quarta-feira, 26 de setembro de 2018

VERDE AMARELO. AZUL E COR DE ANIL, SÃO AS CORES DO BRASIL

QUAL DAS CORES DA BANDEIRA NACIONAL IRÁ BRILHAR MAIS NO MINEIRÃO ESTA NOITE: AZUL OU VERDE?

Sejam Azul, ou verde, as cores
de seus  olhos encantadores.
Sejam Azul, ou verde,
ou seja a suave  brisa
que o tempo ameniza.
ou como destruidor Furacão
que arrasa a terra e põe tudo no chão.
Seja o  bem, ou o mal, seja o que bem
 quiseres. Só espero que seja o Azul
do Céu e da camisa do Cruzeiro e que, também,
encha de alegria,  a ambiente Azul Anil
do Mineirão na Copa do Brasil.
O Verde das matas é lindo;
O dos olhos da amada encanta.
Mas o Verdão do Palmeiras remonta
à sujeira que se acumulava no chiqueiro
de cimento em Caratinga no nosso terreiro.

Com Lucas Lima, Palmeiras treina no CT do Coelho pra semifinal contra o Cruzeiro nesta quarta

O Palmeiras encerrou com um treinamento fechado na tarde desta terça-feira a sua preparação para a segunda semifinal da Copa do Brasil, contra o Cruzeiro. A atividade, realizada no CT do América-MG, não teve a presença dos jornalistas mais uma vez.
Sem Artur, que fraturou o braço,  e sem Papagaio e Gabriel Furtado, que foram integrados ao plantel sub-20 para a disputa da semifinal do Brasileirão da categoria, Felipão promoveu um trabalho tático com os atletas.
Uma novidade importante foi a presença de Lucas Lima. Substituído no primeiro tempo da partida contra o Sport por causa da pancada no quadril, ele acompanhou a delegação palmeirense e participou do trabalho com bola.

No retorno ao hotel, o meia, que vem sendo titular no Campeonato Brasileiro e opção nas partidas dos torneios mata-mata, como a Copa do Brasil, foi dos mais procurados por torcedores para fotos e autógrafos.

Além de Scarpa, que ainda se recupera de uma inflamação no tornozelo, Luiz Felipe Scolari não poderá contar com o zagueiro Gustavo Gómez - o paraguaio não foi inscrito na Copa do Brasil.
Depois de perder para o Cruzeiro no jogo de ida por 1 a 0, o Palmeiras terá de vencer por pelo menos dois gols de diferença para se classificar para a final da Copa do Brasil. Um triunfo alviverde por um gol de diferença leva a  decisão para as cobranças de pênaltis. O duelo será no Mineirão, em Belo Horizonte, às 21h45 (horário de Brasília).

Escalação provável: Weverton, Mayke, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique e Moisés; Willian, Dudu e Borja
Desfalques: Gustavo Scarpa (inflamação no calcanhar) e Gustavo Gómez (não inscrito na Copa do Brasil)

Arbitragem: Wagner do Nascimento Magalhães (Fifa-RJ) apita, auxiliado por Rodrigo Figueiredo Henrique Correa (Fifa-RJ) e Kleber Lucio Gil (Fifa-SC); Anderson Daronco (Fifa-RS) é o árbitro de vídeo
TIMES

Com Dedé e Léo, Cruzeiro só perdeu uma vez no Mineirão por dois gols. E foi  2013

Zagueiros formarão defesa da Raposa nesta quarta, contra o Palmeiras, pelas semifinais da Copa do Brasil; time mineiro só será eliminado no tempo normal se for derrotado por dois ou mais gols

Depois de vencer o Palmeiras por 1 a 0 em São Paulo na ida das semifinais da Copa do Brasil, o Cruzeiro entra em campo nesta quarta-feira, no jogo de volta, precisando apenas do empate para avançar à final.

Se depender do retrospecto de Dedé e Léo atuando juntos com a camisa celeste no Gigante da Pampulha, a classificação celeste está ainda mais encaminhada.

Desde que Dedé chegou à Toca, em 2013, ele e Léo – contratado em 2010 - formaram a dupla de zaga titular do Cruzeiro em 31 partidas no Mineirão, com 20 vitórias, seis empates e cinco derrotas.
Apenas um desses tropeços foi por dois gols de diferença, placar que eliminaria o time da Copa do Brasil ainda no tempo regulamentar nesta quarta: foi contra o São Paulo, por 2 a 0, na 15ª rodada do Campeonato Brasileiro deste ano.

As outras quatro derrotas de Dedé e Léo jogando juntos no miolo de zaga do Cruzeiro foram por um gol de diferença, o que levaria a decisão de quarta-feira para os pênaltis: 3 a 2 para o Atlético (Brasileiro de 2014); 1 a 0 para Grêmio (Brasileiro 2018) e Flamengo (Libertadores 2018); e 2 a 1 para o Santos (Copa do Brasil 2018).

Outro detalhe interessante é que a defesa do Cruzeiro passou ilesa em 14 dessas 31 partidas em que os dois atuaram juntos no Mineirão. Foram 24 gols sofridos no total.

