente, o mundo dispara Não se Inverte a ordem geral: o corpo mantém-se em comoções. Olhar suplicante, se contorce. Ferido de morte, endurece Já nem sente saudade. A Alma, falsa, explode em caridade. Finge sentir emoções que transcendem. que saem de sim e voam, independem. O corpo jaz no chão, inerte, vencido A Alma está de pé, vencedora não acata pedido de piedade, clemência e sente-se imbatível Abomina tudo que é natural, quer comandar o Juízo Celestial
do inferno ver fogo crispado. ouvir grito entalado, amor negado, mesmo para o corpo abatido. Está exausta, nem sabia: se ela era uma Alma de pé, ou se era corpo vencido. E ainda menos aceitava, Pois despreparada, ser vítima da rasteira odiosa que o Destino lhe preparava. Rasteira final, impiedosa. Para o fim à unidade sonhada.
Flávio GeraldoTenor GIF Keyboard
Visualizado por Glaucia Campos às Quarta 17:55


quinta-feira, 19 de julho de 2018

GALO ESTREOU MAL COM TIME REMENDADO SEM SEIS TITULARES

O time de desfalcado e desarrumado do Atlético, após a saída de vários titulares - negociados, suspensos ou lesionados - substituídos pelos recém contratados depois da Copa do Mundo não mostrou nada de positivo contra o Grêmio, lá em Porto Alegre, e foi derrotado por 2 a 0.

No primeiro gol, cabeçada do zagueiro Bressan, do primeiro pau, na cobrança de escanteio, aos 6m, o outro zagueiro gremista Geromel partiu numa desenfreada carreira da entrada da área e pulou em cima de Victor, atirando o goleiro atleticano para o fundo das redes. Na cabeçada de Bressan, naquele instante, a bola passou entre os braços de Victor, e árbitro paulista nada marcou apesar da visível falta de Geromel em Victor.

Aos 13m André,  também de cabeça, em outro lance irregular, pois a falta a favor do Grêmio foi cobrada sem autorização e por isso a defesa atleticana ficou parada até o cruzamento de Léo Moura. Ambos os gols aconteceram no segundo tempo. Na primeira fase a partida foi bem equilibrada e de baixa qualidade técnica. Tanto que os times chutaram, cada um deles, apenas uma vez à meta adversária.

O Galo perdeu um dos estreantes logo no primeiro tempo: 8o atacante Edinho, que veio do Ceará. Após chutar a gol, por cima da trave, completamente sem direção, Edinho caiu pra trás, com as mãos na coxa direita e deixou o gramado aos 30m substituído por outro estreante, o atacante Denílson, corredor, mas desentrosado e deixou Ricardo Oliveira isolado na frente. O confronto mudou totalmente na fase final.

Com maior posse de bola, porém trocando passes pelos lados e no meio-campo, os gaúchos resolveram avançar sobre a defesa Torino, da Itália; o setor onde o Grêmio mais mandava era o meio-campo, onde, também, o Galo mudara mais.

Sem Adilson, Gustavo Blanco, ambos contundidos; Casares, negociado; e Roger Guedes, também vendido; o técnico Thiago Larghi colocou Elias, José Welison, Luan e Chará: na frente, Edinho e Ricardo Oliveira. Nada funcionou.

Após levar o gol,. o técnico atleticano tentou mudar a equipe com troca de jogadores: colocou Tomás Andrade no lugar de Luan; Denílson  já havia entrado na vaga de Edinho, lesionado; e Chará saiu para outro estreante entrar, o argentino Terans. As substituições não deram certo. O Galo levou o segundo gol aos 13m, numa cabeçada de André, escorando uma falta cobrada por Cícero para Léo Moura que  rapidamente fez o cruzamento para André marcar. Grêmio, 2 a 0

Aos 27m, Fabio Santos puxou a camisa de André, dentro da área, e o árbitro do fundo de campo alertou o árbitro central, o paulista Flávio Rodrigues de Souza que marcou o pênalti. Luan cobrou, Victor foi na bola, mas ela bateu na trave e foi chutada para frente pela defesa do Galo. Daí pra frente nada mais de interessante aconteceu...

GERSON NO GALO

Com a chegada de reforços, como o meia Pastore e o ponta Justin Kluivert, a Roma deve emprestar alguns jogadores do setor ofensivo. O nome mais cotado para sair é o de Gerson, ex-Fluminense. A Roma estuda propostas pelo jovem atleta, de 21 anos, entre elas a do Atlético, como adiantou o jornalista italiano Gianluca Di Marzzio.

