quinta-feira, 19 de julho de 2018

GALO ESTREOU MAL COM TIME REMENDADO SEM SEIS TITULARES

O time de desfalcado e desarrumado do Atlético, após a saída de vários titulares - negociados, suspensos ou lesionados - substituídos pelos recém contratados depois da Copa do Mundo não mostrou nada de positivo contra o Grêmio, lá em Porto Alegre, e foi derrotado por 2 a 0.

No primeiro gol, cabeçada do zagueiro Bressan, do primeiro pau, na cobrança de escanteio, aos 6m, o outro zagueiro gremista Geromel partiu numa desenfreada carreira da entrada da área e pulou em cima de Victor, atirando o goleiro atleticano para o fundo das redes. Na cabeçada de Bressan, naquele instante, a bola passou entre os braços de Victor, e árbitro paulista nada marcou apesar da visível falta de Geromel em Victor.

Aos 13m André,  também de cabeça, em outro lance irregular, pois a falta a favor do Grêmio foi cobrada sem autorização e por isso a defesa atleticana ficou parada até o cruzamento de Léo Moura. Ambos os gols aconteceram no segundo tempo. Na primeira fase a partida foi bem equilibrada e de baixa qualidade técnica. Tanto que os times chutaram, cada um deles, apenas uma vez à meta adversária.

O Galo perdeu um dos estreantes logo no primeiro tempo: 8o atacante Edinho, que veio do Ceará. Após chutar a gol, por cima da trave, completamente sem direção, Edinho caiu pra trás, com as mãos na coxa direita e deixou o gramado aos 30m substituído por outro estreante, o atacante Denílson, corredor, mas desentrosado e deixou Ricardo Oliveira isolado na frente. O confronto mudou totalmente na fase final.

Com maior posse de bola, porém trocando passes pelos lados e no meio-campo, os gaúchos resolveram avançar sobre a defesa Torino, da Itália; o setor onde o Grêmio mais mandava era o meio-campo, onde, também, o Galo mudara mais.

Sem Adilson, Gustavo Blanco, ambos contundidos; Casares, negociado; e Roger Guedes, também vendido; o técnico Thiago Larghi colocou Elias, José Welison, Luan e Chará: na frente, Edinho e Ricardo Oliveira. Nada funcionou.

Após levar o gol,. o técnico atleticano tentou mudar a equipe com troca de jogadores: colocou Tomás Andrade no lugar de Luan; Denílson  já havia entrado na vaga de Edinho, lesionado; e Chará saiu para outro estreante entrar, o argentino Terans. As substituições não deram certo. O Galo levou o segundo gol aos 13m, numa cabeçada de André, escorando uma falta cobrada por Cícero para Léo Moura que  rapidamente fez o cruzamento para André marcar. Grêmio, 2 a 0

Aos 27m, Fabio Santos puxou a camisa de André, dentro da área, e o árbitro do fundo de campo alertou o árbitro central, o paulista Flávio Rodrigues de Souza que marcou o pênalti. Luan cobrou, Victor foi na bola, mas ela bateu na trave e foi chutada para frente pela defesa do Galo. Daí pra frente nada mais de interessante aconteceu...

GERSON NO GALO

Com a chegada de reforços, como o meia Pastore e o ponta Justin Kluivert, a Roma deve emprestar alguns jogadores do setor ofensivo. O nome mais cotado para sair é o de Gerson, ex-Fluminense. A Roma estuda propostas pelo jovem atleta, de 21 anos, entre elas a do Atlético, como adiantou o jornalista italiano Gianluca Di Marzzio.

Helanio Cezar de Assis Guimarães 

 

O brasileiro ainda não aprendeu a perder no futebol ! O nosso time jogou com raça,  vontade, determinação! Jogo, como o nome diz, é disputa de só um vencedor, porém quando não se vence, vêm as cobranças, as críticas etc!

 

Nestes casos, deveremos ter consciência em julgar!

 

Erros foram cometidos, mas fazem parte do jogo:  Tite na última partida demorou a mexer na equipe. Nossos jogadores não conseguiram concretizar o objetivo que era vencer. Não devemos agora, culpar ninguém, tampouco denegrir a imagem dos atletas. Principalmente do Neymar que com sacrifício pós operatório, tentou dar o máximo e se falhou algumas vezes, tentou acertar.

 

Portanto, acho que devemos perdoar e continuar torcendo com maturidade. Entender que no jogo, ora se ganha e ora se perde!

 

TRINCHEIRA: Helânio é  filho de Tio João Guimarães e Tia Mundica, esta irmã de minha Mãe, dona Geralda. Helânio jogou comigo, excelente ponta-esquerda, no juvenil do EC Caratinga. Vencemos muito, né Primo?


Carlos Felipe Horta

 

BADERNA ANUNCIADA - Do mesmo modo como alguns já começaram a dizer que o Brasil entregou a bola na Rússia, outros já vão aventar a hipótese de que tudo foi combinado para distrair os brasileiros com a atenção geral ligada no fracasso no futebol.

 

Com esta bagunça que virou o País em todos os sentidos, alguém vai se lembrar da morte previamente anunciada?

 

 Claro que não! A partir de agora, tudo vai girar em torno de juízes, desembargadores, advogados malandros e ministros do STF e, pelo jeito, nem mesmo os árbitros de vídeo vão resolver a questão.

 

E quando se chega a isso, é importante lembrar a frase famosa "Aprés moi, le deluge".

 

TRINCHEIRA: Falar o quê do jornalista e intelectual Carlos Felipe? Só posso afirmar que tive a honra de trabalhar com ele vários anos na Rádio Guarani e no Estado de Minas. E de admirá-lo sempre como amigo, intelectual, musicista e, principalmente,  colega.

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.