sábado, 18 de agosto de 2018

TALVEZ MINHAS CINZAS QUISESSEM BOIAR NO RIO CARATINGA

NÃO ME QUISERAM  AS CINZAS
( Flávio Anselmo - agosto/2018)

O que meus filhos sentiram
no período em que eu estava
no Coma induzido?
Os médicos informavam: o estado
do paciente é crítico: tinha 11 coágulos
e a hemorragia inchava o cérebro.
Seria preciso abrir de novo a cabeça.
Os meus filhos sofreram,
como eu sofreria
se contrário fosse: eu São e eles Doentes.
Eles me amam tanto quanto eu os amo.
Desconfiar  sequer, agora,
que seus sentimentos mudaram
após a minha quase recuperação,
quando abati as sequelas,
é sentimento ridículo.

Da mesma forma que respiro paz
e amor à minha recuperação;
eles, também, sentem-se aliviados.
Pedem paz aos seus espíritos.
Viveram o turbilhão de dor
ao me verem em pé ao lado do fim.
Hoje, alegres, gritam agradecimentos
por  minha recuperação;
por me verem salvo.
Saio do hospital e voei nas asas
da crença. Descubro no sofrimento,
a força da oração de terceiros
e o amor que salva os guerreiros.

Amor dos filhos, da Esposa, dos irmãos.
É o melhor remédio que existe:- Cura mesmo.
Além do quê, guia as mãos, a paciência,
os conhecimentos dos médicos, a ciência;
Esta equipe, apoiada no Amor de Deus,
de Cristo e da Mãe da Igreja, cuidou de mim
Não me deixou virar Cinzas
a serem espalhadas no Grande Jardim,
Jardim das Palmeiras Imperiais, em Caratinga.
Ou talvez, eu iria boiar de novo nas águas
barrentas do Rio Caratinga, lá na represinha.
Todavia, será que as cinzas avisariam
aos contumazes banhistas do local?
"Fechem a boca, amigos, que torpedos
descem o rio, vindos de Santa Rita,
 grossos e mal cheirosos. Isso irrita."
Então, sem as cinzas, sobraria Saudade.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.