Tabu contra o Palmeiras

O retrospecto dos dois contra o Palmeiras também é bom. Jogando juntos, nunca perderam para o Verdão. São três confrontos, com duas vitórias do Cruzeiro por 1 a 0 – uma em São Paulo, na ida das semifinais da Copa do Brasil, e uma no Mineirão – e um empate por 1 a 1.

HISTÓRIA DE MAURO XAMPU E DO GLORIOSO IBIS DO RECIFE

De Mauro para Xampu: ídolo do Íbis revela dura trajetória em carta.

 

Antes de ser Mauro Xampu, Mauro Teixeira pediu esmola, vendeu pastéis e viveu na rua, onde conviveu com violência; sonho de ser jogador e cortes de cabelo o fizeram sobreviver.

 

Por Mauro Xampu, com Camila Alves  Recife

 

- Esta é uma história verdadeira, escrita pelo personagem central, para a Jornalista Camila Alves e por ela transformada numa detalhada biografia do moço que sempre  sonhou de ser jogador de futebol. Ele era bom de bola, acreditem"

"- Destaque na Vila do Ipsep - bairro onde cresci, na zona sul do Recife, e moro até hoje. Mas nunca fui chamado para time bom de verdade.-

 " Quando te criei, Xampu, pensava que, em algum momento da vida, conseguiríamos realizar nosso sonho. Um sonho por mais de uma vez interrompido e que eu, Mauro Teixeira Thorpe, ainda não consigo entender o motivo"

-" Anos se passaram desde quando pensei nisso pela primeira vez, ainda criança. Faz tempo, eu sei... Mas converso contigo hoje pra te lembrar que, na história do futebol, tudo que a gente teve são derrotas. Mas seremos o único jogador que só perdeu e é feliz.

Antes de você existir, Xampu, eu era somente Mauro ou, no máximo, Mauro Teixeira, ainda na "Vila Pacotinho", onde morava com meus pais - Dona e Iracema e seu Adalto - e mais 14 irmãos. O nome do lugar, na verdade, era Vila do Ipsep, mas como não tinha saneamento básico, a gente precisava fazer as necessidades, colocar num pacote e jogar fora. Aí o jeito foi mudar de nome".

 

-"Muito antes de criar você, quando eu tinha ainda nove anos de idade, meu pai sofreu  acidente no trabalho e ficou cego. Se a situação já era difícil, depois disso ficou pior ainda. Foi quando comecei a me virar pra sobreviver. Cheguei a pedir esmola com ele, depois trabalhei como porteiro de ônibus e varri chão para os motoristas. Mas foi na beira da praia que me encontrei, quando deixei o Ipsep pra vender o pastel da minha mãe."

Antigamente, na década de 1970, a praia de Boa Viagem era bem larga, e eu andava com a bandeja entre as barracas da orla. Mas tinha que voltar com dinheiro pra casa porque, se faltasse, apanhava. Lembro que uma vez os pastéis caíram na areia e na hora bateu logo o desespero. Como é que eu ia dizer a ela que caiu? Então peguei tudo do chão, limpei e coloquei de volta pra vender. Tinha que dar meu jeito..."

 

-"Nessa época, parei de voltar pra casa. E dos dez aos 14 anos, virei menino de rua. Pela necessidade, sabe? Não queria perder tempo pegando ônibus, então eu via minha mãe uma vez na semana, quando ia deixar o dinheiro com ela. Ela se preocupava, mas acho que sempre tive uma cabeça boa. Perambulando pela praia, conheci um grupo de "maloqueiros" na praça de Boa Viagem."

-" Dormir? Era em barraca de coco, nas calçadas, comia resto de comida de restaurante e tomava conta de carro na rua. Forrava papelão em hotel, em frente a igreja ou no terraço das casas. E dormiam pelo menos uns oito meninos. A parte ruim é que sempre tinha gente que molhava o chão. Dona de casa, sabe? Pra gente não dormir."

 

Sei que você sempre se fez de festa, Xampu. Mas por muito tempo minha vida foi moldada por medo. Medo que mexessem comigo na rua e, principalmente, de nunca mais voltar de lá. Lembro de quando tomava conta de carro em troca de dinheiro e, certa vez, peguei no sono deitado no muro. O nome do restaurante nunca saiu da minha cabeça: Barril. Eu só queria uma gorjeta pelo trabalho, mas acordei sendo empurrado calçadão abaixo por uns meninos ricos. Eles saíram correndo, gritando, e eu permaneci em silêncio. Naquela hora, com meus 12 anos de idade, pensei que iria morrer. Até porque, saiba, essa sempre foi uma realidade presente na minha vida".

 

-"A verdade é que a vida na rua nunca foi fácil, Xampu, mas nela aprendi o ofício que, um dia, me levaria a você. Quando não jogava bola na beira da praia, engraxava sapato no calçadão de Boa Viagem. Foi quando conheci Maneco, o dono de uma loja que adorava futebol e me inscreveu como funcionário dele para o campeonato dos comerciários. Ao lado da loja dele tinha um salão, onde eu comecei fazendo faxina, até que um dia me chamaram para ser cabeleireiro".

 

Quando fui dizer na favela do Ipsep meu novo trabalho, logo ouvi: "Eita, vai ser bicha" Preconceito que sempre existiu, principalmente porque na época faltava informação e cabeleireiro só existia para mulher, enquanto homem trabalhava como barbeiro. Eu travei. Fiquei com esse trauma, com medo de seguir em frente. Mas graças à minha mãe, que se tornou meu maior incentivo, pude dar vida a você".