Helanio Cezar de Assis Guimarães 

 

O brasileiro ainda não aprendeu a perder no futebol ! O nosso time jogou com raça,  vontade, determinação! Jogo, como o nome diz, é disputa de só um vencedor, porém quando não se vence, vêm as cobranças, as críticas etc!

 

Nestes casos, deveremos ter consciência em julgar!

 

Erros foram cometidos, mas fazem parte do jogo:  Tite na última partida demorou a mexer na equipe. Nossos jogadores não conseguiram concretizar o objetivo que era vencer. Não devemos agora, culpar ninguém, tampouco denegrir a imagem dos atletas. Principalmente do Neymar que com sacrifício pós operatório, tentou dar o máximo e se falhou algumas vezes, tentou acertar.

 

Portanto, acho que devemos perdoar e continuar torcendo com maturidade. Entender que no jogo, ora se ganha e ora se perde!

 

TRINCHEIRA: Helânio é  filho de Tio João Guimarães e Tia Mundica, esta irmã de minha Mãe, dona Geralda. Helânio jogou comigo, excelente ponta-esquerda, no juvenil do EC Caratinga. Vencemos muito, né Primo?


Carlos Felipe Horta

 

BADERNA ANUNCIADA - Do mesmo modo como alguns já começaram a dizer que o Brasil entregou a bola na Rússia, outros já vão aventar a hipótese de que tudo foi combinado para distrair os brasileiros com a atenção geral ligada no fracasso no futebol.

 

Com esta bagunça que virou o País em todos os sentidos, alguém vai se lembrar da morte previamente anunciada?

 

 Claro que não! A partir de agora, tudo vai girar em torno de juízes, desembargadores, advogados malandros e ministros do STF e, pelo jeito, nem mesmo os árbitros de vídeo vão resolver a questão.

 

E quando se chega a isso, é importante lembrar a frase famosa "Aprés moi, le deluge".

 

TRINCHEIRA: Falar o quê do jornalista e intelectual Carlos Felipe? Só posso afirmar que tive a honra de trabalhar com ele vários anos na Rádio Guarani e no Estado de Minas. E de admirá-lo sempre como amigo, intelectual, musicista e, principalmente,  colega.

 


segunda-feira, 16 de julho de 2018

FRANÇA É BICAMPEÃ MUNDIAL COM TIME PRONTO PARA O TRI EM CATAR

COPA DO MUNDO FICOU EM BOAS MÃOS: FRANÇA FOI CAMPEÃ COM MÉRITOS POR BRILHAR MAIS QUE A VALENTE CROÁCIA

Desgastada  por três jogos nos quais precisou de prorrogação e pênaltis para se classificar, a Croácia enfrentou a França na decisão da Copa do Mundo da Rússia, na base da garra, valentia e coração, porém mesmo assim não suportou até o apito final no tempo regulamentar do árbitro argentino Nestor Pitana.

Arrastou-se em campo e acabou goleada por 4 a 2, numa partida espetacular, cheia de lances maravilhosos, coletivos e individuais, homologada com o carimbo de "digna decisão de uma copa do mundo".

Antes de falar mais sobre outros aspectos do jogão,  abro espaço para o texto do jornalista Carlos Felipe Horta, destacando  UMA FELIZ COINCIDÊNCIA".
Diga aí, meu camarada:

-" Parece incrível, mas nenhum dos nossos transmissores de partidas de futebol se lembrou de  detalhe simples, porém importante. A França ganhou, merecidamente, diante do valente e taticamente forte time da Croácia um dia depois de sua data mais importante: o 14 de Juillet.
-"Data em que o povo francês atacou e derrubou a Bastilha, símbolo do autoritarismo e do péssimo regime nacional da época, em 1789. O 14 de julho é a data nacional da França".
"A vitória em Moscou tem muito a ver com o que aconteceu, na França e no mundo a partir de então, pois ali nasceu a Revolução Francesa, inspiradora de ideias e ações que transformaram o pensamento e a própria História Universal".
"Agora duas curiosidades históricas. O Hino Nacional da Croácia teve sua letra criada pelo poeta Anton Mihanovic, em 1836; e a melodia composta por Josip Runjamin, em 1861, num pequeno período em que o país foi independente, ao se libertar do domínio dos Habsburgos.
"Em 1868, perderia esta liberdade, passando a integrar ao Império Austro-Húngaro. Em 1972, quando integrava a Federação Iugoslava, adotou o hino, o mantendo após sua separação em 1991".