 

Com o tempo compramos um pente e uma tesoura, e começamos a cortar cabelo na favela. Fazia caminho de rato, porque nunca fiz curso de cabeleireiro, mas Batista - dono do salão - aos poucos nos ensinou. E pra fazer barba... Comprava bola de festa, enchia, ensaboava e tinha que tirar com a navalha. A cada estouro era um corte. Pow. Pow. Pow.

 

Mas a verdade é que a gente nunca conseguiu deixar aquele antigo sonho pra trás. Largar a vida de jogador nunca foi uma possibilidade na nossa cabeça, até hoje... Mesmo aos 61 anos, ainda batendo pelada nos bairros do Ibura, Jordão e Campina do Barreto. Você nasceu do pente com a tesoura, eu sei, mas com teu nome tentei fazer o nosso no futebol. Tinha tudo pra ser jogador, tenho certeza disso. Só que o destino foi triste com a gente".

 

-"Nos descobriram na beira da praia, quando jogava com os meninos na areia. Seu Jauber Carvalho, treinador da base do Náutico, chamou para fazer treinos - e o que seria um dia terminou se transformando em quatro anos. Chegava a treinar até com os profissionais e tinha o sonho, por mais simples que parecesse, de morar na concentração. Imagine só... Poder comer, dormir e treinar sem precisar se esconder do cobrador de ônibus no trajeto até os Aflitos."

 

-"Precisei tirar forças de dentro de mim pra não deixar você pra trás. O Mauro Teixeira reencontrou teu ânimo na década de 1980, no Santo Amaro de jogadores como Ricardo Rocha, Valtinho e Moacir. E isso foi um orgulho, porque mesmo sendo um time mais ou menos, foi a primeira - e única - vez que ganhamos salário com a bola, numa equipe que até se concentrava antes dos jogos. Chegamos inclusive muito perto de conquistar o único título que teríamos pra contar história, com o vice-campeonato brasileiro da Taça de Bronze, em 1981. Mas você sabe, o time era um saco de pancadas."

 

-"Por outro lado, nessa época já estava numa posição boa quando conheci minha esposa Márcia - Pente Fino, como eu chamo -, companheira há 40 anos. Eu atendia a domicílio, mas o que a gente queria mesmo era jogar bola e, pela distância, perdia muito tempo nos deslocamentos entre uma casa e outra. Até que um dia, um dos clientes me ofereceu a loja que era dono na avenida Conselheiro Aguiar, no bairro de Boa Viagem, zona sul do Recife. Comecei alugando, e há 10 anos terminamos de pagar, para conquistar nosso primeiro patrimônio. Com dificuldade, mas que temos pra chamar de nosso".

Salão de Mauro Xampu, localizado na galeria Praia Sul Shopping, na avenida Conselheiro Aguiar funciona até hoje .

-"Sei que nos prejudicou muito. Meus filhos tinham vergonha, eu tinha vergonha. Sempre que falava no Íbis, as crianças nos olhavam dos pés à cabeça pra dizer: "Oxe, isso é muito ruim". Machucou. Machucou muito, eu sei. Mas hoje me orgulho, porque sei da marca que a gente construiu. Falou do Íbis, Mauro Xampu é destaque. E se a marca deixou o sonho de jogador pra trás, ao menos alavancou nossa profissão de cabeleireiro. Por isso que sempre lhe digo, se temos que ser o pior, que seja o melhor do pior".

 

Eu tinha vergonha da nossa história!. Me escondia debaixo do lençol quando via conhecido passando pela calçada. Mas hoje sou feliz, como você. Porque és parte de mim, do mesmo jeito que sou parte de você. Talvez o estrelato não tenha vindo da forma que a gente imaginava, mas saiba que as pessoas lhe veem como símbolo. O Íbis se tornou nossa família e nos fez estrela. Conhecemos Jô Soares, Ana Maria Braga, Luciano Huck, Faustão, desembarcamos na França pra dar entrevista, ganhamos filme, boneco gigante e às vezes pergunto: "Quem eras tu, Xampu?"

terça-feira, 25 de setembro de 2018

AZUL OU VERDE, QUAL A COR BRILHARÁ MAIS ESTA NOITE NO MINEIRÃO?

QUAL DAS CORES DA BANDEIRA NACIONAL IRÁ BRILHAR MAIS NO MINEIRÃO ESTA NOITE: AZUL OU VERDE?

Sedes Azul, sedes verde, cores
de olhos encantadores.
Sedes  Azul, sedes verde,
ou sedes a suave  brisa
que o tempo ameniza.
ou violento e destruidor Furacão
que arrasa a terra e põe tudo no chão.
Sedes o  bem, ou o mal, sedes  o que bem
 quiseres. No entanto, só espero que sedes o Azul
do Céu e da camisa do Cruzeiro e que, também,
povoeis  de Alegria,  a ambiente Azul Anil
do Mineirão esta noite, na Copa do Brasil.
O Verde das matas é lindo, dos olhos da amada encanta.
Porém o Verde Verdão do Palmeiras remonta
a sujeira que se acumulava no chiqueiro
de cimento que tínhamos em nosso terreiro.

Com Lucas Lima, Palmeiras treina no CT do Coelho pra semifinal contra o Cruzeiro nesta quarta

O Palmeiras encerrou com um treinamento fechado na tarde desta terça-feira a sua preparação para a segunda semifinal da Copa do Brasil, contra o Cruzeiro. A atividade, realizada no CT do América-MG, não teve a presença dos jornalistas mais uma vez.
Sem Artur, que fraturou o braço,  e sem Papagaio e Gabriel Furtado, que foram integrados ao plantel sub-20 para a disputa da semifinal do Brasileirão da categoria, Felipão promoveu um trabalho tático com os atletas.
Uma novidade importante foi a presença de Lucas Lima. Substituído no primeiro tempo da partida contra o Sport por causa da pancada no quadril, ele acompanhou a delegação palmeirense e participou do trabalho com bola.

No retorno ao hotel, o meia, que vem sendo titular no Campeonato Brasileiro e opção nas partidas dos torneios mata-mata, como a Copa do Brasil, foi dos mais procurados por torcedores para fotos e autógrafos.

Além de Scarpa, que ainda se recupera de uma inflamação no tornozelo, Luiz Felipe Scolari não poderá contar com o zagueiro Gustavo Gómez - o paraguaio não foi inscrito na Copa do Brasil.
Depois de perder para o Cruzeiro no jogo de ida por 1 a 0, o Palmeiras terá de vencer por pelo menos dois gols de diferença para se classificar para a final da Copa do Brasil. Um triunfo alviverde por um gol de diferença leva a  decisão para as cobranças de pênaltis. O duelo será no Mineirão, em Belo Horizonte, às 21h45 (horário de Brasília).

Escalação provável: Weverton, Mayke, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique e Moisés; Willian, Dudu e Borja
Desfalques: Gustavo Scarpa (inflamação no calcanhar) e Gustavo Gómez (não inscrito na Copa do Brasil)

Arbitragem: Wagner do Nascimento Magalhães (Fifa-RJ) apita, auxiliado por Rodrigo Figueiredo Henrique Correa (Fifa-RJ) e Kleber Lucio Gil (Fifa-SC); Anderson Daronco (Fifa-RS) é o árbitro de vídeo
TIMES

Com Dedé e Léo, Cruzeiro só perdeu uma vez no Mineirão por dois gols. E foi  2013

Zagueiros formarão defesa da Raposa nesta quarta, contra o Palmeiras, pelas semifinais da Copa do Brasil; time mineiro só será eliminado no tempo normal se for derrotado por dois ou mais gols

Depois de vencer o Palmeiras por 1 a 0 em São Paulo na ida das semifinais da Copa do Brasil, o Cruzeiro entra em campo nesta quarta-feira, no jogo de volta, precisando apenas do empate para avançar à final.

Se depender do retrospecto de Dedé e Léo atuando juntos com a camisa celeste no Gigante da Pampulha, a classificação celeste está ainda mais encaminhada.

Desde que Dedé chegou à Toca, em 2013, ele e Léo – contratado em 2010 - formaram a dupla de zaga titular do Cruzeiro em 31 partidas no Mineirão, com 20 vitórias, seis empates e cinco derrotas.
Apenas um desses tropeços foi por dois gols de diferença, placar que eliminaria o time da Copa do Brasil ainda no tempo regulamentar nesta quarta: foi contra o São Paulo, por 2 a 0, na 15ª rodada do Campeonato Brasileiro deste ano.

As outras quatro derrotas de Dedé e Léo jogando juntos no miolo de zaga do Cruzeiro foram por um gol de diferença, o que levaria a decisão de quarta-feira para os pênaltis: 3 a 2 para o Atlético (Brasileiro de 2014); 1 a 0 para Grêmio (Brasileiro 2018) e Flamengo (Libertadores 2018); e 2 a 1 para o Santos (Copa do Brasil 2018).

Outro detalhe interessante é que a defesa do Cruzeiro passou ilesa em 14 dessas 31 partidas em que os dois atuaram juntos no Mineirão. Foram 24 gols sofridos no total.

Tabu contra o Palmeiras

O retrospecto dos dois contra o Palmeiras também é bom. Jogando juntos, nunca perderam para o Verdão. São três confrontos, com duas vitórias do Cruzeiro por 1 a 0 – uma em São Paulo, na ida das semifinais da Copa do Brasil, e uma no Mineirão – e um empate por 1 a 1.

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

COMO ´É DEPRESSÃO. COMO É TRISTEZA, CONTE AQUI NESTE BAR

NA MESA DO BAR, DEPRESSÃO. NO CORAÇÃO, TRISTEZA QUE FAZ AMAR
(Flávio Anselmo - 2018)

Sem confusão ou mistura,
Depressão é doença,
não como, por exemplo, como dizer:
"Você é um deprimido".
Pois não há termômetro que acuse,
ou exame de sangue que o comprove.
Já a tristeza é sentimento e uma qualidade.
"Sem tristeza não existe amor".
Como adjetivo: "Você é um triste."
A tristeza gera Amor, ou não há amor sem tristeza.
Depressão não faz parte do Amor, mas o destrói.
A Tristeza faz parte do Amor e o reconstrói.
Errado: "Eu sou a depressão".
Certo: "Bom dia, Tristeza.
Que bom, você veio hoje me ver,
Já  estava até meio estranho.
Eu, Alegria, ficar deprimido,
porque longe de você.
Se entra tristeza, se sente comigo,
Aqui nesta mesa de bar.
Cochiche, Amigo, para passar
de novo na minha cabeça,
as dicas de como Amar (fim).