-" Já o Hino Nacional da França foi composto por Rouget de L'Tsle, integrante de regimento originário de Marselha – daí o nome Marselhesa- que fazia parte do Exército do Reno durante as guerras travadas contra os países que combatiam a Revolução Francesa".
" Seu estilo forte fez com que se tornasse o Hino Nacional da França e uma espécie de Hino Universal em prol da liberdade, como as comunas de 1840 e de 1870.
"Uma curiosidade a mais é que, logo após a Revolução Bolchevista de 1917, durante dois anos, a Marselhesa, com a mesma melodia e uma letra apropriada, foi o Hino dos Bolchevistas, sendo posteriormente substituída pelo Hino das Repúblicas Socialistas Soviéticas."
-" Bem que isso poderia ter sido aproveitado pelos nossos narradores esportivos", escreveu Carlos Felipe Horta.

TRINCHEIRA: Mesmo com  baixa média de gols, mesmo rotulada de Copa das Bolas Paradas, pois a maioria de seus gols saíram de lances cujas origens foram em faltas, escanteios, pênaltis, com poucos gols em bolas trabalhadas, este Mundial  da Rússia destacou o jogo coletivo de Seleções como a Bélgica, terceira colocada; a Croácia, vice-campeã, e a Inglaterra, quarta colocada.
FRANÇA SUPERIOR
Claro que o maior destaque é com a campeã França, que além do coletivo, mostrou valores individuais a nível dos maiores da história do futebol internacional. Destaque para Lorris, capitão da Seleção e que falhou infantilmente no segundo gol da Croácia;
Outros destaques: Pogba, Mbappé, talvez seja escolhido o melhor jogador do torneio, Pavard e Griesmann, fantástico camisa 10. Giroud, o camisa 9, destacou-se que nem Gabriel de Jesus: passou a Copa toda sem marcar uma
única vez,.
Croácia teve o coletivo destacado, bem como sua raça, garra e determinação que aplicou nos jogos. Seus valores individuais foram Rakitic, Rebic, Mandzunic, Vida, o goleiro Subasic, que pegou quatro pênaltis e o meia e capitão da equipe, o sensacional Modric.
O inédito vice-campeonato conquistado valeu festa na Croácia, Pais pequeno e jovem. Passou pela fase de grupo com três vitórias ( 2 x 0, na Nigéria; 3 a 0, na Argentina;  e 2 a 1, na Islândia), nas quartas de final venceu a Rússia por 4 a 3 nos penais, depois de 2 a 2 no tempo normal e 0 a 0, na prorrogação. Na semifinal, derrotou a Dinamarca também, nos Penais, 3 a 2, com 1 a 1 no tempo normal.
MBAPPÉ É ESCOLHIDO REVELAÇÃO DA COPA E MODRIC, DA CROÁCIA, FICA COM O PRÊMIO DE MELHOR JOGADOR
Pelé voltou a usar o Twitter para parabenizar o atacante Kylian Mbappé, eleito a revelação da Copa do Mundo da Rússia. Neste domingo, em Moscou, o atleta de 19 anos do Paris Saint-Germain marcou o último gol da França na vitória por 4 a 2 sobre a Croácia, na decisão do torneio.
"O segundo adolescente a marcar um gol em uma final de Copa do Mundo. Bem-vindo ao clube, Kylian – é ótimo ter a sua companhia!", comentou Pelé, por meio da rede social.
Um dos destaques da Copa, Mbappé anotou o seu gol aos 19 minutos do segundo tempo, com um chute rasteiro de fora da área. O goleiro Subasic nem sequer estivou o braço para tentar fazer a defesa.
Pelé era ainda mais jovem do que Mbappé quando foi campeão mundial pela primeira vez. Na decisão da Copa de 1958, o brasileiro anotou dois gols na vitória por 5 a 2 sobre a anfitriã Suécia.
Por causa dos seus feitos na Rússia, Mbappé já havia sido intitulado como "o herdeiro" de Pelé pela revista francesa France Football.
O companheiro de Neymar no PSG marcou dois gols e comandou a França no triunfo por 4 a 3 sobre a Argentina, nas oitavas de final, ocasião em que foi exaltado pelo Rei do Futebol pela primeira vez.

E Tite, deve ficar na Seleção até a próxima Copa, no Catar? Eu penso que sim, nada de trocar treinador.