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

VIREI PARA O CANTO E AGASALHEI OS MEUS AIS

 

IMITAÇÃO DE POETA

 

Sem rima e métrica, mas com emoção.

Sou este projeto de poeta,

que insiste em ver estrelas de dia,

e o sol à noite,  formas de emoção e paixão.

Um poeta que não canta, declama.

Que não encanta, derrama

e enxuga as mesmas lágrimas

choradas na falta de inspiração.

Fernando Pessoa exime de culpa o emergente poeta,

Enaltece os escrevinhadores noturnos,

Torna-os poetas noctívagos.

Santos espíritos que vagueiam pelas letras, soltos.

Que bom que seja assim,

Sinto-me redimido e liberado.

Posso vaguear na minha imaginação.

Navegar na minha isolada comoção.

Projeto de poeta, é assim que a noite me encontra;

meio sonolento, nem tanto acordado.

Exausto, talvez.

0 dia chato, eu desfiz.

Cansaço que entrava pelos ouvidos,

Amargava a boca e entupia o nariz.

Amparo-me na foto da mulher amada, e choro.

 

Choro dos solitários.

Como que, por encanto,a AMADA surge pra mim

No canto da tela do micro,

que nem havia ligado ainda,

mensagem virtual,  transportada

no silêncio da noite estrelada.

Ela sabia que eu a queria assim:

nua, cheirosa, quente e ansiosa.

Nem me lembra como virei pro canto.

Agasalhei os meus ais,

enquanto buscava o prazer dos amores temporais,

sem nem olhar mais a fotografia dela, sorridente,

nua, colorida, no canto da tela do computador.

Ela me bastaria de qualquer forma.

De pronto, aceita.

quando na busca do solitário êxtase,

que escorre feito branca lava incandescente

entre os dedos da trêmula mão direita..."

 

 

AGOSTO PASSOU E DEIXOU RASTRO DE FURACÃO

MÊS DO DESGOSTO ( texto em 28/07/06)

 

0h, minha Maria, quem diria!

Agosto veio em junho e

respaldou-se em julho,

com os estragos de sempre.

Agosto, mês do desgosto,

e a gente nem chegou lá

e os desgostos se acumulam,

em junho, em julho,

feito entulho que suja a alma,

que doe no peito

que deixa a gente desfeito,

caído, prostrado e desiludido.

É o susto do tombo da menina amada,

É o médico fajuto que nem a olha,

só atrás de seu custo.

Nem amizade, nem saudade,

nada o comove ou demove.

É o câncer que fecha o cerco,

cada vez mais próximo,

amigos e parentes mortos

pela pertinaz doença.

Mesmo cheio de crença,

fujo das epidemias de trombose,

infarto, extra-sístole ( o que é isso, Santa Maria?).

Cateterismo,  angioplastia, stent coronário

( não constam em nenhum dicionário) 

tornam-se verbetes do dia-a-dia.

e fazem da estação do gostoso frio,

das noites aconchegantes ao pé da lareira

do bate-papo sem fastio,

em derredor da fogueira,

uma prévia assustadora do que será agosto,

mês do desgosto.

Façam figas, ocupem as esquinas,

com orixás e babalaôs.

Joguem búzios e flores à Iemanjá.

Chamem São Jorge, santo guerreiro,

Peçam proteção à Virgem, a São Judas.

A todos os Santos, façam ladainha.

Mas, principalmente, pulem agosto na Mariana folhinha. 

DESDE O MUNDIAL DE 78 OS ARGENTINOS SABEM COMO É FÁCIL ROUBAR DOS BRASILEIROS

RAINHA HORTÊNCIA SOBE NO PÓDIO DA FAMA ELEITA A MELHOR DE TODOS OS MUNDIAIS DE BASQUETE FEMININO, COM 85% DOS VOTOS, PELA  SUA ATUAÇÃO NO MUNDIAL DE 94.

Sabem qual foi a pontuação da Hortência neste Mundial: 27,6 pontos por partida? A segunda atleta mais bem votada foi a australiana Laureen Jackson, bem longe da brasileiríssima rainha brasileira.

CASAGRANDE DESCLASSIFICA FELIPE MELO

0 ex-jogador Casagrande, agora comentarista de Rede Globo,  falou que  Felipe Melo, volante do Palmeiras, é jogador extremamente violento em campo e coloca em risco a integridade física de outros atletas. Segundo Casão, "fora isso, eu o queria no meu time, como titular absoluto."

DESCULPAS ESTRANHAS

O zagueiro do Vitória, Lucas Ribeiro, divulgou nas redes sociais pedido de desculpas ao público em geral depois que o vídeo íntimo  dele com um homem e uma mulher vazou pela Internet. Uma coisa é dele, tudo bem, mas como permitiu que fosse gravado? Estranho, não é?

RENATO OCUPA DUAS VAGAS

O bom volante do Santos, Renato, experiente e perto dos 40 anos passou a ocupar duas vagas no clube da Vila Belmiro. Assumiu o cargo de diretor executivo, no lugar de Ricardo Gomes que foi ser treinador do Bordeaux, e de capitão do time principal, comandado por Jair Ventura. Quem sabe com salários iguais ou melhores que os de Ricardo Gomes no futebol francês.

ARBITRAGEM FALSA DO PARAGUAI ROUBA DO CRUZEIRO E EXPULSA DEDÉ: BOCA FAZ 2 A 0.

 

 

A experiência que tenho, adquirida em quase 60 anos de janela em rádio e televisão, transmitindo futebol, me permitiu alertar antes da partida. O Estádio lá Bombonera mete medo em todo mundo: nos jogadores adversários, nas torcidas contrárias, na imprensa de outro País, e submete as autoridades do jogo às vontades da imensa massa de xeneizes  que lotam suas dependências. O falso árbitro Eber Aquino quando foi consultar o VAR sobre um lance normal que ele acompanhou - trombada entre Dedé e o goleiro Andrada - já sabia que expulsaria o zagueiro do Cruzeiro e ajudaria o Boca Juniors a sair do incômodo 0 a 0 da partida.

Foi sacanagem pura, escandaloso furto, que até a Imprensa argentina considerou injusta, porque a expulsão deu ao Boca o fortificante que precisava para vencer. Dedé expulso aos 30" do segundo tempo e o primeiro gol boquense marcado por Zárate aos 33.Na realidade, o Boca nem precisaria deste insólito empurrão pois jogava melhor contra adversário medroso e mal escalado. Aos 37m, o meiocampista  Perez, o melhor em campo, marcou 2 a 0, aproveitando-se de uma sobra na entrada da área e fuzilando sem apelação a meta de Fábio.. No jogo de volta, em BH, dia  26, o Cruzeiro precisa de vencer por 3 a 0, qualquer outro resultado deixa o Boca seguir em frente e tira o time celeste.

 

O Boca Juniors largou em vantagem nas quartas de final da Taça Libertadores. Jogando na Bombonera, nesta quarta-feira, os xeneizes contaram com noite inspirada de Pablo Pérez - que fez gol e deu assistência - e com um erro grave da arbitragem para superar o Cruzeiro por 2 a 0. No jogo de volta, dia 4 de outubro, no Mineirão, o time de Mano Menezes precisa devolver o placar para levar a decisão para os pênaltis. Para se classificar no tempo normal, a Raposa terá de vencer por três gols de diferença. Os argentinos jogam até por uma derrota por um gol para avançar na competição.

O primeiro tempo foi morno. No início, até parecia que seria bom para o Cruzeiro. Antes da primeira volta no relógio, Rafinha cobrou escanteio e Thiago Neves raspou de cabeça no pé da trave defendida por Andrada. Nos primeiros 30 minutos, a zaga conseguia controlar bem o ímpeto do Boca, principalmente com Dedé, que levou a melhor sobre Pavón em todos os lances. Ofensivamente, no entanto, o time não conseguiu evoluir nas jogadas, principalmente em função de passes errados no setor de meio-campo.

E foram justamente esses equívocos que fizeram com que a Raposa sofresse mais nos 15 minutos finais. Aos 35, Zárate tabelou com Pablo Pérez, aproveitou posicionamento errado da defesa celeste e, pela direita, tocou na saída de Fábio. O primeiro tempo terminou com 1 a 0 no placar da Bombonera.

 

O Cruzeiro voltou melhor para o segundo tempo e teve duas boas chances logo de cara. Aos dois minutos, Robinho cruzou para Thiago Neves, que estava livre de marcação. O meia tentou a cabeçada, mas não alcançou. No minuto seguinte, Rafinha foi lançado pelo lado esquerdo da área do Boca e bateu cruzado. A bola foi na direção do gol, e Barrios tirou em cima da linha.

Aos 12, Zárate bateu de longe, e a bola explodiu no pé da trave. Aos 29, Dedé recebeu cartão vermelho, após o árbitro consultar o VAR, depois de choque acidental de cabeça com cabeça entre o zagueiro e o goleiro Andrada . Aos 36, Pablo Pérez aproveitou um rebote da defesa e marcou o segundo gol do time argentino. E assim terminou a partida: 2 a 0 para o Boca Juniors.

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

QUAL É A SUA OPINIÃO; TÉCNICO FICA OU VAI EMBORA?


MINHA POSIÇÃO É UMA SÓ HÁ TEMPOS: SE O TREINADOR LEVA JEITO E DÁ RESULTADO QUE FIQUE, SE É RUIM QUE VÁ EMBORA DEPRESSA.


O bom da consulta à Internet é que sempre está à disposição da gente um assunto bom e discutível. 0 de hoje é o entra e sai de técnico, dispensados nunca por um motivo convincente. Às vezes eles mesmo pedem demissão e por motivos altamente convincente: ir trabalhar na Europa ou na Arábia. No caso de Boca Juniores e Cruzeiro, os dois clubes mantêm os mesmos treinadores há dois anos: No argentino, está o ex-cracaço Guilhermo Barros Schelotto, e do lado de cá o Mano Menezes, que chegou à Toca da Raposa em julho de 2016. Schelotto entrou no Boca em maço do mesmo ano, ambos contratados em momentos de enorme turbulência..Schelotto e Mano, foto abaixo.


Enquanto Schelotto chegou na vaga de Rodolfo Arruabarrena e conseguiu levar o Boca às oitavas de final da Libertadores de 2016, após a quase desclassificação do time. Mano foi contratado para a vaga de Paulo Bento e conseguiu impedir  o inédito rebaixamento no Campeonato Brasileiro.
No ano seguinte, colheram frutos. O Boca voltou a ser campeão argentino, O Cruzeiro foi pentacampeão da Copa do Brasil no ano passado e levou também o Campeonato Mineiro nesta temporada.

As quartas de final da Libertadores mostram que outros times ainda vivos na disputa apostam na mesma receita. O River Plate está com Marcelo Gallardo desde junho de 2014 e, neste período, já ganhou a Copa Sul-Americana e a Libertadores. O time encara o Independiente do técnico Ariel Holan, contratado em dezembro de 2016, e que conquistou a Sul-Americana do ano passado.

No outro confronto da Libertadores, há o Grêmio, treinado por Renato Gaúcho desde meados de 2016, e o Atlético Tucumán, da Argentina, que está com Ricardo Zielinski desde o ano passado. Já o Palmeiras contratou Felipão há pouco tempo e encara os chilenos do Colo-Colo, com Héctor Tapia de treinador em meados do primeiro semestre.
Boca Juniors e Cruzeiro se enfrentam nesta quarta-feira, na Bombonera. A TV Globo, o Sportv e o GloboEsporte.com acompanham todos os detalhes da partida em Buenos.

terça-feira, 18 de setembro de 2018

CRUZEIRO VAI AZULAR AQUELE CORTIÇO DE LA BOMBONERA

AI QUE SAUDADE EU TENHO DE IR A BUENOS AIRES TRANSMITIR JOGOS DE NOSSOS TIMES. SAUDADE  SEM LIMITE DOS 40 DIAS QUE FIQUEI NA BELA CAPITAL  ARGENTINA DURANTE A COPA DE 1978, MESMO QUE A FESTA FINAL TENHA SIDO DELES, NO TAPETÃO.

O cortiço de Lá Bombonera faz medo até para gente que não está no gramado. Subir aquelas escadarias, que nem sei se existem ainda,  com as malas de equipamentos no ombro era terrível. Escadas estreitas e escuras. Na subida, a gente fazia os planos da descida se vencesse o jogo, os riscos que teríamos de enfrentar ameaçados pelos "Los bosteros', apelido do Boca Júniors, que também é apelidado de "Los Xeneizes".
Devido ao grande número de imigrantes italianos, provenientes da cidade de Gênova, morando no bairro de La Boca, na época, os próprios torcedores do Boca começaram a se auto-intitular "Los Xeneizes". A expressão é derivada da palavra zeneïze, que no dialeto falado na Ligúria, região italiana cuja capital é Gênova, significa genovês.
Os boquenses também foram apelidados de "Los Bosteros" (Os Bosteiros), devido a fábrica de tijolos que funcionava nas proximidades do clube. Para a fabricação dos tijolos, era utilizado excremento animal como matéria-prima, o que deixava mau cheiro para quem passasse por ali. Os rivais então criaram o apelido, que nos dias de hoje já é aceito pelos torcedores do Boca, que não se importam com o cunho pejorativo.
CRUZEIRO CHEGA DE MADRUGADA A BUENOS AIRES E É RECEBIDO COM MUITA FESTA NO EZEIZA
Quase no início da madrugada desta terça-feira, o Cruzeiro desembarcou no aeroporto internacional de Ezeiza, em Buenos Aires, capital da Argentina, local da partida contra o Boca Juniors, nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), na Bombonera, pelas quartas de final da Libertadores. Mas o horário não afastou os torcedores cruzeirenses que desembarcaram mais cedo e fizeram questão de acompanhar a chegada da delegação. Muita festa para os jogadores, que receberam demonstrações de carinho e idolatria.
Um dos mais comemorados foi o goleiro Fábio, um dos mais antigos no elenco cruzeirense. O cruzeirense Amadeu Lopes, de Pará de Minas, interior de Minas Gerais, chegou um pouco antes da delegação e tinha o goleiro como principal objetivo. E ele demonstrou todo carinho que tem pelo goleiro quando o encontro, beijando até as mãos do experiente jogador da Raposa.
- Nunca tinha conseguido ficar tão perto dele e a oportunidade de estar assim. Ele é muito ídolo – comemorou o torcedor cruzeirense.
Não só Fábio recebeu carinho. Mano Menezes, Barcos, Dedé, Romero, Raniel, entre outros foram recebidos com muita festa, fotos e vídeos com os torcedores cruzeirenses. Mas não só tinha gente vestido de azul e branco. Também na Argentina, por causa do jogo contra o Atlético Tucumán, nesta terça, pela Libertadores, os gremistas espiaram a chegada do time cruzeirense.
Muitos vão dormir no aeroporto de Ezeiza esta madrugada para pegar um voo cedo para a cidade que fica ao norte de Buenos Aires, a cerca de 1000 quilômetros. O gremista Matheus Tchukamira será um dos que irá esperar passar a madrugada e aproveitou também para fazer fotos com ex-gremistas, como Barcos e Edilson.

Recepção amiga

Apesar de adversário, o Boca Juniors mandou funcionário do seu departamento de relações públicas para receber a delegação cruzeirense, que chegou com 23 jogadores e muita festa a Buenos Aires, animada com a partida com o Boca Juniors. Ele recepcionou a delegação e deu a boas vindas aos dirigentes.
O Cruzeiro finalizou a preparação para o jogo contra o Boca Juniors nesta terça-feira. No estádio do San Lorenzo, às 16h, a equipe fez treino fechado. Duas horas depois, o reconhecimento do gramado da Bombonera.
Confira a lista dos jogadores relacionados para o jogo na Argentina:
Goleiros:
 Fábio, Rafael e Vitor Eudes
Laterais: Edilson, Egídio, Ezequiel e Marcelo Hermes
Zagueiros: Léo, Dedé, Manoel e Murilo
Volantes: Henrique, Lucas Silva, Romero, Cabral e Bruno Silva
Meias: Thiago Neves, Robinho, Rafinha
Atacantes: Barcos, Raniel, David e Rafael Sobis

Após nove jogos e quase dois meses de invencibilidade, o Inter não só voltou a ser derrotado, como perdeu a liderança do Brasileirão. O Colorado saiu na frente, mas sofreu a virada por 2 a 1 para a Chapecoense, nesta segunda-feira, na Arena Condá, pela 25ª rodada do Brasileirão. E Leandro Damião assume sua parcela de culpa pelo resultado, depois de ter perdido um pênalti já nos acréscimos da segunda etapa.
Em entrevista após a partida, o centroavante admitiu que poderia ter "caprichado mais" na cobrança. Ressaltou, porém, que não errou de "sacanagem" e ainda ressaltou os méritos de Jandrei.
– Criamos muitas chances. O meu pênalti, o Jonatan. O Jandrei foi feliz de ter pegado o pênalti. Foi no último lance, também. Tentei desviar, e ele acertou o canto. Eu acho que o pênalti eu devia ter caprichado um pouco mais. Ninguém erra de sacanagem. Tentei caprichar. Eu consegui voltar bem, estava com dores nas costas – afirma o centroavante.
Perdeu! Leandro Damião bate pênalti com força, mas Jandrei rebate aos 49 do 2º tempo
O camisa 9 foi além e ainda afirmou que o Inter criou chances e conseguiu ter uma boa atuação mesmo no campo rápido da Chapecoense. O atleta ressaltou também a postura da Chape em campo.
– Nós tentamos jogar, o campo rápido. A Chape jogou em cima. A gente criou. O Inter teve muito mais chances que a Chape. Mas não pode tirar os méritos. Queríamos chegar também. Agora, não tem o que fazer. É começar com o pensamento no Corinthians – disse o camisa 9.
Camilo, por sua vez, elogiou o crescimento da equipe com um a menos, após a expulsão de Victor Cuesta, no lance do pênalti que deu a vitória à Chape. O meia, porém, disse que o Inter pecou na pontaria.
– A gente queria crescer e crescemos. Não soubemos aproveitar as oportunidades. O campeonato é difícil, Vamos seguir na batalha. Damião é o que bate, um dos que batem. O Jandrei está de parabéns. Fez dois milagres. Fez a defesa do jogo no último lance. Fomos melhores, não desistimos – disse.
Com a derrota nesta segunda-feira, o Inter perde a liderança do Brasileirão: é segundo colocado, com 49 pontos, um a menos que o novo líder, São Paulo. O Colorado volta a campo no próximo domingo, quando enfrenta o Corinthians, às 16h, no Beira-Rio, pela 26ª rodada do Brasileirão.

GRÊMIO NÃO TOMA CONHECIMENTO E VENCE TUCUMÃ EM BUENOS AIRES, GOL DO MINEIRO ALISSO.

 Enquanto o Internacional perdia a liderança isolada do Brasileirão na derrota para a Chapecoense, o Grêmio fazia bonito na Libertadores derrotando o Tucumã por 1 a 0, gol de Álisson, em Buenos Aires. 0  Tucumán iniciou o jogo com o intuito de fazer valer o fator local. Embalado pela torcida, o time se atirou ao ataque. O Grêmio tentava se segurar, mas a defesa mostrava insegurança.

Aos poucos, os gaúchos se acalmaram e tomaram as rédeas da partida. Aos 34 minutos, Geromel cobrou falta na cabeça de Cícero, que escorou para Álisson estufar as redes de Luchetti. O Tucumán se perdeu. Aos 45 minutos, Nuñez pisou nas costas de Álisson. O árbitro tinha dado cartão amarelo, mas recorreu ao VAR e, após analisar, expulsou o argentino.

GOOOLLL DO GRÊMIO! Geromel bate falta para Cícero, que encontra 
Álisson dentro da área. O atacante chuta forte e fuzila Luchetti, que nada 
pode fazer. Aquele mesmo jovem atleta, revelado nas bases do Cruzeiro e 
que mano meses abriu mão dele.